Um Everest que passou na minha vida - V

BOA NOITE!

Olá a todos, tudo bem com vocês? Espero que curtam o capítulo e continuem a acompanhar a história, obrigado pelos votos, leituras e comentários.

#Martines - Uau! Que bom que você está gostando. Eu meio que gostaria de escrever mais, mas cara tenho uma coisa que só consigo escrever assim aos pedaços kkkkk então, espero que continue gostando mesmo assim, obrigado pelo comentário e até logo!!

#Geomateus - Olá, obrigado por estar aqui. E vão ser reveladas sim, ao longo da história as coisas começam a aparecer sobre ele.

#Valtersó - Olá! Com certeza por falta de destreza minha, deixei parecer que ele estivesse morto, desculpe, mas na minha releitura do capítulo não senti que estava confuso. Obrigado pelo alerta!

#Pichelim - Olá tudo bem? Sim senhor! Bjs!

E uma boa leitura a todos!

********************************************

********************************************

Não sei dizer como, mas cheguei em casa a tempo de cair na cama e dormir um sono de pedra. Um sono de fuso suíço sem sonhos, que me fez acordar às quatro da manhã em ponto.

Eu abri os olhos e foi como se eu não tivesse feito, nada além do barulho do meu coração dava sinal de vida no quarto. Essa serenidade de cemitério dissipou dos meus pensamentos o sentimento de culpa e fortificou minha certeza fajuta de que tudo não passara de um pesadelo. Me mantive certo da minha inocência e sorte, até eu pegar meu celular de tela rachada e ler com atenção as mensagens enviadas por Cristina “ Desculpe pela saia justa que te deixei no bar amigo, e ai todos saíram vivos?”, eu definitivamente despertei de fato com essa alusão a conversa com Montanha/Gustavo que eu preferia esquecer.

Quero dizer, a mensagem reacendeu a memória sobre tudo, bolinhas no escapamento, minha confissão de culpa ao Montanha. E minha certeza reverteu na mesma hora, nem inocente, menos ainda sortudo, na verdade só um culpado. Comecei a transpirar feito um cuscuz.

- Afinal o que raios ele quer comigo? – Coço minha cabeça, e decido tomar um banho. A água geralmente faz meus pensamentos clarearem um pouquinho mais. Debaixo do chuveiro eu elenco comigo mesmo, três coisas que podem acontecer comigo se eu for ao encontro do Montanha.

Ele pode me espancar até a morte; ele pode só me espancar e me causar uma lesão irreversível; ele pode me espancar e me humilhar; ele pode humilhar e depois me espancar... Balanço a cabeça e suspiro, farto da auto depreciação. Eu não preciso ficar pensando nisso, não aqui e não agora. O feito foi feito.

Em vão seco meu corpo com a toalha, do caminho curto do banheiro para a cama, já estou suando novamente. Cubro minha cabeça com a toalha para tirar os resquícios de umidade, e quando tiro ela, meu aspecto é de um louco completo. Sorrio ao meu semblante e me deixo cair na cama com o corpo totalmente desnudo.

Seja efeito de tanto estresse, seja o fato de há muito tempo eu não me tocar, a maciez dos panos que cobrem a cama tocando minhas coxas, costas e nádegas causam arrepios em todo o meu corpo. Arrepios do tipo causado pelos vídeos e contos eróticos da internet. É quase involuntário o pensamento libidinoso, nem faço esforço para evitar que ele se esgueire para minha mente e comece a encher meu pênis de sangue.

Na minha galeria mental de homens tesudos, ou pelo menos que eu considero assim, aparecem figuras distantes da minha adolescência solitária de masturbações. Tipos como o Alemão, um dos ex – participantes do Big Brother Brasil, seu peitoral, seus pelinhos louros pelo peitoral. Arfo em imagina-lo nuzinho em pelo, melhor ainda ao lado de outro ex-bbb gotosíssimo Eliezer... Ressalvando as diferenças que são muitas, relembro imediatamente das minhas primeiras aventuras: o meu primeiro dotado, um dos tipos mais deliciosos de se ter nem que seja por uns minutos, os homens que gostam de se considerar heteros cem por cento.

“Ah” os cheiros deliciosos, do coito, o cheiro do pré-gozo. Os aspiro como se os tivesse sentindo de fato, e aperto sem medo meu pénis já rijo. Minhas pernas cedem e eu as abro sem peso na consciência. Os corpos grandes, desnudos e suados, aparecem para satisfazer meus desejos mais primitivos. E volto a reviver momentos, deliciosos, como a primeira vez que fiquei de quatro para um homem de trinta e cinco anos de idade com cara de irmão mais velho barbudo. Olhos felinos, rosto felino, e uma suavidade na hora de línguar de deixar qualquer um louco.

Eu até deito na cama dessa forma reproduzindo o ato de há muito anos atrás, movo meu pénis de baixo para cima e cima para baixo como se o homem estivesse mesmo atrás de mim. Mas a voz que ondula pela minha mente em quentes cores, é a grave tonal ordem “Não. Fique ai mesmo...”, sem qualquer controle sobre mim mesmo, sem dignidade nenhuma, pensei em Gustavo nu. Em como seu peitoral seria definido e bem trabalhado por baixo daquela camisa. O pensamento é tão estanque que já o imagino dentro de mim, e é relâmpago que meu gozo sai sem prévio aviso.

“Ah! Ah!” é tudo o que balbucio, minhas pernas amolecem em um relaxamento total e humilhante.

Forço meu corpo a se erguer e lavo minhas mãos no banheiro. Limpo meu pênis, e volto para a cama. Fábio, você é ridículo, me censuro. Como posso sentir tesão em homem que eu odeio? Desisto de pensar sobre isso. Dois minutos depois, estou enrolado em minha coberta relembrando as sábias e ásperas palavras do meu pai “O remédio às vezes sai do veneno mesmo que fere”, eis ai minha desculpa. Fecho os olhos e consigo voltar a dormir.

Saltei da cama quarenta minutos atrasado, um tempo que me custou o café da manhã. Pensei por várias vezes, enrolando na cama, em não ir ao trabalho. Mas ponderando pros e contras, acabei indo para o meu emprego. Porque mesmo que eu o perdesse por culpa do Montanha, ainda era o lugar onde melhor conseguia distrair minha cabeça. Não deu, como de costume para conversar com as meninas, apenas amenas palavras trocadas com Evangline.

As primeiras horas da manhã surpreendentemente me impediram até de pensar. A cada dez minutos um grupo de quatro ou seis pessoas apareciam pela minha seção, e em determinado momento todos os clientes na loja se resumiam a minha seção. Tanto assim que Jamile até apareceu por lá e me perguntou se eu precisava de ajuda, mas com destreza consegui atender a todos. Com trabalho pelas tampas consegui camuflar os problemas, joga-los para debaixo do tapete e não pensar no encontro com Montanha.

- Você poderia ganhar um dinheiro extra, sabia? – quase quatro da tarde, um homem grisalho de lábios moles me disse bem perto do ouvido – aqui ô vou deixar no seu bolso meu número tá, liga pra gente marcar alguma coisa.

Até ai me mantive sereno, foi a passadinha de mão na minha nádega que ascendeu o alerta vermelho. Aquele cara estava me fazendo uma proposta de programa? Antes de ele sair da seção, tirei o cartãozinho do bolso constando apenas o nome e o número do sujeito. E se eu desse um murro na boca desse velho sem vergonha? Será que ia ser demitido? Pensei e sorri ao meu descalabro, pra piorar as coisas tão logo joguei o cartãozinho no lixo eis que descendo as escadas vem Gustavo.

- Não esquece hein, no final do expediente – ele disse sem ser alto demais, e nem olhou para o meu lado.

Revirei os olhos e voltei para a minha seção. Às seis e meia, por causa de uns clientes chatos na minha seção saí da loja. As meninas já tinham ido embora, eu olhei a faixada da academia e pensei seriamente em ir para casa. Mas a culpa me fez dar os três passos necessários para ir pra dentro.

- Boa noite, posso falar com o Gustavo? – eu pergunto e sinto que já passei por exatamente isso antes. Porque será? Sorrio. Ele vai me fazer esperar mais uma vez, eu penso e me engano.

- Ah, Fábio não é mesmo? – eu assinto para a moça de olhos asiáticos. – Montanha falou da sua vinda, então, vou te mostrar a academia tá bom.

Eu franzo o cenho na mesma hora sem entender patavinas, e antes de perguntar o que está acontecendo ela já vai andando mostrando as coisas por lá. Sigo-a por um corredor e viramos a direita para uma escada estilo caracol, ela sobe e eu vou atrás com a língua coçando para perguntar. Mas só consigo fazer isso quando estamos lá em cima, onde o cheiro de cachorro molhado e sem banho, supera qualquer escala normal e quase me derruba ali mesmo.

- Ei, como você sabe meu nome? E se não se incomodar porque mesmo está me mostrando essas coisas? – ela faz uma pinça com o indicador e o polegar e tampa o nariz, eu faço o mesmo, porque né, lugar de enxofre no inferno.

- Quem me disse seu nome foi o Montanha, ele pediu pra eu te mostrar tudo, mas saca, Montanha não fala as coisas. – Isso explica tudo, eu ergo uma das minhas sobrancelhas e ela parece entender o recado. – Me deixa explicar melhor, aqui é assim, ela manda a gente faz e só. Vem que tem mais pra mostrar.

- Muito democrático - eu digo, ganhando um sorriso amarelo dela.

Os bancos longos, e os armários espalhados, além de dois banheiros com chuveiros interligados, deixam claro que ali se trata de um vestiário. Mas minha guia turística não se importa em me dizer, e junto comigo franze o cenho para a foto na parede. O desenho de uma mulher nua, com uma das mãos erguendo a teta para a boca e a outra na vagina. E tanto eu quanto a minha guia fazemos um uníssono “Arg”, seguimos para uns banheiros e passamos por uma espécie de paredes de armários, mas sem identificação. Voltamos para a escada caracol. Alguns rapazes podres de suor, e com o rosto vermelho sobem pela escada assim que nos descemos. Ela aponta para o outro corredor a esquerda, mas sem empolgação informa:

- Ali fica os materiais de limpeza e coisas assim, tem mais um quartinho de velharias também. Mas o principal mesmo, me acompanha – e eu muito interessado pelo passeio, - está bem aqui ô...

No centro entre esses dois corredores, se seguirmos direto damos em um salão imenso, com um tatame e equipamentos de luta. Além de uma academia cheia de equipamentos de musculação do outro lado da sala. Em cima do ringue, chegamos exatamente no momento em que dois homens com capacetes um vermelho e outro preto estão brigando? Ou treinando imagino. A menina fica eufórica olhando para os dois em cima do ringue e até esquece que eu estou ao seu lado. Perambulo pelo salão, olhando os lutadores no ringue, e só quando presto atenção em quem está em cima eu paro.

Montanha tem mesmo braços muito, muito definidos, e dando saltinhos com luvas pretas e uma coisa florescente na boca ele intercepta todos os golpes do outro bem mais magro e jovem que ele. Meus olhos simplesmente grudam na figura dele, e não consigo desprender. Seu rosto soa pra caramba, sua camisa cola no peito, e essa com certeza não é a visão mais sexy do mundo, mas por algum motivo eu sinto uma onda atração pela luta. Ou por ele? Ou pelos dois?

- Ei, Mixa não quero gente aqui na hora do treino – ele interrompe a luta e automaticamente corta a onda. – Você, vai tomar um banho, amanhã continuamos. Precisa melhorar... Ah, olhe só quem está aqui.

Montanha fisga meu olhar e os olhos dele sacanas, não deixam dúvida que seus planos para mim não são nada animadores. O outro homem tira o capacete e dá um beijo na menina que estava me guiando pela academia e que pelo visto se chama Mixa. O Montanha, sai do ringue e dá um salto até bem próximo de mim. Inevitável não sentir o cheiro dele, suor misturado a perfume. Seus olhos encaram os meus, e nos ficamos por alguns segundos assim, nesse enfrentamento. Ele uma cabeça maior que eu, e com o corpo bem mais trabalhado.

- Porque me chamou aqui? – eu digo logo direto. Ele pisca os olhos, e coça a testa.

- Mixa, Leo, podem sair, a academia vai fechar um pouco mais cedo, sem série de musculação hoje Léo. – O rapaz reclama alguma coisa e sai ao lado de Mixa, e dou alguns passos para trás e esbarro em uma parede cheia de troféus e medalhas e coisas do tipo. – Isso ai são símbolos conquistados por vencedores, sabe o que é isso?

- Não, não, - eu olho pra ele provocativo – nunca tive o prazer de conhecer algum vencedor. Acho que estão todos mortos.

- Ah tá explicado esse seu jeito – ele suspira e volta a falar rápido – não quero papo mole, nem tempo pra isso tenho. Sei o que você fez, porque meu carro otário tem câmera no fundo, e ele registrou teu rosto. Então a não ser que você tenha cinco mil pratas pra me pagar o concerto, eu vou ter que entregar essas imagens a policia. Ontem tu estava bêbado, enchendo o rabo pra apagar a culpa né? Não tinha como...

Ele mal terminou a frase, e eu avencei no seu rosto e por pouco não lhe acertei um murro bem no supercilio esquerdo, mais rápido e ágil ele me colocou mais uma vez dentro do seu golpe esquisito de jiu-jitsu, e com meus braços para trás e pernas imobilizadas, tive que abaixar a crista. O peso de seu corpo em cima do meu, começou a causar o desconforto superando a dor da torção nos braços.

- Tá, tá, tá desculpe, seu cretino de merda desculpe – eu repito várias vezes.

- Não é assim que se pede desculpas, seu papai não te ensinou nada não? – eu travo os dentes e começo a me mexer com todo a minha força, ela mal se move – repita tudo o que eu disser, está me ouvindo? Me desculpe senhor Gustavo, por achar que sou o dono da razão, e que posso sair por ai fazendo merda, sem levar o devido corretivo.

- Vá a merda! Não vou dizer isso. – Eu grito de dor, pelo meu braço torcido, e ele aumenta ainda mais a força. Meus olhos enchem de lágrimas, e eu acabo dizendo tudo o que ele pede. – Desculpe senhor Gustavo por me achar dono da razão, e por achar que posso sair fazendo merda sem levar corretivo...

Imediatamente ele sai de cima de mim e eu volto a respirar, e sentir meu braço, a dor é excruciante. Fico deitado no chão bem ao lado dele, que se agacha ao meu lado e com a mão batendo nas minhas costas, sentencia:

- Eu sou uma boa pessoa. A prova disso é que vou deixar você trabalhar aqui, limpando todas as áreas que a Mixa te mostrou, e em troca vou perdoar sua divida comigo. Quem sabe vivendo entre vencedores, você aprenda a ser um.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
10/10/2019 09:19:41
Demaiscontinua logo
09/10/2019 23:52:39
AH E LAMENTO VC TER JGADO FORA O TELEFONE QUE O COROA TE PASSOU. NUNCA SE SABE NÉ... ACHO QUE VC DEVERIA SE SENTIR LISONGEADO. ESTÁ CHAMANDO A ATENÇÃO. RSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS BRINCADEIRINHA.
09/10/2019 23:51:30
RSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS. PRIMEIRO AO INVÉS DE PERGUNTAR O QUE GUSTAVO QUER COM VC, SE PERGUNTE O QUE VC QUER COM O GUSTAVO. RSSSSSSSSSSSSSSSSSSS SERIA BEM MELHOR. POSSO NÃO CONCORDAR COM OS MEIOS QUE GUSTAVO UTILIZOU MAS ELE ESTÁ COBERTO DE RAZÃO. AH SE NÃO FOSSEM AS CÂMERAS DO CARRO DE GUSTAVO. RSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS DE FATO OS PROBLEMAS ESTÃO AONDE VC ESTÁ SENHOR INVOCADINHO. GUSTAVO ESTÁ FAZENDO VC DESCER DO PEDESTAL. MAS COM QUE INTENÇÕES GUSTAVO ESTÁ FAZENDO ISSO? COMO SABIA QUE VC IRIA NA ACADEMIA? BOM, DE UMA COISA EU SEI, AMOR E ÓDIO CAMINHAM LADO A LADO. DIFÍCIL SABER O QUE É UMA COISA OU OUTRA NESSA SITUAÇÃO. MAS CREIO QUE VAI SER APRENDIZADO PARA OS DOIS. RSSSSSSSSSSSSSSSSS
09/10/2019 21:21:46
esse mo esse pau no cu se acha # FDP só pq é rico pode pisar nos outros.... afff que nojo desse bosta

Online porn video at mobile phone


contoseroticosdeu o cu pro vizinho.videos de cunhada se esfregando no marido da irmaContoeroticogeydei minha virgindade promeuirmãogêmeosobrinha abre a perna para o tiochuparmae pegar filho batendo punheta pau 70cmvideo de porno .que nuher mão quanta que.cagaum uisque depois de um cigarro pornomassagem nos pezinhos da minha irman contos eroticoMeus amigos me foderam bebada contosxvideo corno esposa pegavo afosaenfiando o dedo na viver a na praia de nudismomulher matematica com pau no cu e pedindo mais pornominha esposa aninha novinha e meu tio roludo setima parte contos eoticos Contos eroticos minha esposa na praia de nudismomenina com raiva a rola nao emdureceperdendo as prega saindo bosta caseirobelo sexo dormindo de conchinha com a titiavιnнa econtos eroticos negao no cinema corno lambe porratati vaqeira nua nasiriricarabuda na garupa da moto o vesdidinho sobi e mostra a caucinhaxvidio de padrasto comendo. a imtiadagrelinho branquinho dessa buceta virgem deliciacontos sexuais de traição de casadas postado no ano de 2018 aquele velho regasou a bucetinha da minha esposaxvidio gostoza pega nofraga i bati praeli ate gozaencanador comeu a cliente a forca e ela gostoufilhas ve paes trazando e entra na putariahomem tem namorada ela ta dormindo. e a cama da irma é do lado irmao ataca a irma porno evito. melhor saiteporno nao percebi mas ela pegou no meu pauvideos de gosdosa tirado fio dendal de 22anosreinaldinho com p******* comendo a minha irmãvideios mae filho gosou dentro dela e derramou muita gaconto erotico velha casada banca negao pirocudocontos eroticos madrasta cachorra leva surra de pica dxvideo decks ja jantar filho come a mãe e pai come a filiatitio safadão mim encoxou dormindo contos gayRelato enrabada por um cavalo bem dotado zoofiliacontos de incestos minha mae e seus lindos pezinhosconto erótico sou menino mas adoro usar calcinha e ser menina do meu tio malvadotabu em familia pai e filha se amando loucamente incesto panterasan american tale cornopaola olivera de xote curto pornovideo porno mulher dando primeira vez na frente do marido casa de cuingue curitibavidio porno das dimenores fasendo sexo da buceta apertadinhacorno ve a mulher metendo comtrinta machovadia adoro dar o cuzinho pro gigolo foder com vontade o cuzinho delaContos eroticos gay pegando no pau do meu irmao por cima da toalha dpois do banho na belichevídeos porno de bonecas de prático gigantescdzinha quer ser empregadinhablogs velho seboso pauzudomaldiçao da clareira da cadelacaipira pingueludonovinha doida pra perder a virgindade combina pr despius da escolapai cospe no cuzinho da putinha depois mete o pauzaoconto erotico viadinho de calcinha e peruca com o borracheiroponodoidosogrobiel sabatini eu nao sou gay completocutucando buceta de cadela com dedo zoofiliacontos eroticos dupla penetracao filhaconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhoConto erotico mãe transando com pedreiro e filho vendo e depois vai querer tranzar com mãecontos eroticos dois machos chupando minhas tetas como bebes golusoslekes cantando juntos no pornodoidoanuspornonovinhaassustada acaba mijando os golinho d tesao xvidioconto meu corno só arruma negros para me fodercasais na piscina contocontos mulheres cinquentona nao aguenta pau com super cabecaButão bucetimhameninos irmaos gay gostosos sarados pelados batendo punheta na cam e na escolavarios roludos comendo a mocinha no camposobrinho. segura. a. escada. pra. tia. gostosa. subir. de. saiafamilia surubaXvideo negra dormindo domado rolaNovinha excitidaxvideos essa mulher fezes 32 homens de trouxaxvideo tigrésávídeo biscatinha gostosa nora pagando a dívida do marido para o sogrolazarento do irmao fez sexo com a irma enquanto ela estava deitada