Felipe - Parte I - O mio babbino caro

Um conto erótico de YL Maestro
Categoria: Homossexual
Data: 13/08/2019 00:56:03
Última revisão: 13/08/2019 11:50:23
Nota 10.00

Já se faziam dois meses que Felipe trabalhava para mim. Eu estava absolutamente fascinado com a capacidade daquele garoto de gerir a minha vida de artista. Eu continuava trabalhando na companhia, ele trabalhando para mim todos os dias. Todos estavam satisfeitos com ele. Ele era gentil, uma pessoa extremamente doce, era solícito, bondoso e agradável. Tudo aquilo que eu não conseguia ser. Minha arrogância por ser a estrela máxima da companhia havia me subido à cabeça. Mas enquanto eu estivesse fazendo o meu trabalho com perfeição, eles não me demitiriam.

Minha voz era aclamada pela crítica. Vinham muitos críticos, músicos experientes, professores de canto, para presenciar, nas minhas apresentações o Farinelli dos novos tempos, esse era um dos meus apelidos. Mas eu tinha muitos inimigos. Dentro e fora da companhia.

Quando cheguei para estrear ali, depois de 6 anos de estudo, dos meus 6 aos 12, tomei a posição de dianteira na corrida pelas apresentações mais importantes. Árias muito famosas como A rainha da noite, de Mozart, Cario mio ben de Giordani eram apresentadas por mim que em tão pouco que havia chegado e tomado aquele posto.

Felipe me acompanhava para cima e para baixo. Naquela semana iríamos para São Paulo. A mais importante apresentação do início da temporada. Era o início do ano mais importante que eu teria até então. O Solista principal fazia 3 apresentações. As 3 selecionadas eram Strano, Sempre Libera e em dupla, Les Fleurs Duet, que Marion, um falso soprano, assim como eu, faria comigo.

Cheguei, por infortúnio do destino, duas horas mais cedo no teatro onde aconteceriam os ensaios. Mariel, irmão gêmeo de Marion, que era carinhosamente apelidado de Olive, por causa de seus belos olhos verdes que sempre mostravam doçura, se espreitava pelo corredor que passava pela frente do meu camarim e seguia para o camarim do diretor musical, Genelle. Achei aquilo bastante estranho e Felipe seguia atrás de mim, ambos a passos bem lentos, para justamente não sermos escutados.

Mariel entrou no camarim de Genelle e fechou a porta. Mas porque ele estava ali? Porque se esgueirava pelo corredor, empertigado, como se fosse fazer algo que não devia. Eu e Felipe olhávamos um para o outro, achando aquilo demasiadamente estranho.

Continuamos seguindo passo a passo, pé ante pé e bem silenciosos para a porta do camarim.

Ouviam-se gemidos. Dava para perceber que eram gemidos de Genelle, dado a sua voz grave e profunda. Então escutei a voz de Mariel. Algo estava mais errado ainda.

Mariel pedia a Genelle que o desse o meu lugar. E que para aquilo faria várias de suas vontades sexuais.

Naquele momento eu senti fraco. Enojado. Triste e com muita, muita raiva. Sentia fraco diante de toda aquela situação. Eu era jovem. Era talentoso. Mas não havia tomado muitas pancadas da vida, até aquele momento.

Enojado pelo fato de ter que dividir o mesmo teatro, o mesmo mundo com uma pessoa capaz de ceder às bestialidades de um homem de quase 70 anos, casado, com netos já, que por mais que fosse um senhor, era extremamente bem apanhado, para tentar derrubar um colega que estava ali porque aquilo lhe era de direito.

Abruptamente abri a porta. Quase um coice, com raiva, furioso. Olhei para Mariel que encontrava-se ajoelhado à frente do nosso diretor, com seu membro em suas mãos.

Vi Mariel com aquele membro em riste em suas mãos. Genelle estava apenas usando as calças e ainda assim desabotoadas, caídas aos pés. Mariel estava ajoelhado, sem camiseta, mostrando que possuía um físico invejável, que somados aos seus cabelos louros, típicos de quem nasceu e cresceu em família italiana. Era um homem belíssimo no auge de seus 23 anos e com muito talento para cantar.

Eu ri de desdêm. Abri a boca para falar, mas não o fiz. Ao invés disso, cantei Lucia, num tom muito alto até para sopranos de imensa coloratura. Bati a porta. Sai para o meu camarim.

Felipe me seguia. Ele estava branco de susto com aquela situação. Eu estava em puro ódio. Abri a porta do meu camarim numa mistura de ódio e nojo. Como alguém consegue ser tão baixo. Felipe tentava me acalmar. Dizia para manter a calma. Amanhã Joseph Cleiber iria chegar, o chefe geral da companhia.

Mas eu não conseguia me acalmar. Queria avançar no pescoço daqueles dois. Enforcá-los até perderem a última molécula de ar dentro dos pulmões.

Felipe falava para eu manter a minha calma. Para não fazer nenhuma besteira. Ele também sentia raiva, sentia nojo de uma pessoa como Mariel. Pensei por um momento que eu fosse vomitar.

Corri para o banheiro do camarim pensando que eu colocaria tudo para fora. Mas fora somente um alarme falso.

Eu agora chorava. De raiva e de tristeza.

Sabia que tudo aquilo estava acontecendo não era de agora. Que haviam acontecido outras vezes, com outras pessoas que tentaram tomar meu posto.

Eu falava com Felipe, questionando o porquê aquilo acontecia comigo. Eu só fazia o meu trabalho. Só queria ficar em paz. Nem toda a minha arrogância e amargura com aqueles que não gostavam de mim fazia que eu pudesse ter sossego para trabalhar em paz.

Eu falava alto. Quase aos berros. Era muita raiva. E essa raiva parecia não ter fim dentro do meu peito.

Os olhos de Felipe eram calmos. Ele deixava que eu esbravejasse aos 4 ventos e que amaldiçoasse à torta e à direita. A raiva aos poucos foi dando vazão e então comecei a ser cometido por uma profunda tristeza.

As lágrimas de ódio começaram a se transformar em lágrimas de melancolia e de uma solidão que eu sentia dentro de mim. Uma espécie de aflição. Que começava a me deixar dormente.

Os olhos de Felipe parados ali à minha frente, me olhavam como se fossem puro açúcar. Plácidos e calmos como um lago na primavera.

Desviou seu olhar de mim para a mochila que estava no sofá ao seu lado. Ainda calmo como nunca, uma sensação completamente diferente da minha.

Eu soluçava de tanto chorar enquanto ele colocava uma suave música para tocar. O mio babbino caro. Essa música me acalmava e ele sabia disso.

Segurou em minha mão e me puxou para si. Me fazendo sentir um abraço que possuía uma ternura, um carinho que eu não conseguia explicar.

Eu me acalmava com a cabeça em seu ombro com ele acariciando meu cabelo. Aquilo me fazia quase adormecer.

Ele disse para me acalmar, porque eu era a estrela dele e estrelas brilhavam por si só.


Este conto recebeu 0 estrelas
Estamos testando um novo formato de votação. O ranqueamento será feito não mais pela média, mas apenas pela soma das notas oferecidas. As notas também serão apenas de uma, duas ou três estrelas. Isso deve evitar que haja quedas repentinas do ranking por conta de ataques por alguém que queira manipular os resultados. Se tiverem dúvidas, .

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/08/2019 23:14:17
Show
13/08/2019 21:31:31
INTERESSANTE. HISTÓRIA DE CIÚME, INVEJA, ESTRELISMO ETC. CONTINUE
13/08/2019 08:24:35
continua

Online porn video at mobile phone


XVídeos mulher fazendo cocô e 32 no Condor2000 mil foto de mulheres gostosa impinano abuda peladameu genro deixa minhas calcinhas encharcadas de porramae amamentando filha adulta contosreaismulata de short amrelo deitada de bunda pracima e o marido mexendo na bunda delahttp://contos eroticos rasgaram minha buceta e meu cu branquelovideos de negao com tres negras bundudas rebolando de xotinhos curtinhos bem gotosascontos eróticos primeiras lições do vovô pornodoido cavalona de cinturinha fininhacontos eróticos d alguém q adorava ser molestaelicarlos2010fruta porno fudendo a sogra gordinha com rachaprovoquei meu irmao so de calcinha e ele me arrombou todinhaVer pornodoido mae fazendo buque tf e em filhogarota q foi fudida no fundo d casa por um cachorro pastor alemaoContos eroticos,negao tripé tirando o cabaço da ninfetacontoerotico eu namorada mae e tioviadinho fui tomar sorvete contos eroticosmundobicha ver tres brasileiros novinhos se cumendo em casaraoxexoleitinhoenteada novina doida pra dar o cu. pro padrastohttp://porno contos eroticos meteu e gozou dentroConto de maes leno asistino conto de incesto + o filhoXvideos gay enfiando abobrinha cabeçuda no cucontos eiroticos leilapornmundobicha.com brasil academicosxvideo.magrinha nao aguentou apica do negueo e gritou muito de dorRelatos eroticos veridicos em buziosmontei um armario pra uma coroa ela me atacou e chupou meu pau tv bucetamae beba fas fiho chupa putariabrasileiramenininha contos eroticospai cego a filhinha novinha aproveitoufilme de sexo com mulher f****** e chupando pica arrotando galawww.meu vizinho negro me fudeu mundo bicha.comconto gay ele se revoltou e tomou todascontos sadomazoquismo estuproseduzi meu vizinho com meu seios sou novinhacontos eróticos cantada na rua não resisti e traícanto eróticos brutal e escrotoconto porno eu tava so de cueca e minha filha sento no meu coloContos eroticos mamae gulosa mamando no pauzao do filho e dos amigos dele e depois fode com todos eles juntos em uma orgia na sala de casa.bucetinha encomendadaver as novinhas rebolando as bundas de fio dentauperdendohavirgindadeporque.menina.uza.shortinho.agarado.na.bumdabaixar vídeo das negras de 1413 anos de 12 perdendo a virgindadefamilia suruba tufosSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhacontos eróticos uma vida incestuosa como tudo começou pt 3ler contos eroticos menagecontos erotico,meu genro me enrrabou dormindonegra de corno escadaloza no pau pretoe pede pro corno olharassistir mulher do homem chegar na bunda bunda bunda levantando a saia e a cachola fazerporno mae tepa com namorada filha com a filha pezeteXxvideo pausao negaosexo fiocado paicasada qui aforao pauzudosexo.mulher tranzando com o cara da pizza.braseiropadrasto fica louco quando era antiga das Calcinhasencanador recebi boquete de duas irmãsver video e filme de veterinaria chupano abuceta da e gua na fasendacontos eróticos envolvendo policial federealcontos de machos dominando cornos submissosanda vamos comer a tua mae paneleiro contos pornoassister buzentas xxx vidios brasileiras gostozas a si mastrubar pra gozarfudedor de viado vorais e tarado fudendo xvideos gayxvidio brasil cunhadinha foi tentando até consegirnxxx so com negras de calcinhas ajustadinhasxvideos de vigem chora descabasandoC v menina 7 sedo xupada abuçetavídeos pornô da Umbanda neguinha coitadacasadinha na suruba c 4 negao sai lambuzada e cuzinho arrombadomulheres gostosa fazendo borquete conto minha tia tesuda peladacontos eróticos de lésbicas de coleira e plug analmulher e obrigada a ser penetrada por gancho pornodoidodei pro técnico pornofotos da neguinha voluptuosa peladagozada no cu com recuada gayestrupo de vuneravel pornocontos eroticos minha madastrA kesbicicontoeroticopirralhoconto gay comecei a vestir calcinha da minha irmaContos zoofilia postados em abril d 2017Sou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhatira esse medo de mim porque eu vir o msrido da minha primq espiando no banheiroConto erotico sou madura vadia e filhovideos de encesto frances madrasta e entiado durmindo juntos e ele fica de. pau duro a noite e escosta nela e ela nao recisticontos eróticos gays,uma amizada aguenta tudo,Marcosvidio corno mulher pedio aregosenhora crente saia longa buceta contomuher tento fujir mais negao roludo enpuro tudoso puta dancando sexual e menor mostrando o peitinho e bucetinha enchada marcado a calcinhacampeonato de ciriricapique esconde menina pics pornô de menina menina meninasogra convense a filha virgem perder cabaso .com seu maridogarotimha fala pra mae que quer namorado