MINHA PRIMEIRA VEZ FOI COM UM CASADO.

Um conto erótico de Cibele
Categoria: Heterossexual
Data: 29/09/2016 10:51:08
Última revisão: 30/04/2017 10:33:28
Nota 9.91

Dessa vez o cabaço vai pro saco!

Quem disse foi uma colega, cujo apelido era ¨Maria vai com todos¨. As outras riram pra caramba.

Eu séria, fingindo que não era comigo. Das meninas da clínica, com 19 anos, eu era a única virgem. Daí elas zuarem comigo. O dono da clínica, volta e meia fazia cirurgias plásticas em cidades do interior. Desta vez, a instrumentista não pode ir e quem acabou convocada fui eu.

Dr.Marcos é quarentão e mulherengo, apesar de bem casado. Chaveca todas, secretárias e enfermeiras. Nessas viagens, já dormiu com muitas delas. Todas sabiam do meu fascínio por homens maduros, daí a dedução de quem seria a próxima na cama dele.

Como narrei no meu primeiro relato, gosto de homens maduros, vividos. Faço facul de enfermagem, sou uma garota comum, cabelos castanhos claros na altura dos ombros, 1,70m, 62kg, dizem atraente. Sou apaixonada pelo meu padrasto, com quem quase transei num momento de fraqueza.

Alex, meu padrasto, resolveu não levar a coisa adiante. Fiquei bolada com sentimento de rejeição. Teve hora que achei ter sido melhor assim, já que minha mãe não merece isso.

Quanto à viagem, fomos para o interior de carro, equipe de quatro, o doutor, a secretária, eu e mais uma enfermeira. Depois de agendar tudo no hospital local, fomos para o hotel, onde cada qual ficou num quarto individual.

Na manhã seguinte, fomos para o hospital onde os clientes e familiares já aguardavam. Usamos uma salinha onde atendemos os pacientes. O marido de uma delas me chamou atenção. Pelas roupas dava para ver que era homem do campo e acompanhava a esposa.

Alto, forte, barriga saliente, uns cinquenta anos. Meio calvo onde predominava fios brancos nas têmporas. Seu jeitão másculo e rude me cativou de cara. Falava alto e de forma direta. Enquanto eu levava os instrumentos para a sala de cirurgia, ele me abordou:

- Moça, a minha mulher é a primeira, né?

- Qual o nome dela?

- É (fulana da silva).

- Não tenho certeza, mas, acho que sim. Me dá um minuto que vou confirmar com a secretária do doutor.

Verifiquei a ficha e vi que era uma cirurgia de remoção do excesso de pele nas pálpebras. Seria a primeira a ser operada. Fui até ele, confirmando. Mostrando preocupação, ele pegou no braço dizendo:

- Moça, desculpe, qual é o seu nome?

- Cibele. E o senhor?

- Frederico, mas pode me chamar de Fred. Me diga uma coisa: essa cirurgia não é perigosa, é?

Notando sua ansiedade, procurei tranquilizá-lo:

- Tudo bem, fica calmo. O doutor Marcos é bem experiente. Além do mais, o procedimento da tua esposa é bem simples, com anestesia local. Tão perigoso quanto extrair um dente.

O dia foi corrido, quando fizemos implantes de fios de sustentação e até lipos. Durante os procedimentos, o dr.Marcos ficava brincando conosco, soltando piadas espirituosas e cantadas indiretas. Notei que minha colega enfermeira e a secretaria davam corda, chegando próximo de se oferecerem abertamente.

Cansados, voltamos ao hotel. No dia seguinte já tinha consultas pós-operatório agendadas, além de mais duas cirurgias. Durante o jantar, o doutor ficou despejando todo seu charme pra cima de mim. Eu era a carne nova no pedaço. Com certeza já sabia da minha fama de virgem.

Já que meu padrasto não quis me fazer mulher, até que o Dr.Marcos não seria má escolha. Porém, algo em mim queria que fosse especial. Não apenas mais uma, como tantas outras. A secretária e a outra enfermeira estavam disputando as atenções dele. Sem contar que se acontecesse, eu seria o assunto dos babados na clínica.

De forma educada, fui dando a entender que não me entregaria a ele. Experiente, Dr.Marcos percebeu isso e mudou o foco para as outras duas. Nem fiquei sabendo com qual delas ele dormiu.

Tinha acabado de tomar uma ducha quando bateram na porta. Pensei que era uma das meninas e só envolta numa toalha, fui atender. Era o Fred. Soube então que eles eram de uma cidade vizinha e por causa da cirurgia, resolveram se hospedar ali também.

- Oi, Cibele, desculpe incomodar. Será que você não podia dar uma olhada na minha mulher?

- Ela está com algum problema?

- Não, não. É que o doutor falou para trocar o curativo e eu não levo jeito pra coisa. Estamos no quarto 105.

Me vesti e fui até lá. Refiz o curativo. Fred acompanhou atentamente e perguntou:

- Como está?

- Tudo bem. Sem sinal de infecção, tudo às mil maravilhas. Só retirar os pontos daqui uma semana. Até lá o inchaço vai sumir.

- Ah, bom, muito obrigado.

Me estendeu uma nota de cem reais. Tive de recusar tamanha generosidade.

- Olha, senhor Fred, não precisa não.

- Fred. Só Fred para os amigos. Aceite por favor, que é de coração.

- Agradeço, mas não posso aceitar. O que eu fiz não é nada.

- Então deixa eu pagar uma bebida? Não aceito um não.

Recusei, porém, diante da insistência concordei. Descemos até o hall onde havia um barzinho. Pedi um gim tônica e ele pediu um igual. Ficamos conversando, com ele falando da esposa, família, sua fazenda e tudo mais. Perguntou de mim, mostrando interesse.

Apesar de parecer estar preocupado de verdade com a esposa, pelo jeito que me comia com os olhos, pude perceber que estava bem a fim de experimentar uma moça nova da ¨cidade grande¨. Só não sabia como abordar. Isso fez bem pro meu ego. Como não gosto de lero lero, fui direta no ponto:

- Que você acha de mim?

- Eu? eu, bem... acho você linda. Muito linda. Ainda mais com o uniforme de enfermeira.

- Só linda?

- Linda e simpática. Também prestativa.

Como a conversa não evoluía, resolvi avançar ainda mais. Estava num hotel duma cidadezinha no interior com um homem que me atraía, maduro e que parecia saber dar o que uma mulher queria. Um pouco pelo efeito do álcool, sem pensar muito, fiquei jogando lenha na fogueira:

- É, todos dizem isso de mim. Por isso que ainda sou virgem. Ninguém até agora me levou pra cama.

Pura abobrinha. Cansei de levar cantadas dos colegas, da facul e nos hospitais que fiz estágio. Nem sei porque na hora dei de encenar a história da coitadinha. Aquilo foi gasolina no fogo. Fred parecia outro quando assinou a nota do bar, me puxando para os elevadores.

Mal a porta fechou, me abraçou dando um beijo de tirar o fôlego. Como não tínhamos apertado o botão de nenhum andar, a porta abriu novamente. Ainda bem que ninguém estava esperando no hall. Apertei o botão do ultimo andar. Suas mãos passearam por todo meu corpo, de maneira sôfrega como fosse a primeira vez que estava com uma mulher.

Retribui como pude seus arroubos de paixão, entre beijos, recebendo sua boca ávida na orelha, pescoço e colo dos seios. Na ocasião, vestia um vestido leve e justo, na altura dos joelhos. O destaque era o decote pronunciado, que facilitava o passeio dos seus lábios no vale dos seios.

Acabou soltando uma taça do sutiã, beijando o biquinho que ficou duro. Na pepeca a umidade era tanta que devia estar molhando a calcinha. Uma mão entrou por baixo da saia, erguendo-a ao deslizar pela parte interna das minhas coxas, causando arrepios. Quando chegava lá, o elevador parou e a porta abriu.

Se tivesse alguém, seria um espetáculo inusitado. Fiquei preocupada que alguém nos visse e apertei rapidinho o botão do meu andar. No corredor, ele veio grudado como um vagão na locomotiva. Rezei para que nenhuma das colegas nos flagrasse, senão estaria ferrada!

Só tranquilizei ao entrarmos no quarto, trancando a porta. Fred me agarrou desvairado de desejo, me prensando na parede enquanto as mãos libidinosas passearam pelo meu corpo. As peças de roupa foram voando para todo lado. Nos atrapalhávamos, ambos tentando despir o outro.

Quando fomos em direção da cama, eu estava só com a calcinha fio dental e ele de cueca. Me jogou na cama, beijando a barriga, ventre e tirou a ultima peça de pano. Parou olhando maravilhado minha pepeca. Isto porque, como enfermeiras, treinamos depilação umas nas outras.

Raspar todos os pelinhos é necessário em algumas cirurgias. A minha estava lisinha e as colegas dizem que ela é bem inchadinha, clitóris pronunciado, com lábios vaginais destacando no capô de fusca. Depois de admirar um bocado...putz, lascou um beijo na bocetinha. Quando a língua avançou para dentro dela, o choque foi tão forte que estremeci da cabeça aos pés. Retesei o corpo, braços abertos, quadril erguido de encontro ao seu rosto.

Nossa, como estava bom! Melhorou ainda mais quando além de chupar, ficou estimulando o grelhinho com a ponta do dedo. Um turbilhão de sensações tomou conta de mim. Tive um forte orgasmo, a ponto de fechar com força as pernas, esmagando sua cabeça entre elas.

Quando ele baixou o calção, caiu a ficha que minha virgindade iria pro saco! Tensa, lembrei da dor que muitas disseram ter sentido na primeira vez. Enquanto isso, Fred veio por cima, me fazendo sentir a cabeça do pau se acomodando na entrada da grutinha toda molhada.

Meo, estava para acontecer! Por um momento pensei em fugir e gritar ¨- Para! Não!¨. Porém, ele parecia tão gostoso, com jeito de quem sabia fazer, que não reagi. Fiquei boazinha, quieta, deixando ele fazer o que estava querendo. Sem afobação, ficou brincando com a cabeça do cacete entre os lábios vaginais.

Aquela fricção causava ondas de prazer em mim. Nossa!... Se só esfregando era tanta delícia, pensei, imagine então a tora toda dentro de mim. Foi o que bastou para eu relaxar e me entregar de vez. Devo ter sido eu mesma quem procurou a penetração. Ergui a pelvis e...uau, a ponta entrou!

Eu nunca tinha experimentado aquilo. Tomada pelo tesão, posso dizer que nem senti dor alguma. Até me acalmei, abismada por sentir sua pressão constante, a coisa entrando cada vez mais.

Fred deve ter visto minhas pálpebras firmemente cerradas, os olhos piscando sob elas, parou e perguntou:

- Está doendo?

- Não, tudo bem.

Respondi dando a senha para ele começar a puxar e empurrar de forma metódica, ritmada, alargando a xaninha recém deflorada. Que sensação deliciosa!

Então isso é transar, foi tudo que pensei. Nas descrições tinha lido sobre gemidos, arfadas e eu, mesmo com o coração acelerado, fiquei ali calada, recebendo suas estocadas, só sentindo prazeres desconhecidos.

Senti que novo orgasmo estava a caminho. Coloquei a mão em suas costas, puxando-o com força para mim a cada empurrada. Só então da minha boca saiu súplicas afoitas:

- Mete mais...mete rápido,mais... mais rápido, mete...

Foi tão intenso a ponto da minha vista escurecer. Devo ter desfalecido por um lapso de tempo. Fiquei inerte, mole, como nunca então. Demorou até que mais refeita, beijei Fred com gratidão por aqueles momentos.

Ele continuava estocando rápido e forte. Dizia coisas obscenas e repetia a palavra ¨gostosa¨, até chegar no ¨vou gozar, vou gozar¨. Ainda bem que teve a consciência de tirar fora no momento da ejaculação. Seu sêmen morno esguichou até meu umbigo, outro tanto numa poça no monte de vênus, a ponta do pênis latejando ali.

Quando recompomos da loucura, vimos os estragos. Só então percebi que tinha arranhado as costas dele, cheia de marcas vermelhas das minhas unhas. O ardor persistente na bocetinha. No membro dele um pouco de sangue. Outras gotas tinham pingado no lençol.

Avisei Fred sobre os arranhões nas costas. Sei lá como ele ocultou isso da esposa. De minha parte, tirei o lençol e tentei lavar para disfaçar sem sucesso, ficando a mancha clara que denunciava a perda da minha pureza.

De volta à Clínica, as meninas continuaram com as brincadeiras comigo. Da virgem do pedaço. Nem me chateava mais. Me limitei a dar sorrissos sarcásticos de quem já tinha iniciado uma vida sexual plena. Eu era mulher! Era só isso que importava...

*-*-*-*-*-*-*

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/08/2019 19:19:39
amei o seu conto. estou com vontade de te conhecer me envia sua foto. grato
09/08/2019 07:32:53
27/07/2019 11:02:51
Belíssimo conto, Cibele. Ficou um ar de veracidade. A passagem de menina para mulher sempre é um momento especial para nós. A tua foi muito bem conduzida e relatada de maneira tesudíssima. Parabéns. Beijinhos e sucessos.
25/07/2019 22:56:21
Cibele, que forma de começar, hein? Excitante... Perigoso... Já começou em nível elevado... Muito excitante! Sempre um prazer ler seus contos! 10!
13/07/2019 23:59:55
Ótimo cobto. Gostei!
21/06/2019 07:54:29
Quero as fotos amor
10/06/2019 15:00:26
Me manda fotos suas
10/06/2019 09:53:17
Nossa q dlç então vc adora um casado né BB? Imagina aí um caminhoneiro casado safado?😈
29/05/2019 05:46:23
Recebi suas fotos e fiquei louco de tesão. Pqp, Cibele, você é realmente uma delícia, adoraria explorar todo o seu corpo. Sei tratar uma fêmea maravilhosa como você, linda, ousada, e que gosta de sexo. Segue meu email, adoraria conversar com você e quem sabe colocar em prática esse desejo .... (email e skype) Vai um outro 10 para você, agora pelas fotos. Se tivesse 20 eu dava, mulher espetacular !!!!
28/05/2019 23:00:38
Nossa, Cibele, delícia de conto.... lendo meu conto, viu que tenho um tesão enorme com enfermeiras...... você deve ser uma delícia..
VIC
27/05/2019 15:36:00
Delícia... meu padrasto tá me excitando e me provocando cada dia mais..
17/05/2019 22:59:42
Oi Cibele rs nota 10 ótima narração tesão máximo bjuu
03/05/2019 14:45:11
A ótica da narrativa é impressionante. Prende a atenção. Deixa a imaginação fluir. A paquera e conquista de ambos os lados, mostra como deve ser simples a questão. Com a permissão clara, é óbvio. Lembrou a de floração da minha ex (nunca soubemos qnd foi efetiva). Foi aos poucos e qnd vimos, tinha ido embora. Sangrava algumas vzs (pouco). E apenas qnd foi todo e não sangrou, confirmamos a extinção do citado (que termos mais técnicos... Kkkkkk). Mudando o clima, a primeira foi marcante. Não? Sentiu todas as boas sensações e gozou bastante. Muito boa a sua atitude. Gosto de mulher com isso. Que mostra o que deseja. Por isso, me faço merecedor. O jogo da sedução é muito gostoso. E a sutileza desaparece qnd soa o apito. Daí, é só partir pro abraço. Agradeço seu comentário num de meus relatos. Tive que rever aqui. Já tinha lido um seu. Vc passa bastante tesao em seu texto. Super votado. Contato ou fts
01/05/2019 20:42:56
Delicioso conto, Cibele! Através da escrita, tocas nossos mais secretos instintos...
25/04/2019 08:08:08
Realmente o cabaço vai pro saco mesmo e quando dois corpos se encontram sempre algo de bom acontece como neste caso. Uma experiência deliciosa ainda mais se tratando de um comedor veterano; tive os meus casos com um homem então casado e estes parecem ter pegada maior, talvez pelo fato de a "matriz" não lhes darem a devida satisfação na cama ou por outras razões. Beijos.
24/04/2019 10:26:07
Excitante.
22/04/2019 07:00:27
Olá minha linda... Belo e extremamente excitante conto. Fiquei tomando pelo tesão, nota 10... obrigado pelo comentário no meu conto.. bjos do gaúcho
13/04/2019 12:07:57
Nossa!!! Que aventura deliciosa!
11/04/2019 00:08:40
Caramba Cibele! Gostaria de estar no Lugar do Fred Rústico! O detalhe do vale dos seios e da bucetinha lisinha me deixou melado e com desejo de chupar até o seu mel escorrer na minha boca para o meu deleite! 10
10/04/2019 08:55:02
Fantástico! Você tem mesmo talento para a escrita. Desde o início, deixa o leitor imaginar qual seria o escolhido, pois demonstrou interesse por mais de um macho. Adirei a leitura e a forma como mantém preso o interesse e o tesão.

Online porn video at mobile phone


pornodoido oficial de justica tomando rolacache:rO62MIJ2GwQJ:zdorovsreda.ru/texto/200906664 sogra brasileira contará no genroinstalar música no musio só linguadinha na ppk da novinhacoroa safada deixa emcanador estigado xvideomostrando buceta po amigo pater uma xvidioVídeo d homem fazendo sexo anal com cochoromulher pensa que a amiga é mulher mas é um travesti com um pau bem groso e vai dormi com ela em casa e acaba temo um supresa e transa pornoassistir pectomia brincando com gorilaXVídeos mulher nova de short e blusa azul Clara tapeandoMetendo na orelha da gostosa xsvidiocontoeroticos de novinhas falado o quanto doi dar o cuzinhos .com/caseirosvovó e netinha chegando junto com pirocudo mamando dando o cuzinhoConto.erótico cunhada junteivídeo de fodas cumendo a sobriga gostosacontos sexo 10 aninhos curiosawattpad enteado gay adora chupar a rola do padrasto musculosofilme de pornô mulher se masturbando e metendo a mão quero ver o filme agora filme quero ver agora filme de pornô metendo a mão aguardando né tá na mão transando ela se masturbandoxxvideos.com mulher com medo e arrediaBuceta e c aadas pelo pau do papai negao. Conto erotico heterossexual.música de Tierry E aí parceiro que como você é o meu desejo te chatear o seu prazer escravo dos seus beijos Ai como eu quero te agarrarcontoesposaprostitutaConto erotico gay o bom filho a casa torna capitulo 10Sou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaxvidios outros puraiVampiros-Casa Dos Contos zdorovsreda.rufotos meninas gostosas enclinao exibidas gostosaatrasando duas irma telmaMarilene magrinha d********* para rolo um pau grosso e negão comendo Mato casadahistoria de avosexo com.soblinhasbritadeira sem limite xvidemulheres na rua com a sainha curtinha tirando a calcinha de dentro da bunda tirando com a Malu babycontos eróticos de esposa meu amigo na garupa da moto delaevangelicas na zoofilia com cachorroconto porno eu tava so de cueca e minha filha sento no meu cololasca mińha bucetaXVídeos mulher e sastifaze elacontos chantagiei a enteada e tirei seu cabasonovinha. inchirida. porlado. dos. homevideo porno esposa pede para o marido traser um amigo para forder sutoscorno chamou negao pra fuder mais nao gostou de ver a mulher adorandoQUEGOZADA A FILHA FA NA PICAagarrou e comeu gostoso kookabaixar filme pornô a mulher deitada no buraco da parede pé na barriga e quatro homens transando com elasexo na madrugada prudentinacontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgebuceta daomha patroaconto erotico o velho negro pauzudo k me arrobavaxsvideo Historias e relatos reais esposa pega marido dando o cu pro negraobumdasboaContos pornos-botei o bebe pra tomar leite do meu paucontos eroticos sogras na praianovinha virgem tora a roupasmostrando s calcinhashortinhos de jogadoras lycra lycra gigante gostosocontos de cornos revista private 2017XVídeos dando em espera e gostosa queimadinha tirando a roupadois gatoto tarado xvidioa egua me excitou e eu esporrei nela/contobotou a calçinha de lado e mostrou abuçetabumbum de menina contos eroticossafada brasileira cheia de dengo na cama falando varias safadezasnovinhos chinêses comendo cadela zoofiliacontos gays-categoria incesto gays forçado- maduro vs menino ninfeto- meu padrasto pauloxvideos loira do cu aguado molhado Conto erotico de shortinho para cunhadonovinha de biquine fazedo sexo de ladinho colado bem devagarinho no cuzinhocontos como tirei a virgindadeContos eróticosFui para praia Minha prima não tirava o olho da minha rôlaxvideo mulher negra de decote arumando cada//mostrando os peitofiz uma foda bisexual com meu filho minha filha minha esposa meu caseiro sua esposa e sua filha contosEroticoscontos.com /casadas 23cm dupla contos erocos apenasvideos roludos imagem nitidamulher levanta o vedtido e leva rola na bundaconto erotico sinhazinha arrombada por negro escravoconto erotico ocheirinho gostozodo meu cuzinho na minha calsinhaparovira xvidoesXvideo mobile priminha brincando delutinhanegao pingou tesao de vaca na bebida das meninas e comeu as quatro irmans juntasconto erotico dentista carinhosachule da minha tiaporno de joelvemconto erotico traicaochantagemvideo meteu ate otalo no cu e o corno so olhando ela debrucorelatos erótico mais lidos Genros Conto porno apanhei de cinto na bundaensinei minha filha a transaro coroa nos comeu contoxvidiocomendo ocu da sogra incestoContos eroticos de podolatria com fotos chupando pes de primas dormindoveterina fode cachorraocontos