3 - Minha vida – e aventuras – Portuguesas: O Manuel da Estação de Comboio

Olá, sou Carlos Brasileirinho, em mais uma aventura!

Vamos lá!:

Começo a me divertir e me adapto melhor com a vida portuguesa, e os estudos me vão de vento em popa e tudo flui conforme o combinado. Mas confesso que ainda sinto uma enorme dificuldade em entender o sotaque e a forma portuguesa de se falar o Português daqui. Parece besteira ou bobagem, mas engana-se que é só chegar aqui e dizer que fala português. É preciso um tempinho – e muuuuita prática – para ficar ‘fluente’.

No Badoo, se não tomo cuidado, fico o dia inteiro conhecendo os portugueses por aqui. E é visível o interesse e a curiosidade que os caras daqui têm com os brasileiros. E eles gostam dos mais morenos, ou “latinos”. Parece que mora no subconsicente deles essa coisa “quente” e a fama de “bom de cama” dos brasileiros.

Bom, ao que interessa:

No Badoo, começo a ter maior contato com um Manuel que mora na região do Porto: ele me conta muito sobre a sua vida, da dificuldade que é a vida na sua quinta e na produção agrícola. Ele tem 48 anos, não deve passar dos 1,70m, com cerca de 64kg. Tem os olhos verdes, gosta de estar sempre de barba feita, e tem uma expressão um pouco de “cansado” nas fotos. Ele diz que é devido à sua vida bastante puxada.

Depois de eu passar um dia inteiro com um amigo brasileiro que mora no Porto, tenho que tomar um comboio para voltar para casa, e durante a viagem converso um pouco mais com Manuel, que está online. Basicamente falo como foi meu dia, como me foi encantador conhecer o Porto e todo o mais.

Ele começa um desabafo e se abre, e começa a me contar que ele conheceu um rapaz de 18 anos, filhos de amigos deles, praticamente vizinhos. E ele viu o miúdo crescer, acompanhou todos os seus passos e o observou enquanto tomava a forma mais adulta. Diz que está apaixonado por ele, mas que não sabe como dizer isso, ou se o menino por ventura é gay, o que poderia causar um constrangimento ainda maior nessa relação, podendo fazer ele se afastar, ou perder a proximidade com os pais dele, que são seus amigos.

Conforme fui compreendendo, percebi que ele queria atenção e alguém para escutá-lo. Eu falei que poderíamos ir para um café se fosse mais cedo (eram quase meia-noite, e estava no penúltimo comboio do dia). E ele pergunta:

- Estás onde? Estou com uma fome...

- No comboio, a caminho de casa. E minha bateria do telemóvel não está favorável. E fome do quê, posso saber? – pergunto, com uma certa malícia, suspeitando de que a fome não é de comida.

- Fome de brincar, pah! Já faz quatro meses que não faço nada. Me casei com minhas mãos.

- Sério que ficou quatro meses sem transar? E haja mãos pra tanta fome assim!

- Sim sim... e estou com uma vontade de meter em um cuzinho...

- Hahahaha! Bom.. pena que não posso ajudá-lo agora! E... você com fome, e eu que não nego fogo pra brincadeira! Hehehe. Quer se encontrar? – falo sem pensar muito, e de forma a provocar, apenas.

- Eu quero. Mesmo que não aconteça nada, é bom ter uma companhia.

- É verdade. Uma companhia é sempre agradável. Mas duvido que nem tentemos ajudar a saciar a sua fome. – digo em tom provocativo. E, o que fazemos?

- Desça daqui a seis estações e encontre-me lá em 30 minutos.

- Está bom. Mas você vem mesmo, né?

Disso ele não me respondeu mais. Meu celular decidiu bloquear o pacote de dados porque a bateria estava baixíssima. E fiquei seriamente tentado a parar na dita estação e ver se realmente valeria a pena um encontro arriscado. Num domingo a noite, com tudo fechado, e num local que eu não conheço e sem telefone.

Mas, de bom cavalheiro que sou, honrei minha parte no acordo e desci na bendita estação. Já sem muito saber a noção da hora, vi que faltava 10 minutos para ele vir e 1 hora para o próximo comboio caso o portuga decidisse não vir mais. E mesmo que ele me avisasse, não teria como saber.

Passam-se os dez minutos restantes e o Manuel não aparece. Já emputecido por ter dado brecha pra descer num lugar desconhecido e meios de comunicação, meu nivel de irritação só aumenta. E isso me estressa.

Só me aparece 25 minutos depois, e eu tenho outros 25 minutos para esperar o próximo comboio. O vejo vindo com uma jaqueta de couro, um pouco surrada, de banho tomado, cabelos bem pretos e lisos com gel escovados para trás (ou lambido, melhor dizendo) e os olhos bem verde. Mas com um semblante cansado e um sorriso tímido no rosto.

- Carlos? Prazer, Manuel. Está tudo?

- Oi Manuel! Tudo sim, e você?

- Vou bem, obrigado. Chamas-me de tu, por favor!

- Está bem, vou tentar o meu melhor.... Mas não tenho intenção de ser formal com você – ops! contigo. É mais forte que eu. No Brasil, isso não é sinal de respeito, como é para vocês.

- Está bem. É que com “você” eu me sinto mais velho do que já sou. E me desculpe pela demora. Tive de ir à bomba abastecer o carro e tomei mais tempo que imaginava. Espero não ter te deixado esperando muito tempo.

- Na verdade achei que não viria mais. A minha sorte é que teria um último comboio para pegar caso não viesse.

- Bem, quanto a isso pode ficar tranquilo. Eu honro meus compromissos. Mesmo que não te encontrasse aqui, pode ter certeza de que viria para cá de qualquer forma.

- Pois bem. Penso da mesma forma.

- Vamos? – diz ele, para que possamos ficar mais à vontade.

- Por favor. Estou com frio.

Entramos no carro e ele já solta um sorriso e conta-me um pouco mais da vida dele. Ele não sabia como dizer isso pelo Badoo, mas acabou por me confessar que já teve algumas aventuras com o tal jovem, ele tinha uns 16 anos na época em que começou, e houve um momento em que eles se divertiram na fazenda do tiozão. Mas me garantiu que foi só uns beijos e uma marturbação. Não houve nada além disso.

Hoje o menino se sente gay, mas ele não sabe ao certo que tem interesse em se relacionar ou se quer viver uma vida de curtição.

Eu opino e digo:

- Nessa idade é mesmo comum que os jovens queiram se descobrir, e oriento que caso o queria “prendê-lo”, a tendência é que eventualmente ele traia ou queira uma relação aberta. Ele pode até dizer que te ama – e te ame mesmo – mas vai querer descobrir um pouco mais do sexo... e se você não puder dar o que ele quer hoje, vai eventualmente querer com outros. E é um direito dele também querer se descobrir. Acho bom apenas ensiná-lo o valor da confiança e o respeito mútuo.

- É verdade Carlos, era o que já tinha em mente. Vamos ver o que ele vai decidir da vida. Eu só sei que gosto muito daquele miúdo! – confessou.

- Está certo!

Continuamos a dirigir, e Manuel me diz que vamos para os jardins de uma igreja nos arredores da região. Confesso que fico um pouco nervoso, porque, além de não conhecê-lo, não conheço o lugar para o qual me leva, e o fato de ser noite, e o local pouco iluminado, me deixa ainda mais nervoso.

- Calma, Carlos. Não precisa ficar nervoso. – diz ele, que percebe meu nervosismo estampado no rosto. – Eu não farei nada que tu não querias.

- É fácil falar, né Manuel? Tu não é o estranho aqui!

- Eu sei. Mas assim como tu és estranho para mim, eu sou para ti. Não precisa ficar nervoso.

Já percebendo que não tenho muita saída, vou tentando relaxar e volto a puxar assunto.

- Conta mais de ti, Manuel! Como se descobriu gay? Como é ser gay aqui em Portugal?

- Olha, me casei aos 26 anos de idade. Achava que gostava de mulher. E me separei aos 36, dez anos depois. Até onde me lembro, só fodemos na lua-de-mel. Fora isso, pouquíssimas vezes. Eu não consigo contar mais do que 10 fodas em 10 anos de casamento.

- Está de brincadeira comigo! Como isso é possível? Com 26 anos? E o tesão?

- Não, não estou a brincar, Carlos. Eu já sabia que não gostava de mulher. Casei-me não sei porquê. Pode ter sido meu pai, ou família, ou por ter sido uma tentativa frustada de me “endireitar”.

- E não traiu sua esposa ou outras mulheres? Ou outros homens?

- Não! Não gostava de mulher. E minha “EX” – fez questão de enfatizar – era uma pessoa muito fria. Mas nem por isso, quis traí-la. Não acho isso certo. Mas o problema dela, é que, além de também não gostar de sexo, não me fazia feliz em casa, nas relações, no cotidiano. Nem conversávamos. Era uma vida de fachada.

- Ai, Manuel. Credo! Deus me livre ter uma vida dessas! E como foi a separação?

- É verdade. Decidimos juntos a separação, e parece-me que ela deu graças a Deus. Eu já estava a começar a procurar gajos para engate porque não aguentava mais a vontade. Queria me libertar daquela situação.

- Gajo...? Engate...?

- Sim. Gajo é cara, sujeito, homem. E engate é sexo sem compromisso e em qualquer lugar. Pode ser em casa de banho de algum lugar, mato ou qualquer outra coisa.

- Ah tá! (já me veio a história do José na cabeça... na casa de banho do shopping! Rsss)

- E estou em busca de uma pessoa bacana, que me aceite e me deixe fazê-lo feliz e ele à mim.

- Tenha fé, Manuel. Vai encontrar.

Depois de umas voltas meio perdidas de carro, consigo me aliviar mais e decidimos parar em um ‘parque’ qualquer.

- Pronto, chegamos. Podemos continuar a nossa conversa. Carlos, entendas que não venho na intenção de sexo. Eu gostava mesmo era de vir e conversar com alguém e partilhar algo sobre minha vida. Não é muito fácil encontrar alguém que nos escute. Acho que você já me deu mais atenção do que tive há muito tempo.

- Ah, Manuel, nem esquenta a cabeça. Eu estou acostumado a ouvir amigos, e sempre gosto de ouvir histórias. Parte das perguntas fui eu quem fiz, também. Me sinto confortável em conhecer um pouco da história de vida das pessoas. Isso eu gosto bastante.

- Gostei de ti, Carlos. És novo, mas já tem cabeça de gente grande. Obrigado mais uma vez.

A conversa meio que acaba e tento uma aproximação mais assertiva. Depois de pegar uma certa confiança em Manuel, acho que posso avançar um pouco e deixar as coisas fluirem. E a minha tentativa é puxar assunto pela mão.

- O que é isso na sua mão, Manuel? – tento puxar mais conversa.

- Isto o quê? – pergunta ele, levantando e girando-a, para olhar. Aproveito e a seguro nas minhas, com a palma para cima.

- São calos? Deve ser que trabalha muito na sua fazenda né?

- Ah sim... todo dia tenho que manter a produção em dia. A quinta é meu ganha-pão. É dele que tiro o que tenho. – diz, com ar de cansaço.

Quando eu começo a alisar um pouco a mão dele, percebo que ele tem um certo relaxamento e permite o toque.

- E sua mão é grande também. E bonita. – digo isso reparando bem em sua mão grande, grossa, quadrada. Com dedos brutos, mas com a qual ele teve o cuidado impecável de manter as unhas limpas e cortadas.

- Oh, pá! Obrigado. Alguma coisa pode ser bonita, não? – declara, com certa timidez.

- Não se acha bonito, Manuel? – indago-o

- Não. Vejo-me no espelho e só vejo um homem velho. – diz, com certo tom conclusivo.

- Pode ser. Mas não o acho tão velho assim, como pensa, mas te vejo como uma pessoa cansada. Que certamente precisa de carinho. – expresso, olhando nos seus olhos, e desviando a atenção para sua mão novamente.

Com isso eu passo a mão pelo seu antebraço, que são tão fortes quanto as mãos, e vejo que realmente sua vida é o resultado o trabalho com a terra. Dia após dia, fez Manuel, um homem da terra como muitos outros homens portugueses.

Sinto que posso avançar um pouco mais. E coloco a mão em seu peito e ele simplesmente fecha os olhos. Já sendo um pouco abusado, dou um selinho em seus lábios entreabertos e vejo que eles pressiona seus lábios junto aos meus. E já mais a vontade, envolvo meu braço em seu pescoço e tento continuar os beijos, e percebo que ele tem dificuldade em beijar de volta.

- Está tudo bem, Manuel?

- Está tudo, Carlos. É a falta de prática! – diz ele com um sorriso tímido.

- Ah tá! Bem, fique a vontade, tá? – digo, de forma a deixar ele o mais confortável possível.

- Sim sim. Vamos para a parte de trás do carro. É mais confortável. – revela, animado.

Nisso vamos saindo do carro, e entramos pela porta do banco de trás. Manuel aproveita e tira a jaqueta mais grossa. Eu espero entrar para tirar para não pegar muita friagem. Quando vejo que Manuel tem um corpo semi-definido, malhado pelo trabalho na roça, fico mais admirado. E mesmo tentando avançar nos beijos, sinto uma resistência dele. E isso me incomoda.

- Manuel, o que foi?

- Nada Carlos... é que... eu não sei beijar!

- Mentira?! – digo rindo, com um certo deboche

- É sim, faz muito tempo que não beijo alguém! E não sei como fazer...

- Está bem Manuel.... mas fique calmo! Na verdade todo mundo sabe e não sabe beijar. O Beijo é uma coisa de encaixe; mesmo que você tenha a técnica, é a prática que vai levar à perfeição.

Ele relaxa um pouco, joga o chiclete que masca fora e voltamos. Vamos devagar e eu vou explorando a boca dele, com a lingua e lábios e ele vai tentando me imitar. E encaixa. E eu, já excitado com certa inocência dele, e me deliciando com a brutalidade, não resito e vou tirando a roupa dele para explorar o máximo que posso.

E vou me inebriando e me surpreendendo. Um cara daquele, simples e humilde. E NADA vaidoso, tem um corpo lindo. É naturalmente forte, e eu vejo isso pelos ombros com musculos, fortes e robustos, e um peitoral semi definido. Os braços delineados e o abdômem rígido também. Me é um deleite.

Ele relaxa mais, desafivela o cinto, tira os sapatos. Fica de meia, calça e cueca. Faz questão de tirar minha camiseta também, para ver meu corpo. Até que fica me encarando.

- Tu és muito giro, Carlos. Além de ser um gajo muito gentil.

- Para, Manuel! Não sou tão bom com elogios. “Giro” quer dizer: bonito, é isso?

- Sim, isto mesmo. E és muito inteligente também!

Tentando perder o foco de mim, começo a beijá-lo novamente. Manuel relaxa e finalmente permite intensificar os beijos. Percebo que ele vai melhorando e vai tentando ousar mais. Para melhorar, tento ensiná-lo sobre “pegadas”. Pego suas mãos e as envolvo em meu corpo. E aquelas mãos pesadas, boas para pegar com força e vontade, Manuel se contenta em me acariciar levemente, sem muita intensidade. E isso me surpreende, por me estimular tanto quanto se ele me pegasse com força.

Finalmente decido tirar minha calça e fico apenas de cueca e meias, e quando o portuga vai tirar as calças dele, não permito.

- Não Manuel. EU tiro suas calças.

- Está bem!

Com isso continuo a beijá-lo e tentamos arrumar uma posição mais confortável no carro. Peço para que ele sente-se de frente a mim, o qual posso admirar aquela pedra bruta, e passo as mãos por seu tórax, e barriga.

- Huumm... Isso é tão bom, Carlos.

Continuo, e começo a beijar seu rosto e vou para seu pescoço, o qual consigo extrair mais e mais suspiros do fazendeiro. Ele começa a apertar minha pele, e me abraça junto de seu corpo. É nesse momento que meus lábios sentem com mais intensidade a suavidade da sua pele, e seu cheio de sabonete, e banho recém-tomado que me inebriam.

Eu fico admirado com o corpo dele, e conforme os estímulos, aparece os músculos das costas, e aliso por toda a sua extensão, e decido chegar à calça, a qual enfio uma mão por baixo de sua cueca e aliso sua bunda, pequena, lisa e dura.

- Estás a me provocar, Carlos. Não sejas mauzinho.

- Quer que eu pare? – pergunto de um jeito provocativo.

- Não! – implora Manuel.

Ele muda a posição e se senta em mais próximo a janela, a qual eu fico com mais espaço no banco traseiro. Nisso ele abre um pouco as pernas e percebe-se que quer um pouco de atenção alí. Não me faço de rogado e já começo a acariciá-lo neste momento. Puxo suas calças para baixo e aliso seu pinto sobre a cueca. Já a ponto de bala, sinto-o latejar ao meu toque.

Olhando bem fundo para ele, Tiro sua cueca, e Manuel me ajuda, ao levantar-se um pouco. O que vejo é uma pica branca, de 17 cm, grossa e com cabeça rosada. Com um sorriso, digo:

- Tem mais coisas bonitas, além de suas mãos!

- Achaste? Espero que goste! – diz, satisfeito.

Sem muita demora, puxo a pele para admirar ainda mais seu pênis e vejo uma babinha transparente em evidência, o que mostra que está com tesão. Trato logo de lamber sua cabeça, de forma circular e minha boca envolve sua glande em um beijo leve e macio. Me deileito em ver que Manuel fecha seus olhos, joga a cabeça pra trás e solta um suspiro alto e intenso de prazer.

Com isso me demoro um pouco mais na cabeça de seu pau, e Manuel ofega um pouco sua respiração e mantém seus olhos fechados. Sinto sua mão passar pelas minhas costas, vai até minha cabeça e sinto que ele quer que eu avance.

Desço minha boca pela sua pila e vejo que é macia, cheirosa, com pelos cuidadosamente aparados. O cheiro de macho, e do sabonete me enlouquecem e me delicio em poder mamar aquela rola. Manuel não sabe bem o que fazer, sua mão direita vai em direção à minhas ancas e ele aperta com força, isso faz com que eu vá ainda mais fundo, tentando engoli o máximo de sua rola, gostosa e macia.

Depois de umas chupadas a mais, me levanto, e antes que eu possa fazer qualquer coisa, Manuel me segura pela cabeça e me arranca mais um beijo, desta vez com mais intensidade e desejo. Enfia sua lingua em minha boca e explora o máximo que pode. Sem perda de tempo, chupo sua lingua, e ele parece gostar do sabor de sua pila em minha boca.

Me segura e olha para mim e ao me encarar meneia a cabeça negativamente e com um sorriso safado no rosto. Apenas pisco de volta. É a brecha que ele tem para me agarrar e beijar e chupar meu pescoço – meu ponto fraco. Sua mão esquerda segura minha cabeça e a direita segue em direção ao meu rabo, que recebe seu carinho, aperto e um tapa estalado!

Sem me deixar mover, me deita no banco do carro e começa a lamber meus peitos e suas mãos deslizam pelos meus braços ao encontro das minhas mãos que as pressiona com forças. Tira minha cueca com a boca e me ergo para que ele complete o trabalho. Manuel não parece ser muito fã de sexo oral, a qual ele lambe meu pinto e se concentra mais em meus testículos, que a acaricia com a lingua e beija e lambe minhas virilhas, me deixando cada vez com mais tesão.

Por perceber meu relaxamento, Manuel é mais ousado e ergue as minhas pernas e meu cu fica à mostra e à merce de suas vontades. Sinto que ele passa seu nariz de leve e sente o cheiro de meu cu e solta um suspiro satisfeito.

- Que saudades do cheiro de um cuzinho!

Eu, um pouco constrangido, olho para o teto do carro, e para minha surpresa, minhas nágedas são mordidas de leve e eu só consigo fechar meus olhos e ofegar.

E é com maestria que sinto Manuel lamber meu anelzinho; beija, mordisca e se delicia. Eu apenas relaxo e sinto o prazer de se ter um beijo grego. Não me contenho e levo minha mão ao seu pau, que está riste e pronto para uma brincadeira boa. Aliso carinhosamente seu pau, faço movimento de masturbação e aliso suas bolas, duras e grandes. É assim que me deleito.

Depois de me lamber, Manuel desce minha bunda, e ainda em posição de frango assado, volta-se para mim e vem me beijar. Se tem uma coisa que eu adoro, é sentir seu pau roçar na porta do meu cu, pedindo para entrar. Manuel volta a me beijar enquanto esfrega teu pau pelos meus testículos e ânus, e eu só consigo agarrá-lo pelos cabelos e beijá-lo ainda mais com força.

- Carlos, estás a me deixar louco!

- Você também Manuel. Eu quero dar para você! Você quer me foder?

- Sim! Obrigado!

Enquanto Manuel procura a camisinha e o gel na lateral da porta de trás, volto a mamar seu pau duro e macio, que está delicioso. Sinto-o latejar a cada linguada que dou. Me abaixo em direção ao seu saco, o qual chupo e lambo cada uma das suas bolas, e me delicio com o cheiro desse macho que exala e impregna minhas narinas. Sem saber se posso ou não, abro suas nádegas e enfio a minha boca em seu anel para mamar deliciosamente.

Manuel se estremece todo, e intensifico minhas linguada em seu cu, de forma que ele simplesmente perde o fôlego. Assim que se recupera, Manuel muda sua posição, olha para mim e faz uma cara de triste ou decepicionado e isso me asusta um pouco.

- O que foi Manuel, tudo bem?

- Sim, Carlos. Mas... – diz ele apontando para seu pau.

O que vejo é seu pau com a camisinha, que já está carregada.

- Já gozou Manuel? – digo, tentando sorrir e disfarçar minha frustação.

- Sim, Carlos. Me desculpe. Mas é que você me chupou tão bem, e enquanto colocava o látex, sua linga em meu cu, a me provocar, não consegui conter-me. Me desculpe.

- Tudo bem, relaxa. Mas confesso que estou com vontade de dar para você.

- E eu também em te foder. O que mais queria era estar dentro de você, e te fazer vir comigo dentro.

- Me fazer vir? Vir pra onde?

- Masturbar-te. Vir.

- Ah tá, gozar!. Não tem problemas Manuel. Você pode me estimular de outras formas.

Nisso ele volta a me beijar, acaricia meus mamilos, beija meu pescoço, e já com as mãos com lubrificante, Manuel estimula meu ânus com movimentos circulares de seus dedos e me provoca tentando me dedar. E sem muita demora, gozo me masturbando e sentindo o calor de teus beijos.

Nos limpamos logo em seguida, e já quase três horas da manhã, o carro totalmente quente, e vidros embaçados, vejo que Manuel está pensativo, talvez frustrado com a sua performance.

- Que foi Manuel? Não tem problemas, menino! – digo com uma certa pena, em ver seu semblante triste.

- Tu sabes.... não queria ter falhado!

- Relaxa, hombre! Isso é normal. E se você gozou, é sinal de que gostou.

- Gostei sim, Carlos. Tu és demais! É carinhoso, me ensinaste a beijar – diz rindo – e me chupas maravilhosamente bem! Precisava tanto disso!

- Qu’é isso, Manuel! Espero que a gente possa ter novas oportunidades! – digo, tentando descontrair. E aproveito para bagunçar ainda mais seus cabelos negros.

- Se tu quiseres, eu não me oponho. – diz ele com um sorriso tímido.

- Então não há oposição!

Sinto uma vontade de abraçar Manuel, me encosto em uma das janelas e o chamo para se deitar junto a mim. Ele vem de costas e apoia sua cabeça em meu peito e ombro.

- Tu és muito carinhoso, Carlos. Muito obrigado por tudo. Acho que não sei o que é receber carinho há muito tempo. Muito obrigado!

- Manuel! Pare de me dizer isso, estou ficando com vergonha.

- Não fiques, por favor. Estou a falar o que sinto e que penso.

Com um certo rubor no rosto, e de forma que Manuel não pode ver, me distraio acariciando seus cabelos e passando a mão em seu corpo nu, que está em minha frente, à mercê de minhas vontades. A vista que tenho de seu corpo forte contentam a certa inveja de um corpo definido. Acaricio e sinto-me contente em ver como um homem de tamanha brutalidade e rudez consegue expor uma personalidade carinhosa, gentil e – se me arrisco a dizer –, frágil.

Quando começo a cochilar, vejo que Manuel abre os olhos e vai em busca do relógio. Verifica as horas (são mais de 4 da manhã) e me diz:

- Está tudo? Não estou a te magoar com o meu corpo sobre o teu?

- Não está me magoando não, Manuel. Você tem sido muito gentil.

- Não, Carlos. O teu corpo. Não estou magoando suas pernas, seu braço, sua barriga?

- Ah tá! Não, não, não está me machucando não.

- Está bem. Vamos? Amanhã já é segunda e preciso trabalhar.

- Sim sim. Imagino que seu dia seja cheio amanhã.

- E espero que seja. E mais uma vez, obrigado.

Nos trocamos, e já com certa pressa, Manuel me deixa em casa, e se despede com um beijo.

Agradeço o carinho que ele decidiu depositar em mim, e peço para que ele me avise quando chegar.

E é com a aparência mais cansada que nunca, ele segue rumo a sua casa. Logo mais avisa quando chega em casa. E eu sem mais delongas, me jogo na cama e vou dormirBom, Manuel e eu continuamos a ter contato. E temos um segundo encontro. Fica pra outra hora. Mas garanto que conto pra vocês! =)

Até Breve.

Um beijo e um xêro!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
29/03/2016 21:07:55
Olá Machad! Eu também tenho um carinho muito grande pelo Manuel. Ainda estamos em contato! Em breve trarei mais histórias! =)
27/03/2016 23:55:43
Gostei do Manuel! Espero q amizade de vcs se prolongue

Online porn video at mobile phone


sossegado sexo mulher cornoxvideo dp descabasandoContos comi a bucetinha virje da neta da pastora da minha igreja ela chorava muito eu meti sem domulher do peito e gigantão do bumbum gigante rebolando até o chãoEu Queria arranjar uma queria que passasse um filme para mim né e mulher pelada para mim entendeuadoro uma rola gg me rasgando contosGostosas peladas com silicone na bumda que fazen os guri bate punhetaUm fotgrafo tirou da mulher negra nua depois que ele vio vicou de pau doro e emfio a pica nelafilmes pormo irmar prima irmor bracileroSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhaconto erotico fico tarado.cim uma buceta novilha babadinhaxividio vo come o cu dela dormindovideo de virgem se entregando pata o pauzudocontos eroticos gays bombeiro sarado hetero me fudeu sem doconto gay virei a puta de varios machos na saunapunindo escrava sadomasoquismochamou a enfermeira pra cuidar do marido e flagrou trepadawww.contos eroticos cunhado caçula pauzudo come cu da cunhada gostosavídeo pornô a vovó Nininha arrancando a boquinha dela para chupar o pinto do menininhoflagra a sogra só de camisa de dormir na cozinhaconto eroticos de sentadaXVídeosgarota lindas de olhos verdesvidios caseros de mulheres levando gosada na causinhasmulheres na rua com a sainha curtinha tirando a calcinha de dentro da bunda tirando com a Malu babymenino dodoca arobando novinhasJairinho baiano pornô gayContos eroticos bofinho machinhobundudasconto eroticoenchendo abucetinha dalinda moreninha de espermatozoides video porno gratibolinei empe a faxineirapornofamilha sacana . filha querendo mamaconto porno amor em londres guilherme e felipecasa dos contos eroticos com sobrinhos chupador de bucetarapazinho mimado dando o rabovideos porno para ver agora mae de 25 anos gostosa aproitar q a filha sai e esfrega mo genrocatucada vai sair com a buceta inchadacomendo a bucetinha da lucinha e o cuzinho da ritinha contos eroticoswww.xvideos mulheres fodendo festejando a vitoria do Brasil contos minha mae gravida do pedreirovideos de sexo filhas gemiase paimulher do peito e gigantão do bumbum gigante rebolando até o chãocontos eróticos com fotos esposas estupradas submissaslindas foto d moreninha gostosa nua peitinhno bucetinhapadrasto sodomitaContos eróticos procurando aventura no clube de campoconto erótico mulher casada f****** com cunhado YouTubesexo torrido e desejocontos de incesto filho arma um sequestro pra mae rabudao vizinho safado do 205porno doido cromprando cabacome fodeo aos 13 contos papaipeu novinha colocou na sua buceta na portunha em pe e gozouXbideo maoseiao entrar no quarto me deparo ela gozando muito sexo porno brasil spxv videos fudeludadeirmãzinha enxergou a bundinha no pau do irmão gente comeu seu c****** XVídeoscontos peidofilmes de sexo so com negona gorda da buceta inchada cabeluda e galadinhaVampiros elobisomens-Casa dos Contos Eróticosqueiro ver video de porno fodendo as intiadascontos eroticos encoxadas em salvador 2018XVídeo mucama transando com feitorX vidio comi merda do pau do amigo ke comeu minha namorada minha esposa me trocou pelo travesti contocontos eiroticos leilapornthayza a filha do patrao pornomachucou o cu de bruço www putaria brasileira.comconto dupla penetracao com negrasBelissimas mulheres fodendo gostoso até o esguicho pornodoidoContos mendiga pornobuceta clariadaamarro as bolas e esporroumulheres casada sendo encoxada egozamasis foto de vidioporno diferentevideos caseiro de mulher transando com homem magro no colchãoquero ver foto bucetao beicudas e hrandexxvideo irma com irmao tatendo.punhetapasando a mào na buçta da gostosamenina brincando de esconde-esconde dando seu cuzinhoconto erotico gay negao dominador gosta de maltratar viado brancoquero ver só só novinha batendo s******* tristinha XVídeosporno video bem grudadinho com a empregadaSomente contos reais de marido chorando e ecitado que chega em casa e pega esposa trepandovídeo pornô feito no lixinho para Guarulhosxvideos.com mae brincando com filho com malicia e acaba mobilecadela com a vargina enchada e zoofilia comeincesto mãe devassa da xana famintaPorno doido hosexualimo