Vidas sem atalhos - Parte I

Um conto erótico de Cesar Neto
Categoria: Homossexual
Data: 14/08/2014 15:47:04
Nota 10.00
Assuntos: Homossexual, Gay, Sexo, séries

E aí galera (saudades) essa aqui é a mais nova série que eu estou escrevendo... Pra quem já leu a minha outra série "Só nós conhecemos" já aviso que a continuação está a caminho( EBAAA). Por enquanto se divirtam com essa nova, que também promete muitas coisas. (ou não)(sei lá)

PS: tentei por uma "sinopse?" sobre a nova série, só que ficou muito sessão da tarde... então agora vocês terão que se aventurar sozinhos nessa história. Boa sorte[JOÃO]

Eu ainda não conseguia decidir qual era o pior: a dor do soco que eu levei na cara ou as palavras frias e bem calculadas do meu pai.

- Você vai pegar as suas coisas e vai sumir da minha casa! Entendeu ? A partir de hoje você não existe mais pra mim.

Tinha dito pra mim mesmo que quando essa hora chegasse eu não iria chorar. Prometi que permaneceria olhando dentro dos seus olhos e provaria que eu podia ser forte como ele.

Foi então que eu percebi que não podia. Comecei a chorar e com medo, voltei para o quarto arrumar minhas coisas.

Do paraíso a minha vida se transformou em um inferno, isso em menos de um dia.

Meu nome é João Victor, tenho 19 anos e sou estudante (fazia cursinho pra entrar na faculdade de medicina). Sou branco, tenho 1,78 de altura, braços e pernas malhadas pelo meu esforço na academia. Meu cabelo é castanho escuro, tenho olhos pretos e um nariz pouco empinado. Sempre me considerei um cara vaidoso e prezo pela minha aparência.

Minha família sempre foi bem de vida e de classe alta e assim nunca precisei me preocupar com trabalho e tudo mais. Meu pai sempre dizia que iria bancar meus estudos mas primeiro eu teria que entrar na universidade que ele fez (coisa de pai) e para ser um bom filho, eu tentava me esforçar pra conseguir essa proeza.

Tudo começou por causa de um menino na minha sala do cursinho. Seu nome era Pablo, ele era um ano mais velho que eu, mais alto do que eu, mais gostoso do que eu, mais inteligente do que eu e... conheci ele na academia e por sua causa cheguei até a trocar de escola, apenas para ter mais contato com ele.

Sabe aquele sentimento chamado amor? Então, foi algo que rolou entre a gente. Me apaixonei por aquela pele bronzeada, aquele topete bem curtinho que ele fazia todo o dia com o maior cuidado do mundo e principalmente pelos seus olhos verdes que me encantavam toda vez que se encontravam com os meus.

Ficamos juntos por cinco meses. Foi a minha primeira experiência com outro homem, vivíamos esse amor oculto pois nenhum de nossos pais poderia sequer pensar em saber no que estava acontecendo mas mesmo no meio de tantos segredos, aquela estava sendo a melhor experiência da minha vida.

Foi então que tudo deu errado.

Era uma sexta-feira e tínhamos acabado de sair do cursinho. Pablo me convidou para ir em uma festinha, mas eu logo o cortei e disse para ele ir para minha casa pois meus pais estariam dormindo na chácara deles. Ele não pensou duas vezes e fomos direto para minha casa.

Ele estava bem mais selvagem que o normal naquela noite e quando chegamos na minha casa ele já foi tratando de me agarrar e me beijar no meio do corredor. Ele tirou a camisa deixando o seu lindo tanquinho aparecer e com tanta brutalidade ele quase rasgou minha camiseta. Sua pegada era bem forte e eu pudia sentir a sua mão passando pela minha calça e seu braço quase entrando no meio da minha bunda.

- Você é muito delícia, quero te comer muito hoje amor ! - ele disse enquanto já abria os botões da minha calça.

Minha resposta foi um gemido bem forte em seu ouvido. Ficamos completamente nus e ele foi me guiando até chegar em meu quarto só que antes ele para um pouco.

- E se a gente usar o quarto dos seus pais? - ele disse enquanto eu já masturbava o seu pau.

Na hora nem pensei em nenhum problema.No fundo eu sempre quis saber como era trepar na cama dos meus pais e a oportunidade estava ali. Dei uma chupada em seu pescoço e fomos para o quarto.

A luz do quarto estava apagada e nenhum de nós fez questão em acender.Fomos direto para a cama macia e confortável que meus pais dividiam desde quando casaram. O quarto tinha cheiro de lavanda e era bem quentinho e aconchegante, quase nem dava para sentir que era uma noite fria de inverno.

Caímos agarrados na cama e pude sentir algo roçando em minha coxa. Fui com minha mão na direção de sua virilha e comecei a massagear levemente o pênis do Pablo. Já tínhamos brincado de medir as nossas varas e os seus 21 cm deixavam os meus 18 cm no chinelo.

A minha hora preferida tinha chegado. Desde a primeira vez que eu chupei o pau dele nunca mais consegui viver sem. Para mim era a melhor parte da nossa transa. Já que naquele dia eu estava inspirado fui logo enfiando aquela cobra na boca.

Chupei, chupei e chupei mais ainda. As mãos dele agarravam o meu cabelo e fazia força para que eu enfiasse tudo na boca e foi por poucos centímetros que eu não consegui.

- Para um pouco se não eu vou gozar. - ele disse numa voz mais grossa que o normal.

Em menos de trinta segundos ele já tinha me posto de quatro e enfiado o seu pau na porta do meu cuzinho. No começo ainda doía um pouco mais em comparação com a primeira vez, bem, nem tem comparação. Seu pau foi invadindo bem lentamente meu cu eu mordi um dos travesseiros que tinha na cama. Depois de uns minutos sofrendo o prazer chegou e eu pude aproveitar tudo o que ele estava me oferecendo.

Fazer sexo no escuro tinha sido até agora a melhor experiência que eu e ele já tivemos. Meu corpo e minha voz parecia agir por vontade própria e o fato de eu não conseguir enxergar nada fazia com que o tesão aumenta-se cada vez mais. Aquela noite eu não me preocuparia com nada, só viveria em função do meu prazer e do dele.

E essa foi de longe a pior cagada que eu fiz na vida.

Ficamos a noite inteira transando, estávamos uma semana sem fazer sexo e aquilo era uma perdição. Pablo melou minha bunda inteira com sua porra, eu gozei em seu peito. Mais tarde ele voltou a me comer e voltou mais animal possível. Eu me sentia como uma puta levando os tapas fortes na bunda que ele me dava e esse pensamento somado a uma punheta me fez gozar novamente. Ele meteu por mais um tempo até que esguichou mais gala, dessa vez em minha boca.

Caímos deitado um do lado do outro, estava tão cansado que só me lembro de murmurar um "eu te amo" e encostar a minha cabeça em seu peito me deixando levar por um sono bem profundo.

Acordei com os gritos e berros que já me eram familiar. Minha mãe berrava palavras indecifráveis e quando eu percebi o que tinha acontecido já era tarde de mais. Acordei o Pablo rapidamente que apenas bocejou e voltou a dormir.

Por um momento eu pude ler nos olhos de minha mãe que ela iria me proteger e me dar apoio, ela sempre me amou, ela tinha que me entender. Se meu pai soubesse daquilo eu estaria morto.

Ela saiu sem falar nada do quarto. Com um pouco mais de vontade consegui acordar o Pablo e disse resumidamente o que tava acontecendo. Nos vestimos rapidamente e tentamos limpar a bagunça. Procurei minha mãe e a encontrei fazendo o café da manhã normalmente na cozinha. Ela me perguntou se eu estava bem, perguntou se o Pablo queria tomar café e agiu educadamente. Para minha alegria ela estava fingindo que não tinha visto nada.

Essa alegria acabou quando no mesmo dia eu cheguei em casa de noite e fui recebido com o punho do meu pai vindo em minha direção e com o as duras palavras dele me mandando para fora de casa.

...

[Renan]

Nunca fui de acreditar em deuses, mas naquela noite eu agradeci do fundo do meu coração a todos eles.

Se eu ficasse por de baixo daquele saco de batata gigante por mais um minuto era certeza que a minha vida chegaria ao fim. Mas felizmente os urros de touro que aquele homem dava quando estava prestes a gozar chegou e a sensação de um pau inchando dentro de mim nunca tinha sido tão gostosa.

Ele tinha acabado, mas para o meu desgosto constava em meus serviços que eu deveria ficar ali deitado com ele por mais um tempinho.

- Foi incrível, você gostou? - ele respirava forte para se recompor o que deixava as sua frases difíceis de se entender.

- Fazia tempo que eu não fodia tão gostoso assim - nem fiz tanto esforço para mentir.

Suas últimas palavras antes de dormir foi sobre algo que envolvia "amanhã cedo" e "sono". Mas antes de desmaiar ele pegou a minha mão e levou em direção do seu pênis que ainda estava encapado pela camisinha toda gozada. Fiquei por um tempo massageando aquele pedaço de carne que não passava de 15 cm e quando eu percebi que as chances dele acordar eram mínimas, pulei da cama e fui ao banheiro me lavar.

Eu já conhecia muito bem aquele quarto de motel. Foi lá que eu passei quase todos as noites dos últimos meses. O banheiro era composto por uma simples pia, um vaso sanitário e um pequeno boxer com o chuveiro mas o destaque realmente ia para a cor que era de um vermelho bem forte.

Fiquei me olhando no espelho por um bom tempo tentando entender o que tinha acontecido comigo. Apesar da minha cara de mais velho eu tinha apenas 19 anos. Comecei a me recordar de quando meu cabelo chegava até os ombros e agora eles eram cortados bem curtinho tirando o aspecto de adolescente idiota que sonhava em ter uma banda de rock. Minha pele é morena do sol e meus olhos são de um negro total.

Passei a mão pelo meu rosto e cheguei até a cicatriz que dividia minha sobrancelha em duas. Toda vez que eu via essa cicatriz a dor em meu peito aumentava mas eu não podia ser fraco.

Tomei um banho rápido e voltei até o quarto. Sr.Antônio roncava como uma morsa mas eu não podia ter o luxo de acorda-lo. Se eu quisesse uma grana para não passar aperto teria que aceitar dividir a cama com aquele urso gigante.

Deitei na beirada esquerda da cama e fiquei pensando na vida enquanto o sono suficiente não vinha. Eu precisava comprar algumas roupas novas, pagar algumas contas e principalmente pagar a academia pois para ganhar um dinheirinho extra meu corpo precisava estar sempre sarado.

Sempre gostei de fazer sexo. Desde pequeno eu curtia pegar umas meninas e leva-las para o mato. Com 14 anos eu descobri que também dava para transar entre meninos e isso me fez duas vezes mais feliz. Me lembro de uma vez que eu perguntei para minha mãe se era normal dois homens casarem e terem filhos. Ela mandou eu calar a boca porque se meu pai ouvisse uma coisa dessas eu acabaria apanhando.

No fim eu pensei que não importava se era com um homem ou uma mulher, eu pus em minha cabeça que nunca iria casar.

Meu corpo cedeu ao cansaço e eu acabei dormindo. Sonhei com a nossa casinha amarela, minha mãe estava no portão com minha irmãzinha pequena, as duas sorriam e me chamavam. Tudo parecia feliz até que eu me lembrei que já tinha sonhado com isso inúmeras vezes.

A imagem mudou em questões de segundo e eu pude ver meu pai chegando dentro de casa enquanto o resto da família estava jantando na mesa. Minha irmãzinha subiu no meu colo com os olhos cheios de lágrimas. Senti meu coração acelerar, não queria ver aquilo de novo e então acordei com um grito.

Estava todo suado, me levantei e fui me localizar no tempo. Já eram seis hora da manhã. Minha barriga roncava um pouco de fome, pensei em sair e pegar alguns salgadinhos lá na recepção mas o barulho do Sr. Antônio se espreguiçando na beirada da cama me fez perder as esperanças.

Fui caminhando bem devagar em sua direção. Ele já era um senhor que beirava aos 50 anos, era alto e tinha uma pança gigante. Enquanto seu cabelo começava a mostrar sinal de queda, a porcaria do seu bigode permanecia firme e forte. A única coisa que podia me encantar nele, além do seu dinheiro, era os seu par de olhos azuis claros, era uma pena que ele nunca conseguia meter em mim me olhando nos olhos.

Apesar de ser meio escroto, quando não estávamos em um motel ele parecia ser um cara legal. Era engenheiro e me contou que tinha esposa e três filhas, por isso seu espalhasse qualquer boato ele arrancaria meu pau e me faria engolir. Eu apenas ria, pois no fim ele não passava de um viadinho medroso.

- Já está de pé - ele me perguntou

- Sim, depois de ontem até perdi o sono.

- Me poupe das suas mentiras rapaz, sente-se aqui - com um pouco de receio eu acabei sentando - você sabe que eu te acho um carinha legal né? Já nos conhecemos há quase um ano e você sempre foi bom comigo.

Aquilo até que me surpreendeu e quando eu fui responder alguma coisa ele me cortou.

- Eu tenho um amigo - "vai rolar menage" pensei - ele está precisando de um garoto para trabalhar em sua padaria, sabe? É pra ficar de atendente na parte da manhã e a tarde é pra ficar no caixa. Ele vai pagar um salário meia boca mas acho que você da conta...

- Mas eu não tenho onde dormir Sr. Antônio, é aqui que eu passo a semana inteira e ...

- Eu não terminei - ele não gostava de ser interrompido - ele tem um quarto atrás da padaria. Um quarto gigante com banheiro e tudo mais. Você não iria precisar pagar aluguel, poderia almoçar e jantar por lá mesmo e quem sabe depois... sei lá construir uma vida ? E ai o que você acha?

"Construir uma vida", aquilo já tinha saído de hipótese faz tempo. Minha vida nunca seria a mesma, ela já tinha sido destruída há mais de anos. Pensei por alguns minutos para poder responder.

- Porque não né ? - eu disse

- Ótimo, ligarei para ele hoje!

- Mas e o nosso esquema seu Antônio como fica ?

Ele me olhou com cara de safado e eu pude ver que o seu pintinho já estava duro. Quem sabe se eu agradasse ele mais um pouco receberia uma graninha a mais. E foi o que ele fez. Me deitou na cama e começou a me beijar. Eu podia sentir os pelos do seu bigode grosso entrar em minha boca e seu bafo matutino me causava ânsia. Por fim ele tirou minha roupa e colou seu rosto no meu.

- Olha, nosso esquema vai ter que acabar sabe. Eu agora estou começando a tomar juízo, estou indo para igreja e tudo. Então aproveite Renanzinho essa vai ser nossa última vez.

Dessa vez ele entrou no meio das minhas pernas e deixou seu peso cair sobre mim. Senti a sua barriga me sufocar completamente enquanto seu pau deslizava livremente pelo meu cu mas pelo menos dessa vez eu consegui olhar aqueles olhos azuis e de tanta felicidade com tudo o que estava acontecendo,pela primeira vez,eu acabei gozando com ele.

Se quilo fosse verdade eu poderia ter uma casa, um lar, um emprego...

Bem, se realmente existissem deuses eu era eternamente grato a eles.

[JOÃO]

- Você sabe que eu estou fazendo isso para o seu próprio bem...

Era oito horas da manhã .Minha mãe chorava enquanto me ajudava a arrumar minhas últimas malas. Meu rosto tinha inchado um pouco pelo soco do meu pai, e então ela veio até meu quarto para trazer um saquinho com gelo para por na cara, como se isso fosse adiantar alguma coisa.

- Pense pelo lado bom, lá você vai poder ser desse jeitinho meio estranho pois o seu tio não vai deixar ninguém rir de você...

"Meu tio" era para onde iriam me mandar. Meu pai na verdade queria que fosse direto para rua , mas minha mãe não deixou e acabou ligando para um de seus irmãos pedindo que me arranjasse um lugar para ficar. Até ai tudo bem, mas o que me deixou puto foi saber que esse meu tio morava no em Rio Branco, uma cidade do interior de São Paulo. Teria que deixar minha vida,minha cidade (Sampa), meus estudos e meus amigos só porque meus pais não me aceitavam dentro da própria casa.

Depois que meu pai me bateu e me mandou para fora, eu fui direto pro meu quarto e desabei na minha cama começando a chorar. Liguei então para o Pablo e disse tudo o que tinha acontecido e ele apenas me falou:

- Olha João, acho melhor a gente parar de se ver. Sua mãe contou para uma amiga de minha mãe e se ela descobrir eu também estou fudido. Preciso de um tempo, quando der eu te ligo.

Xinguei até a milésima geração desse filho da puta pelo telefone. Agora realmente parecia que eu estava sozinho e isso me fez chorar pelo resto da noite.

- Eu vou continuar pagando um cursinho pra você continuar seus estudos...

-Tá mãe, muito obrigado pela consideração - eu disse cortando-a - mas agora eu vou pra rodoviária antes que meu pai retorne e termine o que ele começou.

- Ah meu filho, vem cá me dar um abraço - ela retornou a chorar - você sabe que isso é temporário, um dia seu pai vai entender e tudo vai dar certo, ele só precisa de tempo está bem?

Nem respondi. Entrei no carro e fomos direto para rodoviária, ela me deu a passagem e cinquenta reais.

- Eu vou mandar o dinheiro para o seu cursinho mas não sei se consigo te enviar uma mesada, então aguenta por uns tempos até que eu me acerte.

Dei um último beijo de despedida nela e quando eu viro as costas para entrar no ônibus ela fala:

- Ah e saiba que eu sempre quis uma filha menina! - ela disse com um sorriso para tentar levantar o meu astral.

E aquilo me deixou o mais pra baixo que eu já estive em toda minha vida.

[RENAN]

A padaria ficava na esquina da rua e dava de frente para a praça. Tinha uma pintura rosa bem chamativa e em cima dava para ver o letreiro escrito "Padaria 2 Corações". Achei meio gay mas mesmo assim guardei os pensamentos para mim.

Era seis horas da manhã de uma segunda-feira. Se fosse um dia normal da minha rotina era para eu estar deitado dormindo com algum viado enrustido em um quarto de motel, mas agora as coisas iriam mudar. Pelo menos era o que eu pensava.

Entrei na padaria e por dentro ela não parecia ser tão requintada. Tinha um grande balcão com pães, bolos e doces. Umas mesas de madeira espalhadas pelo espaço e na portaria ficava o caixa onde eu vi uma garota bem bonitinha de cabelos loiros cacheados.Parecia ter uns 15 anos.

Me aproximei e apoiei os braços no caixa para falar:

- E aí, tudo bom ? Você sabe aonde eu encontro o Sr. Valdeir ?

Ela me encarou meio sem ânimo.

- Você deve ser o rapaz novo né ? Calma aí um pouquinho - ela deu uma olhada se certificando que não tinha ninguém na padaria e gritou - LEAAAANDROOOO !!!!! VEM AQUII !!!!!!!!!

Me assustei com a capacidade que ela tinha para gritar. De repente escuto uns passos apressados vindos da porta atrás do balcão e vejo um garoto que claramente deveria ser o Leandro.

- Que foi ? - ele disse todo alegrão.

- Leva esse moço pro Valdeir fazendo favor.

O garoto me olhou, deu um sorrizão e me disse para segui-lo.

Passamos pela porta e entramos em uma sala toda fechada com uns fornos e umas chapas. O garoto foi falando comigo me perguntando nome, idade e etc... e eu só pensava em uma coisa: QUE MOLEQUE GOSTOSINHO!!

Ele me disse umas trocentas vezes que tinha 18 anos. Seu cabelo ruivo era bem curtinho e sua cara tinha algumas sardas. Ele tinha uns braços fortes mas sem nenhum sinal de academia. O mais chato é que ele não calava a boca, parecia um garoto bem extrovertido e em 3 minutos que eu fiquei com ele foi mais do que eu precisei falar com os clientes no último mês. Mas tudo isso compensava pois enquanto ele falava um monte de coisa eu só conseguia prestar atenção em sua bunda.

Tipo, existem bundas pequenas, médias, grandes... mas a dele era uma coisa inexplicável !!! Era redondinha e parecia que ia rasgar o jeans dele a qualquer momentominha mãe era é sócia do seu Valdeir e por isso eu arranjei um emprego aqui. - ele continuava falando - aquela no caixa é minha irmã Natália e ela é bem ardida mesmoEnquanto ele falava as aventuras da irmã, eu apenas imaginei ele deitado na mesa onde enrolava as massas, com as pernas bem abertas e eu fincando a rola nele. Logo a minha vara ficou dura marcando o grande volume por cima da calçanossa mas você vai gostar da minha mãe, ela é bem louca mesmo e ... - ele parou de falar e fitou o que estava acontecendo na minha calça. Depois ele me olhou e tentou, sem sucesso, voltar ao assunto.

Dei uma pegada no meu pau e comecei a massagea-lo por cima da calça. Ver ele sem reação estava me divertindo muito mas tudo acabou quando a porta se abriu e um homem veio perto da gente.

Ele parecia ter uns 30 anos, era alto, magro, com os cabelos caindo em caxos até o ombro. Era uma completa biba, toda afeminada, de brincos nas duas orelhas, rostinho fino e seus lábios estavam brilhantes como um diamante.

- Você que é o Renan ? - ele me perguntou com uma risinho cortês - Ual não esperava que você era tão gato e gostoso.Sou o Valdeir e se você me chamar de senhor vai levar um tapa na cara.

Fiquei vermelho igual um pimentão. Ele pediu pro Leandro sair e o menino foi voando embora da sala me deixando sozinho com aquela figura.

- Nossa em, logo no primeiro dia você já ia sair comendo a rosquinha dos meus funcionários. Se eu demorasse mais um minuto garanto que ia encontrar vocês se chupando.

Não consegui encontrar nada para falar. Ele esperou alguma resposta mas me vendo tão sem graça daquele jeito acabou rindo.

- Vem comigo!

Passamos por outras portas até chegar nos fundos da padaria. Pude ver a edícula que o sr. Antônio tinha dito. Parecia bem pequeno por fora mas quando eu entrei deu pra ver que tinha um espaço bem considerável lá dentro.

O quarto era perfeito, tinha banheiro, cortina, tapete, guarda-roupa e até uma TV. Valdeir foi me contando sobre a rotina, salário e tudo mais até que eu prestei mais atenção em outro detalhe. O quarto tinha duas camas de solteiro.

-... E eu vou precisar de um favorzinho seu Rê - já tinha pego até afinidade - um sobrinho meu vai vim morar aqui também, ele era de São Paulo e brigou com os pais, daí ele vai passar uns tempos dividindo o quarto com você. Tem algum problema ??

Fiquei pensando antes de falar qualquer coisa. Parecia estranho outra pessoa dormindo com você e ainda mais se é o sobrinho de um cara completamente louco.

- Olha - ele voltou a falar - eu sei que você estava passando uns tempos difíceis. Mas eu vou tentar te ajudar de qualquer forma. Quem sabe eu não dou um aumento no salário ou um dia de folga...

- Pode ser sim Sr. Val ... Valdemir !

Ele respirou aliviado e continuou a tagarelar.

- Que ótimo, você pode arrumar suas coisas ai no quarto e o serviço começa depois do almoço ok? Meu sobrinho vai chegar também nessa hora e eu estou louco para conhece-lo, da última vez que eu o vi ele tinha só 6 anos.

Ele me viu com o astral meio pra baixo. Pra falar verdade eu estava com medo. Medo de não conseguir me encaixar, medo de falhar. Mas eu estava decidido em não ferrar as coisas mais uma vez.

- Tem certeza que não quer algo ? Pode falar.

Eu sorri e percebi que ele já tinha entendido.

- Hum não sei se é uma boa ideia... - ele disse

- Eu posso dar uns pega no moleque do cabelo vermelho, acho que é Leandro né - eu perguntei.

- Como você é safado - ele riu - por mim tudo bem, mas eu duvido que você consiga pegar ele.

- Porque ?

- Você sabe, ele tem fama de bom menino, esses dias até apareceu com uma namorada.Meu "gaydar" não falha, ele não joga no nosso time.

- Pois acho que você está errado.

- Vamos apostar então. - ele disse - 10 reais, o que acha ?

Eu dei um sorrisinho e apertei a mão dele selando a aposta.

- Pra mim tanto faz. O que eu quero mesmo é aquela bundona dele.

- Bunda da qual você não vai conseguir.

- Veremos

Ele saiu rindo e eu me joguei na cama por alguns minutos.

"Agora sim as coisas iriam ficar interessantes", pensei.

[JOÃO]

Fiquei a viagem inteira no ônibus perguntando se minha vida fazia sentido. Pelo menos até agora eu não tinha encontrado nenhum.

Cheguei em Rio Branco na segunda-seira, umas 10 horas da manhã. Tive problemas com ônibus o que me fez ter que passar a noite em outra cidade. Minha mãe não ficou muito contente quando eu liguei pra ela avisando o imprevisto mas nessa altura do campeonato eu nem ligava.

Desci na rodoviária com as minhas coisas. Tinha trazido uma mochila e uma mala, o resto estava empacotado e minha mãe jurou que se meu pai não tacasse fogo, quem sabe ela não me enviaria. Andei um pouco para me localizar aonde eu estava. Rio Branco é uma cidade pequena do interior então eu não esperava muita coisa. Sentei em um banco para esperar meu tio e tentei me lembrar de como ele era. Nenhuma memória veio em minha cabeça o que só me entristeceu. Coloquei as mãos sobre o rosto e quando eu pensei em começara a chorar eu escuto uma voz me chamando.

- João Vitor !!! Não acredito que você ficou mais lindo e gostoso do que seu pai !!!

O que eu via vindo em minha direção era a coisa mais afeminada que já tinha passado na face da terra. Ele me recepcionou com um abraço e me deu um beijo no rosto deixando meio quilo de gloss na minha bochecha.

- Oi tio Valdeir , tudo bom ?- falei educadamente.

Entramos no carro dele e começamos a conversar. Tio Valdir era o irmão mais novo da minha mãe o qual eu nunca tinha visto em nenhuma festa de família. Deduzi que por ser meio estranho ele foi excluído da minha família chata. Fiquei me perguntando se agora eu também seria excluído da minha família. Provavelmente sim.

- Mas fala aí, ele era um gato pelo menos? Valeu a pena? - ele disse se referindo ao Pablo. Minha mãe devia ter contado pra ele sobre o que eu tinha aprontado.

- Ele era um idiota - eu respondi - foi um completo filho da puta comigo.

- Não meu querido, eu to perguntando se a foda foi boa ?

Fiquei meio envergonhado. Nunca tinha conversado com ninguém sobre o assunto sexo. Só teve uma vez que meu pai "conversou" comigo, mas ele só falou que se eu arranjasse um filho eu iria ter que limpar chão pra sustenta-lo.

- Tá com vergonha né - ele continuou - Fiquei tão contente em saber que meu sobrinho era assim tão , tão ...

- Viado - falei secamente.

- Não, acho que diferente seria a palavra certa. - ele me olhou e pela primeira vez parecia estar falando sério - eu estou feliz por pelo menos um daquela família ser um pouco liberal. Sabe, eu nunca tive uma família de verdade então eu estou alegre por saber que você se parece um pouco comigo. Mas deixa disso que já chegamos.

Ele estacionou o carro e nós entramos na padaria. Era o horário de almoço e iríamos comer na casa do meu tio que ficava algumas quadras mais para frente mas primeiro ele iria mostrar o quartinho onde eu iria ficar. A padaria estava cheia e tinha várias garçonetes servindo os clientes enquanto uma menina loira ficava no caixa. Ela viu nós dois entrando e soltou um grito chamando o meu tio.

- Que foi esguelada - ele disse do jeitinho normal dele.

- Você viu o Léo ? Faz dezessete minutos que o horário de almoço dele acabou.

Meu tio falou que não tinha visto ninguém e mando a menina parar de cuidar da vida dos outros. Depois ele me mandou segui-lo até os fundos da padaria. Um cara bem alto e gordinho parou ele no meio do caminho e começou a falar sobre encomendas de pão. Meu tio disse para eu ir indo na frente, disse também que queria conversar uma coisinha antes comigo mas podia ser na hora do almoço. Passei pela última salinha até ver a edícula que seria minha casa daqui para frente. Respirei fundo e fui lá conhecer o espaço.

Cheguei na beirada da porta de madeira e escutei uns barulhos estranhos. Aquele som me era familiar. Tentei olhar pela janela mas estava tudo fechado. Decidi então parar de paranoia e entrar de uma vez. A última coisa que eu queria era pensar que a casa era mal assombrada.

Abri a porta e o que eu vi me deixou abismado.

Um rapaz estava de quatro em cima da cama com uma gigantesca bunda branquinha apontada para o outro que estava pincelando o pau grosso nas nádegas do coitado.

Os dois me olharam e o passivo soltou um gritinho pela boca, ver aquela figura de cabelo ruivo saltar da cama,vestir as roupas pedindo desculpas e ir correndo para o banheiro foi hilário . Já o outro me encarou meio bravo, como se eu tivesse feito uma coisa muita errada. Ele tinha um cicatriz que deixava seu rosto ainda mais assustador. Cheguei a pensar que ele até viria me bater mas antes de ele fazer qualquer coisa, fui eu que perguntei primeiro.

- MAS QUE PUTARIA É ESSA POR AQUI NA MINHA CASA !?

Ele me olhou e levantou a sua sobrancelha me indagando :

- SUA CASA ?! PENSEI QUE FOSSE NOSSA.

Não entendi o que ele tinha dito com o "nossa" e quando eu pensei em alguma coisa para falar meu tio aparece por trás de mim para ver o que tinha acontecido. Esperava que assim como eu ele iria surtar, mas ele apenas deu risada e disse :

- Filho de uma quenga, você é bom mesmo, acho que eu to te devendo os 10 reais né ?

E com toda a naturalidade do mundo o rapaz veio caminhando nu pra perto da gente enquanto meu tio tirava a nota de dentro da carteira e entregava para ele.

E foi aí que eu percebi: minha vida já não fazia mais sentido nenhE esse foi o fim da primeira parte. Me desculpem pelo tamanho, mas isso vai voltar a se repetir daqui para frente.

Primeiro gostaria de pedir desculpas formalmente para as seguintes pessoas : Rafiuski; SafadinhoGostosoo; geomateus ; Riquinho_; Lobo_Escritor ... eu tinha dito que iria responder seus comentários no próprio conto (foi o que eu fiz no outro site) mas acabei me esquecendo de logar por aqui tb... me desculpem e digo que isso não vai voltar a acontecer novamente e se quiserem pode voltar lá no conto que eu respondi lá.

Já aproveito para dizer que a primeira parte da segunda temporada de"Só nós conhecemos" já está pronta (AEEEEEEE) só falta eu criar coragem para escrever ( UUUUUUHHHH). Possivelmente semana que vem eu já posto, okay meus pithulos ?

O próximo capítulo dessa aqui vai demorar um pouco pois ela é mais difícil de se escrever. Mas relaxa que vai dar tudo certo. O importante é o que importa !

Brigado galera , um grande abraço para vocês, não se esqueçam de comentar o que acharam e tudo mais beleza ??? Falou seus lindos S2

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
26/08/2014 23:49:18
Nossa Cesar esse conto é muito bom um dos melhores que eu já li aqui na casa, começou com tudo... Só achei parecido o começo com outro conto que eu já li + o resto pra mim é inédito... CONTINUA...(esse e a 2ª temp. do outro)
15/08/2014 08:32:14
Gostei continua

Online porn video at mobile phone


porno casadas na zoofilia coladas a caensapaixonado por um hetero cap 15video de sexo de mulher fazendo sexo afussa com outra mulherxvideos amiga derramou molho nela mesmamtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1quando ela me pede .me bate com forca me xinga de puta safada vadia eu urrava de tesao.conto erotico incestoxxxvnwwwcontos verdadeiros:sou uma advogada madura e fui errabada pelo meu caseiroqero vido de transafamiliarcontos eroticos gaysogrosobrinho f****** o c* da tia enquanto o tio sai para viajar XVídeosconto como virei travestiapaixonado por dois brutamontes da faculdade 12contos de zoofilia com porcoComo se escreve “ manda video porno ” em inglesCavala e umcavali xexoxxvidio casada do jorromulher enbriagou marido ele foi domim ela fio da cuestava carente e dei pro meu cachorrocontos eróticos com fotos esposas estupradas submissascontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgeadvogada abrindo sua buceta no motelContos eroticos no sitio fazenda chacaraxvideos gay foda rija negros psu grosso e compridomulher sadica conto eroticoContos eroticos idosas crentes do bundao.grandebotando o pau todu no cu da vovozonaesesso de leite no cu www.putariabrasileirayahoo dei pro meu sobrinho novinho sou casadaconterotico o penis do ev irmaoporno contos apalpada pelo tio do maridoirmãzinha viu papai comendo titia e quis tambémcontos gays o mimadocantos eroticos de novinha que da buceta pra cavalozoofilia no Congo pesadaContos mendiga pornoFiquei toda arregaçada com o pedreiroanythingvideo porno amigo do meu marido me comeu e fingi que n percebicontos eiroticos leilapornXxxtube belinha e o seu guarda costanovinha deixou o cara passar a mao no peitoxvideomãe chega do serviço e faz a sua filha dando o c****** no XVídeo ela ainda virgem nunca tinha dado minha b***** nem um pouquinho e ela Fraga fica Vista irritada e entra na bagunçaincesto/imaginaçoes com a maeTrepei gostoso com o diretor na sala deleu sou corno e ela com amigo de conchinha xvideopornodoido enchendo a buceta de chantilli pra ele chuparmolhes pela porno vida de meninas de 19 anos . shortinho fino sem calcinha da sogra contosxisvido sobria tia tiuxvideo conto de. chifradeiraConto erotico quado dei leitinho para minha filhaeu só vou te pedir uma parada mama de 4 com a buceta impinadasexo grates dormidogosando dentro do cu da novinhafodie cusao do meu entido bundao pornoconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhoconto erótico vó e seu netinhoe já te mandei tu também vai vídeo pornô adoro sexo de lavadorahomens de braços grandes e pau durosafada fode com mefingo q bate na portatransei com uma senhora crentenovinho parudo enfio no rabo da irma cavala divorciada contosvídeo pornô caseiro rapariga tira camisinha do r$ 500conto erotico velha casada banca negao pirocudoContos de podolatriacasada loira gaucha fode c pausudo que enche ela de porra e corno olhaFudendo a rackeiravídeo pornô a novinha tomando banho com gosma e sanguexvidiopornô doido meu padastrotexto amor quando você for me fuder,eu quero que você me trate como uma puta, como aquelas atrises de pornomeninascheia de tesao brincando com o cabacinhoX video Adilson mim fodex videos porno tranquei novinha no quarto e estrupei ela aforasagosando vom o cachorropamico ma forretas sex traza sexContos de cornoporno contos cunhado novinholoura apita camisa XVídeosnovinha do cu arrmbdotiara do cu ta doendo pornocontos eroticos.fui tomar banho com meu ermaozinho e nao rezisti ao ver seu tiquinho duEu garotinho deu o ccu muito novinhoeu quero GTA Marginal trabalhando na ambulância disfarçadovideos de pornô lela chora iquato gozacontos peidoMeu cão ralf me comeu contocomo faze a mulhere no gta xupare no gtaxvideos dandara vc anittaquero ver porno bem dotado estrupado as indoneziasmulher com o priquito costorado e gostoso