Leilão de mulher

Um conto erótico de Miriam
Categoria: Sadomasoquismo
Data: 09/01/2003 22:42:15
Nota 10.00
Assuntos: Sadomasoquismo

LEILÃO DE MULHER(revisado)

Por: Miriam A.

CAPITULO 1

Depois de nossa experiência com os meninos, eu ainda transei com dois deles mais uma vez com a participação de meu marido, mas foi com cada um de uma vez, isoladamente, e na terceira vez eu senti que meu marido já não vibrava como na primeira. Um dia resolvemos conversar abertamente e ele me disse que quase tinha morrido de tanto gozar durante aquele maravilhoso fim de semana, mas que sua vontade real era praticar outro tipo de sexo. Quando me disse o que queria eu de pronto não concordei, pois já sabia o que era sado-masoquismo e como o conheço muito bem, sabia também que a parte da submissa sofredora caberia a mim. Mas ele foi sempre tocando no assunto, dizendo que eu seria a dona da situação, e que pararia na hora em que eu determinasse, que a dor comedida dava muito tesão, e isso eu já sabia porque gostava também de um pouco de dor em certas horas. Ele me contou que entrava sempre em sites da internet de madrugada, quando eu já estava dormindo, e que estava cada vez mais sentindo tesão pelas histórias que lia. Fiquei muito curiosa, como toda mulher, e pedi para ficar com ele na hora em que fosse entrar. A principio fiquei horrorizada com as barbaridades que se vê na internet, mas depois fui aprendendo a tirar o melhor partido daquelas monstruosidades. Após uns dois meses de visitas na internet a sites de sexo, e de sado. Passamos a ler também os contos enviados por internautas, e me admirei muito da diversidade encontrada nos tais contos. Havia de tudo, mas principalmente todos ou quase todos eram muito mal escritos. Mas de qualquer forma após a leitura de um ou outro mais interessante, invariavelmente eu percebia que ele mudava completamente, passando a ser mais atirado, mais tesudo, mais viril, até que me convenci de que ele realmente se modificava com aqueles incentivos mentais. Fomos nos aprofundando nas leituras sobre sado, e de vez em quando eu dizia para ele: presta atenção, porque parece um caminho sem volta se a gente embarcar nessa. Mas ele é bastante insistente, e depois de uns quatro meses me convenceu de que deveríamos fazer uma experiência. Depois de resolvido que iríamos participar de uma sessão de sado-masoquismo ficamos num mato sem cachorro, pois inexperientes como éramos, não sabíamos por onde começar nem onde procurar. Ficamos trocando idéias durante uns quinze dias, e nesse tempo as trepadas foram maravilhosas. O acaso mudou nossa vida. Num sábado à tarde, recebíamos alguns casais de amigos em casa, havia quatro casais em nossa casa, à tarde em volta da piscina, jogando conversa fora, quando de repente sem que ninguém puxasse o assunto a conversa foi para o lado sexual. De conversa em conversa, acabei contando de nossas entradas na internet, e dos sites que visitávamos pensando que iria deixar todo mundo de boca aberta. Foi uma surpresa enorme, pois todos começaram a rir ao mesmo tempo, e eu fiquei com cara de boba, não entendia nada, nem meu marido. Devagar a Mônica, amiga minha, esposa de um sócio de meu marido em uma empresa menor, disse: mas vocês descobriram isso somente agora? Fiquei mais sem jeito ainda e respondi que sim. Na hora ela virou-se para os outros e perguntou: posso? Pelo sinal afirmativo de todos eles, começou: Ouçam vocês dois, crianças inocentes. Aqui em Campinas existe um clube de casais que já pratica esse tipo de relacionamento há muito tempo e nós todos fazemos parte dele a pelo menos cinco anos. Fiquei muito admirada, pois durante todo este tempo nenhum deles ou delas deixou escapar a menor dica disto. Aí já meio enfezada, comecei a fazer perguntas de todos os tipos. Se era um clube, se pagava para entrar, se qualquer um podia freqüentar, se só tinha gente boa etc. Foram me respondendo tudo e meu marido calado, só ouvindo. Depois devagar ele disse que já tinha ouvido falar. Após algum tempo ficamos sabendo tudo sobre o tal clube. Dois de nossos amigos faziam parte da diretoria do clube. Por volta das seis horas da tarde, com todo mundo embalado por generosas doses de whisky, eu perguntei como se fazia a inscrição no clube, fazendo meu marido arregalar os olhos. O Marcio que fazia parte da diretoria há mais tempo me explicou detalhadamente. Primeiro nós devíamos ser aceitos pelos membros do clube que eram em numero de 75 casais, após a aceitação devíamos fazer um exame médico extremamente detalhado e complexo, pois eram todos da sociedade de Campinas e tinham família, e não queriam se arriscar, principalmente após a disseminação da AIDS. Aliás, esse exame médico é mensal após a entrada no clube. Disse também que havia casais que freqüentavam as festas com seus filhos, homens ou mulheres, mas que eram os mais velhos e com filhos já adultos, mas eu não achei a coisa simpática, mas enfim cada um faz o que quer. Bem, depois pedi a eles que inscrevessem-nos nos quadros do clube, e ficou acertado que eles o fariam logo na segunda pela manhã. Todos foram unânimes em afirmar que o quadro do clube era só de gente fina, todos ricos, bem educados, mas que nós deveríamos pensar bem, pois o sado-masoquismo, para quem não encara de uma forma bem clara é difícil de agüentar. Como a opinião de meu marido já estava definida, só faltava minha concordância, e eu comecei as perguntas às mulheres para saber quais eram as sensações. Todas foram unânimes em afirmar que tanto as sensações de ser humilhada como escrava sexual com a de dominar como senhora de escravos sexuais eram formidáveis, mas que todas preferiam serem escravas, pois gozavam mais profundamente. A minha tendência também estava se firmando em ser uma escrava, de todo mundo, pois queria sentir todas as sensações possíveis. Meio egoisticamente nessa hora não estava pensando em meu marido nem em seu prazer, mas somente no que iria sentir, e já estava gostando. Após o pessoal ter ido embora demos uma trepada como só me lembro de ter dado quando éramos recém-casados, meu marido estava elétrico, pisando em brasas, falando sozinho, numa euforia que dava gosto de ver. Dormimos muito bem naquela noite. Segunda feira eu estava ligando para todo mundo do sábado para saber como tinha sido a coisa toda. De tarde o Marcio me ligou e disse que tinha falado com o presidente do momento, pois a cada seis meses era nomeado um novo presidente, a fim de que o clube não caísse no marasmo e toda vez que o presidente era trocado as festas ficavam cada vez melhores e mais incrementadas. Como quase todos eles já nos conheciam de nome, não foi difícil a gente ser aceita, e começamos os preparativos para o ingresso no clube. Até o final da semana já tínhamos feito todos os exames e só aguardávamos os resultados. Como nós somos perfeitamente saudáveis, sabíamos que nosso resultado seria normal. Na outra semana de posse de todos resultados, fomos convidados a ir à casa do presidente do clube, cuja casa seria usada na festa em que nós seriamos apresentados ao resto dos sócios. Era uma quinta-feira, e chegamos depois do jantar, por volta de 9 horas da noite. Fomos muito bem recebidos por ele e pela esposa. Ele era um homem alto, forte, com seus 55 anos e ela era bem mais jovem, devendo ter uns 30 anos, muito bonita, loira natural, e que depois soube ser sua terceira mulher. A casa era uma mansão, muito bonita mesmo. Ele nos recebeu na biblioteca, e ficamos tomando um whisky, enquanto conversávamos banalidades. Aos poucos ele foi conduzindo a conversa para o assunto que nos interessava. Perguntou-me olhando bem nos olhos, se eu realmente passaria pelas situações que haveriam de acontecer numa festa e num evento daquele tipo. Respondi que estava preparada para o que desse e viesse e ele fez a mesma pergunta a meu marido, e ele respondeu da mesma forma. Eu não tinha me arrumado muito, pois não sabia como deveria impressiona-los, mas como sei que sou muito atraente, e me visto normalmente com muita sensualidade, sabia que estava agradando. Eu tinha posto um vestido comprado em Paris de uma seda preta, muito fina, chinesa, com saia plissada em pregas, e um generoso decote. Como eu nunca uso sutiã, os contornos de meus seios eram bem visíveis sob a fina seda que os cobria. Usava meia calça fumê, sapatos de salto muito altos e algumas jóias boas. Usava calcinha preta também, daquelas pequenas, mas não das que entram na gente. De repente sem mais nem menos, ele me disse: vá até a lareira e abaixe o vestido até a cintura. Fiquei alguns segundos com cara de tonta sem entender direito o que ele falara, até que repetiu incisivamente: eu mandei ir até a lareira e abaixar seu vestido, cadela. Só aí entendi o teor da coisa. Levantei fui até a lareira e lentamente abaixei o vestido deixando a mostra meus dois seios. Em seguida mandou que erguesse a saia até que a calcinha ficasse a mostra. Depois mandou que fosse até perto de sua mulher para que ela me examinasse. Quando cheguei perto ela mandou que eu desse uma volta completa, com a saia levantada, e o vestido ainda abaixado. Depois sem a menor cerimônia, pegou uma espátula que estava em cima da mesa e a passou no biquinho do seio direito, depois pegou o esquerdo em sua mão e balançou-o como se estivesse querendo saber o peso dele. Depois passou a mão em minhas nádegas, alisou-as um pouco, e disse para o marido: é um belo exemplar de fêmea. Acho que podemos usa-la sim. Não me lembro de ter olhado nenhuma vez para meu marido, mas sabia que ele devia estar em brasas. Depois disso ele me mandou sentar e me compor, e a conversa voltou ao normal. Ele me disse com toda a simpatia, que achava que eu não passaria naquele teste e que estava impressionado comigo, aliás, conosco, pois meu marido também se comportara de acordo com as regras. Voltamos para casa e para outra memorável trepada.

CAPITULO 2

A festa tinha sido marcada para dali um mês, e foi o mês mais cumprido que tivemos em nossa vida. Trepamos todas as noites antevendo o que rolaria na festa, falando o que esperávamos um do outro, qual seriam nossas reações e sensações, se agüentaríamos tudo o que nos reservavam, enfim fantasiando barbaramente. Foi um mês delicioso. Eu, dentro de meu âmago já havia me convencido de que iria morrer de tesão, só não tinha muita idéia de qual seria minha reação ao contato de tantos homens e mulheres, e nem se gostaria de ser tocada por outra mulher. Mas estava convencida de que teria que encarar tudo numa boa, se quisesse aproveitar tudo plenamente. Condicionei-me a aceitar todas ordens e taras de forma natural, pois eu também ficava tremendamente excitada ao imaginar as cenas, comigo sendo a personagem principal, a ponto de gozar sozinha só de pensar em algumas situações. As mais loucas situações passavam pela minha cabeça. Ora era com um velho muito velho, ora era com uma mulher gordíssima, ora com um moço lindo de morrer, enfim minha cabeça estava a mil. Passado o mês angustioso o dia se avizinhava. Comecei a me produzir para a festa. Passei longos dias bronzeando-me na piscina, fazendo questão de tomar sol completamente nua, a fim de não deixar marcas de biquíni. Meu marido fez a piscina de casa de forma que a gente tem total privacidade, não tendo o menor contato com os empregados e como as crianças estudam a tarde eu pude tomar sol durante 10 dias seguidos, completamente nua. Três dias antes fui a um cabeleireiro genial que tem em Campinas, mandei mechar o cabelo, fiz um corte bem sexy, tratei da pele e no dia fiz uma maquiagem discreta, porém bem marcante. A festa estava marcada para começar às 9 horas da noite. Comecei a me arrumar por volta das 6 horas tamanha era a minha ansiedade. Enquanto me arrumava tomei três doses de whisky “on the rock”, para acalmar os nervos e meu marido tomou quatro doses. Naquele dia em que estivemos na casa do presidente, ele nos tinha colocado a par de quase todas as regras do clube. Uma delas era de que eu deveria obedecer todos indistintamente, homem ou mulher, em qualquer circunstância, e fazer tudo que me fosse ordenado, menos trepar com alguém antes que o dono da casa tivesse mantido relações comigo. A primazia da primeira trepada era dele. Se me mandassem chupar um homem ou uma mulher eu teria que faze-lo, mas a primeira trepada era dele. Tinha deixado claro também que nenhum homem usaria camisinha, portanto as mulheres que tomassem precauções, ou tomando pílula ou usando DIU ou usando qualquer outro método, era um problema das mulheres. Eu como tomo pílula normalmente, não precisei me preocupar com esse detalhe. As 8,30 eu já estava na porta esperando meu marido, mas ele argumentou que era melhor a gente chegar um pouco atrasado. Foi duro esperar mais meia hora. Enfim as nove saímos de carro e as 9,30 deixamos o carro nas mãos do manobrista, o que me causou estranheza, pois se havia manobristas certamente haveria garçons e fiquei encabulada. Eu tinha ido com uma estola por cima do vestido, que era um vestido de cetim, também comprado em Paris, num momento de extravagância de meu marido. Ele tinha um decote em V que chegava ao meu umbigo e era preso no pescoço. O decote na parte de trás ia até os quadris, e ao lado das pernas havia uma fenda de cada lado, que se abriam conforme eu dava um passo. Era de cetim branco e a saia não era muito justa exatamente para a fenda deixar entrever as pernas. Como eu estava bem queimada de sol, não usei meias de nylon, calçando somente uma sandália branca de saltos bem altos, que contrastavam muito com minha pele queimada. Como o decote era bem profundo e eu não usava sutiã como sempre, quando andava os seios balançavam suavemente, mas muito sensualmente. Antes de sairmos meu marido disse que eu estava estonteante. A estola ficava por cima do conjunto, e levava também algumas jóias, e uma bolsa pequena com maquiagem. Quando entramos na saleta de entrada um maitre veio nos receber e pegou minha estola e a bolsa. Entramos no salão principal, e fiquei admirada com o número de pessoas. Depois eu soube que tinha circulado pelo clube que nesta festa a escrava da noite era lindíssima e completamente inocente em termos de sado-masoquismo. Soube depois que alguns vieram do exterior somente para a festa, e para me conhecer. Fiquei admirada, pois havia muitos garçons circulando pela casa, e minha dúvida era se eles permaneceriam por perto quando começasse a farra para valer, e como a gente se comportaria naquela circunstância. Mas como era uma noite em que qualquer preocupação não era minha, prontamente esqueci deste detalhe. A loira esposa do anfitrião, que se chamava Rose, veio em minha direção pegou me pelo braço e me levou até um circulo de homens e mulheres que estavam no centro do salão. Apresentou-me a todos dizendo só isso: essa e a escrava da noite, mas vocês esperem um pouco, pois meu marido tem um comunicado a fazer. Podem examinar o material à vontade, mas fiquem só nisso por enquanto, por favor, disse ela. Imediatamente um velhote baixinho que estava acompanhado de uma senhora meio gordinha, chegou perto de mim e enfiou a mão no meu decote, apertando meu seio levemente, mas não o largando. Tive um ímpeto de ir embora, mas me lembrei de meus propósitos e sorri para ele. Fiquei mais surpresa quando a gordinha enfiou também a mão pelo decote e pegou o outro seio, perguntando para o marido: esta gostando bem? O velhote respondeu: parece ser material de primeira, mas vamos ver como ele se sai no restante. Permaneci dura, enquanto os outros homens e mulheres me apalpavam, elogiando meus dotes, e me senti como uma vaca em dia de leilão, um mero objeto sem vontade própria que ali estava somente para satisfazer seus donos. Perdi meu marido de vista, visto seus amigo o terem puxado para outro aposento. Fiquei ali a mercê de quem quisesse me apalpar, me cutucar, me examinar. Teve até um moço de seus 30 anos, forte, bonito que mandou eu abrir a boca para examinar meus dentes como uma égua. Mas depois de alguns minutos comecei a gostar da situação, e comecei a sentir que já vinha de leve se aproximando um orgasmo. Depois que a maioria já havia me examinado, achei que tinham perdido o interesse em mim, mas me enganei. O dono da casa estava fazendo suspense, prolongando-o enquanto a turma aguardava o que ele iria dizer. Quando ele passou por perto eu perguntei se podia tomar uma dose de whisky, e no mesmo instante levei uma bofetada no rosto que me fez rodopiar e quase cair. Amparei-me em alguém e ele veio com o dedo em riste para mim: olha aqui vagabunda, escravo na minha casa não fala a não ser quando lhe dirigem a palavra, entendeu. Quase chorando balancei a cabeça em anuência. Por aquela eu não esperava, e me deu uma vontade enorme de ir embora mesmo. Mas logo em seguida ele chamou um garçom e mandou que me servisse duas doses de whisky, que era para eu não pedir mais. Quando o garçom chegou com meu copo, eu estava perto da janela e coloquei o copo no parapeito da janela, enquanto ele esperava com o outro copo na mão. Vendo que ele esperava eu tomar o primeiro copo, virei-o de uma vez, vendo estrelas, pois o whisky estava puro. O garçom me falou: vai devagar gatinha, senão você não aproveita. Não entendi direito, mas fiquei quieta, e enquanto tomava a seguinte dose, o anfitrião chegou no centro da sala e chamou a atenção de todo mundo batendo com uma faca num copo de cristal. Atenção pessoal aproximem-se. Quando a roda fechou em volta dele ele mandou que eu também viesse. Abriram espaço para eu passar, e fiquei ao lado dele.

CAPITULO 3

Meus amigos, hoje nós temos aqui algo especial. Este belo exemplar de fêmea foi trazido de longe para a gente, e como é muito especial, vou mudar as regras desta noite. Como uma das prerrogativas da presidência, enquanto presidente, é alterar as regras para que nossas reuniões tornem-se cada vez mais interessantes, esta noite vamos promover um leilão desta linda fêmea, de seus apetrechos e de seus dotes. Na qualidade de presidente do clube, reivindico o direito de possui-la primeiro, mas como no momento não estou ainda com disposição, vocês poderão usa-la de qualquer forma, até que chegue minha hora. Vou chamar um amigo nosso, para fazer o leilão desta maravilha. Fiquei meio tonta, pois não é que eu estava virando um objeto mesmo? Cláudio venha até aqui e assuma o comando. A roda tinha se afastado de forma que todo mundo pudesse ver o que ia acontecer. O Cláudio destacou-se do restante do pessoal. Era um belo homem de uns 45 anos, meio grisalho, mas com corpo de atleta, cheirando uma lavanda deliciosa, e veio até mim.Chegando ao meu lado mandou que um garçom trouxesse a mesinha de centro para perto da parede. Quando ele trouxe a mesinha, mandou que eu subisse nela. Apesar de ser um homem bonito, o Cláudio tinha um sorriso meio maroto no rosto. Mandou que eu subisse na mesa, o que fiz na hora. Dirigindo-se para a platéia ele disse: vamos dar uma olhada na mercadoria. Virou-se para mim e abaixando o lado direito de meu vestido, desnudou meu seio direito. Senti a turma sussurrar, pois meu seio é realmente bonito. Ele o pegou de leve, sacudindo-o um pouco enquanto falava para a turma. Vejam como firme, como é lisinho, sem nenhuma marca, falava exatamente como se fala de uma égua em um leilão de cavalos. Eu não sabia com que cara estava, mas aos poucos o toque de sua mão, balançando meu seio, começou a me excitar mais ainda. Depois passou para trás de mim e puxou o outro lado do vestido, desnudando o outro seio. Então por trás de mim ele balançava com as duas mãos meus seios, alternadamente, fazendo com que eu subisse às alturas. Fiz força para não fechar os olhos e gozar ali mesmo. Depois levantou as alças do vestido, fazendo um coro de reclamações, mas disse: todos vocês vão aproveitar dessa lindeza, portanto não me apressem. Quando ele disse isso fiquei apreensiva. Como iria satisfazer a todos eles, não sei se agüentaria nem dois. Continuou atrás de mim e lentamente, mas muito lentamente começou a levantar meu vestido, mostrando minhas pernas bem queimadas de sol, contrastando com o branco do vestido. Eu tinha colocado também uma calcinha branca de rendas, extremamente sexy, e ele subia um pouco e deixava cair, para logo em seguida recomeçar a subir o vestido, até que ficou com ele na altura da minha cintura, falando: vejam que linda e deliciosa bocetinha tem este animal. Foi feita para qualquer tamanho de pau ou de língua. Mandou que me virasse de costas para a platéia, e com o vestido ainda levantado falava: e vejam só seu traseiro, redondinho, apertadinho, esperando por um de vocês, mas não vou tirar a calcinha dela que é para vocês ficarem imaginado o que tem por baixo. O vencedor dos lances é que aproveite. Bem pessoal vamos começar o leilão. Em primeiro lugar vou leiloar seu vestido, que veio de Paris, é tamanho 40, lindíssimo como vocês estão vendo. Pensei que fosse um leilão só na hora e que depois me devolveriam o vestido, mas não foi nada disso. Eu me lembro de meu marido ter pagado por ele mais ou menos $ 500,00 dólares em Paris. De cara uma mulherzinha espevitada fez um lance de R$ 2.000,00 reais, e depois alguém subiu para 2.500,00 e acabou sendo arrematado por R$3.600,00 reais. Comecei a ficar um pouco tonta, não sei se por causa do leilão o do whisky, porque também me lembrei que eu tinha colocado uma correntinha de ouro no pescoço, não muito grande nem muito valiosa, mas que eu gostava bastante, mas principalmente pelo meu Bulgari de pulso, jóia de uns R$ 10.000,00, e não sabendo a reação de meu marido. A corrente acabou sendo leiloada por R$3.000,00 reais que deveria ser o dobro do valor dela. Mas parece que o leiloeiro esqueceu-se do relógio, pois da pulseira passou para a sandália. Nesta hora eu estava só de calcinha e sandália, pois meu vestido já havia sido tirado pelo garçom, o qual aproveitou-se para roçar meu seio enquanto o retirava. Quando começou o leilão da sandália uma senhora enorme, que devia usar sapato tamanho 40 deu um lance absurdo pela sandália. Mandou R$ 1.000,00 reais, e a sandália era tamanho 36. Quando pensei que ela a levar um coroa fez outra maluquice. Deu um lance de R$4.000,00 reais pela sandália. Lógico que ninguém mais competiu. Quando o garçom veio para tirar minhas sandálias ele falou: não eu estou dando quatro mil, mas quero que ele fique de sandália, porque é a coisa mais bonita do mundo uma mulher nua, linda como essa aí, de sandália e salto bem alto, andando pelo ambiente. Quando ele ia leiloar a calcinha, a turma pediu que ele deixasse, pois era mais sexy também, mas um senhor fez questão de compra-la e arrematou-a por R$ 800,00 reais fazendo questão de tira-la ele mesmo. Chegou perto da mesinha e colocou as mãos em minha cintura. Então bem lentamente começou a descer minha calcinha em direção aos meus pés, só que quando estava passando pela boceta ele passou a mão para frente de mim para segurar a calcinha e com o dedo esticado para dentro passou bem por cima de minha boceta e de meu anus. Fiquei ali, completamente nua, bem ereta, me sentindo uma deusa, com todos aqueles olhos pregados em minhas formas, e ansiosos pelo que viria. Após uma pausa propositada do leiloeiro quando foi passada uma nova rodada de bebidas, recomeçou o leilão.

CAPITULO 4

Nesta altura o leiloeiro também havia subido na mesinha, e tinha passado o braço em volta de meu pescoço, deixando a mão cair pendente em frente ao meu seio. Começou a falar: senhores e senhoras, vamos começar o leilão, mas cabe aos senhores escolher qual modalidade ou qual tipo de atividade vão querer que este belo espécime faça ou pratique. Após alguns palpites ficou estabelecido que seria leiloado um beijo meu, só que seria um beijo de língua, bem quente. Após alguns lances que foram subindo conforme subia o tesão dos convidados, meu beijo foi ganho por uma moreninha que pagou a bagatela de R$ 300,00 reais pelo beijo. Ela subiu na mesinha e pegando minha cabeça, beijou-me com sofreguidão a boca, enfiando sua língua em minha boca e buscando a minha língua também. Ficamos mais ou menos uns dois minutos naquele beijo, e a turma já começava a urrar de prazer. Não senti nem nojo, como pensei que sentiria, nem prazer nenhum. Foi absolutamente amorfo. Nesta altura os palpites choviam em direção ao leiloeiro. Leiloa uma chupada na bocetinha dela, gritavam alguns, mas prevaleceu a opinião da maioria. Na hora em que decidiram fiquei zonza de novo. O que seria leiloado agora seria uma chupada minha em quem ganhasse. Torci para que os homens dessem os maiores lances, pois se fosse uma mulher eu teria que chupa-la de qualquer jeito, mas preferia mil vezes um homem. Durante esse tempo todo, com a empolgação do pessoal e também a minha, eu não me lembrei de meu marido, até que o vi meio escondido do lado direito da sala. Dei um sorriso em direção a ele, e ele me respondeu com o polegar para cima em sinal de positivo. Achei que estava aprovando e gostando. Desta vez a competição foi acirrada. Ficaram 4 homens e duas mulheres disputando minha chupada, em lances de R$ 50,00 reais. Começou com R$ 200,00 e já passava de R$ 2.000,00 reais quando dois dos competidores desistiram, falando um para o outro: no fim da noite a gente manda-o chupar sem pagar nada, é escrava mesmo, não é? E saíram rindo. Mas os outros queriam naquela hora. Ficou um velhinho baixinho, acompanhado da esposa que dava a maior força para ele. Um outro coroa mais moço, atlético, bem apessoado, uma mulher grande, muito bem vestida e outra que era o protótipo da mulher macho, mas que graças a deus não tinha tanto dinheiro quanto os outros. Em poucos lances elas estavam fora e sobraram os dois homens. Afinal o velhinho baixinho acabou ganhando minha chupada. A mulher dele exultava de alegria e falava: viu bem, mandei você continuar, você vai ver que bom vai ser. Ela tem jeito de ser daquelas chupadoras formidáveis. Vamos lá querido, e cutucava o marido. Ele pediu que a gente fosse até o sofá grande que ficava encostado na outra parede. O leiloeiro pediu que todo mundo ficasse do lado de cá da sala para que todo mundo tivesse uma visão igual do fato. Lá fui eu, caminhando nua, na frente do velhinho e da mulher. Ele sentou no sofá abriu a braguilha e mandou que eu começasse. Abaixei-me procurei seu pau dentro da calça e achei uma coisinha mole, pequena e sem vida. Sua mulher havia sentado ao seu lado e apreciava tudo com muita alegria. Tirei seu pauzinho para fora e comecei a lamber de leve a pontinha, para ver se dava sinal de vida, mas ele continuava morto, mortinho. Fiquei com medo do vexame e então coloquei-o todinho dentro da boca. Fiquei com ele na boca, passando a língua de um lado para outro até que senti um estremeçãozinho e muito lentamente ele começou a endurecer. Até que depois de duro ele não era tão insignificante assim, era pequeno, mas estava durinho. Aproveitei para caprichar na chupada com medo de que ele broxasse de repente e nesta altura do campeonato eu queria ser a melhor de todas no recinto, e também estava precisando da porra dele. A mulher quando está devidamente excitada, é capaz de ter um orgasmo enorme com o gosto da porra na boca, mesmo que seja de um velho desconhecido, e eu estava tremendamente excitada com toda aquela situação, com o que estava por vir, com as sensações que iria sentir, então eu precisava naquele momento da porra do velhinho e precisava mostrar também para todos quanto eu era boa e m qualquer circunstancia. Ele demorou um bocado, mas quando eu senti que vinha vindo, eu me coloquei de lado de modo que meu corpo não impedisse a visão de todo mundo e continuei acelerando o movimento de vai e vem da cabeça, balançando violentamente os cabelos e meus seios ao mesmo tempo, pois sei que os homens quase gozam ao ver seios balançando. Quando ele começou a gozar, enchendo minha boca de porra fiz questão de deixar escapar um pouco pelos lados da boca, a fim de que o pessoal visse que ele estava enchendo minha boca e que eu não iria cuspir aquela porra e sim engoli-la. Depois que ele gozou continuei com seu pau ainda por alguns minutos dentro da boca, chupando levemente para tirar tudo que ainda tinha no canal. Depois lambi suavemente seu pau por fora para tirar os restos que tinham escorrido e lambi também minha mão que tinha recebido uns respingos de porra. Quando me levantei, foi uma salva de palmas só. Ouvi os mais rasgados elogios, não diretamente para mim, mas deste tipo: Amigo eu ia querer foder com ela, mas depois dessa demonstração eu quero uma chupada dela. Você viu que barbaridade de chupada, e como ela gosta do negócio. Deve ser uma boca e tanto, quando chegar na minha vez vou querer bis. Fiquei em pé a espera de novos acontecimentos. O leiloeiro falou que iria recomeçar. Mandou que subisse de novo na mesinha, e de novo com o braço em volta de meu pescoço, brincava distraidamente com meu seio esquerdo. Parecia que ele estava brincando distraído, mas olhando para baixo vi o volume em sua calça e soube que ele estava se excitando. Ele continuou me bolinando enquanto esperava o pessoal se aglutinar em frente da gente. Apertava o biquinho de meu seio, levemente, às vezes mais forte, apertava o seio todo, balançava ele para cima para baixo, para os lados, enfim estava se divertindo comigo.

Como tinha sido proibido o uso de minha boceta ou de meu cu, até que o presidente o fizesse, só sobrava mesmo minha boca para eles se divertirem, e foi o que aconteceu. Na rodada seguinte a disputa foi muito mais apertada, porque todos viram minha atuação, e todos queriam a mesma coisa. Foi quando o leiloeiro fez a pergunta: podemos melhorar isto pessoal? Choveram outra vez sugestões, mas na opinião deles a melhor foi dada por uma senhora distintíssima, a qual assim se expressou: a escrava é realmente formidável, e todos estão querendo que ela chupe todo mundo, inclusive nós as mulheres. Mas pelo menos por agora, vamos deixar este prazer para os homens. A minha sugestão é a seguinte: vamos fazer um leilão em grupos. Cada grupo vai ter 10 elementos. O grupo que ganhar ele vai chupar todos, e todos vão gozar nesta boquinha mimosa que é o que estão querendo, não é?

Éhhhh responderam todos. Só que a escrava se for chupar todos um por um, vai demorar muito, portanto nós as esposas, começaremos cada uma chupando o pau de seu homem e na hora em que ele avisar que vai gozar a gente põe ela para beber a porra dele, estão de acordo. Assim a gente também se diverte um pouco, e se vocês quiserem tornar mais interessante, podemos chupar os paus indistintamente. Podemos chupar aqueles que bem entendermos, o que vocês acham? Alguns homens gostaram logo da idéia, mas algumas esposas ou amantes não e então ficou decidido que cada uma chupava o seu. Durante este tempo todo o leiloeiro não parou de me bolinar e eu já estava em ponto de bala para gozar. Antes de começar o leilão, foram feitos sete grupos de 10 homens cada um, escolhidos a esmo, mas eu vi que havia um grupo com caras mais moços, e eram justamente aqueles que tinham ficado mais entusiasmados depois da minha chupada no velho. Torci para que ele tivesse mais dinheiro dos que os outros grupos. Parece que minhas preces estavam sendo ouvidas, pois foi o grupo vencedor. Era composto de 6 rapazes em torno de 30, 35 anos, 2 com mais de 45 e 2 com uns 50, porém todos com mulheres magníficas, até os mais coroas, e eu achei que não eram mulheres, mas sim amantes, pois eram muito jovens. Posicionaram-se todos no grande sofá, e um deles me chamou e disse que a mulher dele não ia chupa-lo porque já estava quase gozando e se eu não começasse logo, gozaria na calça. Enquanto as mulheres ainda estavam tomando posição, agachando-se para chegar perto dos paus deles, todas vestidas, porém, eu comecei a chupar o rapaz e ele tinha razão pia assim que coloquei a boca em seu pau ele gozou violentamente, não me dando tempo para nada. Ficou furioso, gritou comigo, fez um escândalo até a chegada do anfitrião. Colocado a par dos fatos, o dono da casa falou: ela vai te chupar de novo até você gozar nem que leve três horas ai, ta bom? O cara concordou e mandou eu começar de novo. Só que além de mole o cara estava com raiva e como tinha acabado de gozar estava difícil de começar a endurecer. Torci para que um dos outros sentisse logo vontade de gozar, assim teria que ir correndo beber a porra do outro e teria tempo dele se recuperar, mas parece que os caras não estavam lá muito contentes com as bocas de suas companheiras, pois ninguém dava mostra de estar pronto e meu queixo começou a doer por causa do movimento. Neste momento um deles falou para a mulher: chama ela logo que ta vindo. Levantei-me em direção a mulher que tinha parado e abaixei-me justo no momento que veio o jato de porra, mas esse eu consegui pegar a tempo e consegui engolir todinho, sem deixar escapar nada. Depois que ele gozou aproveitei e fiquei com o pau na boca para dar tempo dos outros estarem prontos, pois não queria voltar já para o primeiro. Daí a instantes ouvi outro grito: bem, chama ela. Só que este estava bem ao lado e foi fácil. A mulher tirou a boca do pau do marido e eu coloquei o membro dele todinho na boca. Desta vez valeu a pena. Era um membro enorme, que enchia completamente minha boca. Como até aquele dia eu só tinha colocado na boca o pau de meu marido e os dos meninos de minha primeira experiência, que não eram muito pequenos, mas também não eram grandes, aquele foi uma grata surpresa. Era realmente grande. Tinha até dificuldade de mexer a língua com ele na boca. Eu esperava sinceramente que a quantidade de porra fizesse jus ao tamanho daquele membro. Como ele não gozou logo como tinha anunciado, comecei a ficar preocupada, pois se alguém me chamasse naquele momento não poderia atender. Mas os deuses estavam do meu lado. Logo em seguida ele começou a gozar abundantemente, em sucessivos jatos que enchiam minha boca, e eu não estava tendo tempo de engolir, porque o homem pegou minha cabeça e enfiava seu pau com força na minha garganta, não me deixando espaço para engolir a porra dele. Consegui dar uma afastada, e então engoli tudo e voltei a me movimentar porque ele continuava a esporrar em mim. Fiquei muito admirada da quantidade de porra daquele moço, e olhando rapidamente para ele pisquei um olho e marquei sua fisionomia, pois iria procura-lo mais tarde para extrair mais daquele suco esplendido. Ele entendeu, deu um sorriso e num último esforço ainda soltou um generoso jato em minha boca. Tirei a boca de seu pau, abri a boca para ele ver que estava cheia de sua porra e bem devagar fui engolindo e abrindo a boca de vez em quando para ele ver a porra descendo pela garganta. Ele ficou maravilhado. Mas o encanto foi quebrado, pois outra madame solicitava meus serviços. Desta vez o senhor estava a três deles depois. Fui de joelhos para não perder tempo, e quando peguei o pau em minha mão para coloca-lo na boca, a mulher dele pediu: deixa o restinho pra mim, ta gata? Eu então perguntei: só o restinho? Elas repondeu: só. Este quarto, não teve muita graça, pois logo começou a gozar, mas uma gozada sem força e em pequena quantidade, tanto que não demorou nem 15 segundos e eu já estava me levantando para dar lugar à sua mulher, pois já tenho prática suficiente para saber quando esta acabando. Assim que ele pegou o pau do marido fiquei em pé, a espera de outro chamado, mas quem chamou foi o enfezado primeiro, e quando eu estava me dirigindo até ele um senhor quase na minha frente gritou: não sai daí menina que já vou gozar já, já. Enquanto a senhora que estava com ele ficava de pé eu me abaixei para engolir seu pau. Era um dos mais velhos do grupo e esse acho que era casado, pois sua mulher apesar de bem mais moça, já era meio coroa. Quando coloquei o pau dele na boca, senti uma mão na minha boceta, mas não me virei nem me mexi, Continuei a chupa-lo e ouvi-o falar: ta procurando a bocetinha dela, meu bem? E a mulher atrás de mim: estou sim. Senti seus dedos entrarem em mim ao mesmo tempo em que senti outra mão procurando meu buraco do anus. Quando ela enfiou os dedos na minha boceta eu gostei, mas quando ela enfiou um dedo no meu cu, eu gostei mais ainda, mas continuei caprichadamente aquela chupada. Não demorou e veio o jato, só que como eu estava prestando atenção na minha boceta e no meu cu, o jato me pegou de surpresa e foi direto para a garganta. Quase engasguei e precisei de todo meu autocontrole para não dar um vexame cuspindo tudo no homem. A muito custo consegui engolir, mas desta vez um pouco escapou e caiu no sofá. Preocupada com aquilo tirei a boca do pau dele e aí ele gozou pela última vez sujando mais ainda o sofá. Fiquei sem saber o que fazer, mas parece que todos naquela noite estavam procurando me ajudar. O senhor me falou: essa é uma falta muito grave, deixar escapar a porra de seu senhor, e a pena é chicotadas à vontade do senhor, mas vou quebrar seu galho. Limpe o sofá rapidinho com a língua e fica por isso mesmo. Comecei a lamber o sofá com um certo asco, por causa do pano, quando fui salva pelo gongo. Desta vez foi uma mulher que gritou: corre aqui, vadia, vem logo beber a porra de meu amor. Meio desorientada pelo caso do sofá, virei-me para o lado errado em que estava o casal. Aqui sua burra, berrou a mulher. Eles estavam quase no fim do sofá, e ela era uma bonita mulher, bonita mesmo, mas rancorosa. Corri lá e ela continuava a gritar: Bebe logo a porra dele, cadelinha, senão vou te exemplar. Eu também trepo com o presidente e tenho certos direitos aqui. Eu vi o moço, ficar sem graça, mas também era um moço muito bonito, portanto para parar logo com aquilo coloquei logo o membro dele na boca. Estava tentando me concentrar, pois tava difícil chupar todos eles ouvindo coisas, e lambendo sofás. Quando comecei a chupa-lo com gosto, ouvi a mulher gritar de novo: você não sabe fazer nada direito, sua vaquinha, é assim que se chupa e me dando um empurrão caiu de boca no pau de seu macho, que logo em seguida começou a gozar na boca dela. Quando ele começou a gozar ela tirou a boca de propósito e o jato de porra se esparramou pelo seu rosto, nariz, por fora da boca, nos olhos e um pouco no seu peito, pois ela estava bem decotada. Ela continuou a gritar: pega logo o pau dele, cadela sem-vergonha, não deixa cair mais nada fora. Rapidamente me abaixei de novo e consegui engolir o restinho de porra que ainda tinha. Depois que terminei ela falou para mim: agora vai todo mundo esperar você me limpar sua porca. Lambe toda a porra de meu rosto, de meu seio, dos meus olhos enfim me deixe limpinha. Comecei pelo colo dela um pouco acima do seio. Vi que ele estremeceu, e percebi que toda a encenação era para conseguir isto mesmo. Lambi seus olhos, e enquanto lambia engolia a porra que tirava. Depois perto da boca, em seus lábios caprichei mais nas lambidas e a mulher começou a gemer. Lambi sua face até não ter mais nem um vestígio de porra, mas foi justo a tempo de outra mulher gritar: corre aqui, putinha. Este era o sétimo e estava no meio do sofá. Também era um dos mais moços. Sua mulher me pareceu uma pessoa educada, pois falou baixo para mim: capricha com ele querida, pois gosto quando ele goza gostoso. Coloquei seu pau na boca. Era um pau normal, mas tinha um gostinho diferente. Acho que ele estava só esperando por mim, porque assim que coloquei tudo na boca ele começou a gozar. Deu três gozadas pequenas e parou. Fiquei meio decepcionada, mas a mulher abaixou-se a falou no meu ouvido: não larga não, bem, porque ele vai aos pouco, mas fica meia hora soltando porra. Continuei com o pau inteirinho na boca e senti que ele estava amolecendo.Comecei a movimentar a cabeça naquele vai e vem, mas a mulher falou de novo no meu ouvido: não querida, fica paradinha, só mexe a lingüinha em volta do pênis dele que é já que ele solta mais porra. Fiz o que ela falou achando que não ia dar em nada, quando de repente senti o membro enrijecer de novo e mais três jatos de porra encheram minha boca. Estava cada vez mais admirada. Quanta coisa que a gente não sabe. Quando fiz menção de tirar a boca ele de novo ele voltou: meu bem, ele não acabou ainda. Faltam duas vezes. Achei que era impossível, mas fiquei firme sentindo o membro diminuir de tamanho cada vez mais, quando já estava quase totalmente mole, enrijeceu mais um pouco e soltou de novo três jatos já com menos intensidade e quantidade. Confesso que não acreditava que teria outra vez, mas esperei. Quando seu pau estava totalmente mole e pequenininho dentro de minha boca ele ainda esporrou mais uma vez. Ai ela falou: pronto querida, agora pode ir beber de outro. Foi a tempo, porque dois homens mais a frente uma moça acenava para mim. Rápido, vem. Foi o tempo de engolir um cacete enorme de cumprimento, mas bem fino. O homem começou a soltar porra dentro de mim, mas ao mesmo tempo forçava minha cabeça para baixo. Consegui engolir os primeiros jatos, mas ele estava enterrando aquela estaca na minha garganta. Eu estava sentindo ânsias e estava com a boca cheia de porra, pois não conseguia engolir, pois estava com a garganta tampada. Vi as coisas pretas, porque estava para vomitar quando num esforço sobre-humano consegui me segurar ele enterrou de vez aquele mastro fino ma minha garganta. Foi até o fim e entrou mesmo garganta abaixo. Ele me segurou por uns instantes e depois me soltou. Quando tirei a boca de seu pau, consegui engolir porra que tinha na boca e voltei ao pau para acabar com os restinhos de porra que ele ainda soltava. Ele ainda continuou com o pau duro, enquanto sua mulher me fazia levantar, acariciou meus cabelos e me disse: ele me disse que ia fazer isso com você. Comigo eu já acostumei, mas as mulheres em geral vomitam nele. Você viu o tamanho do pau dele não, pois bem ele foi até o meio de sua garganta, você se saiu muito bem queridinha. Eu sou uma das poucas mulheres que consegue ficar com um pau deste tamanho na garganta sem passar mal. Agora somos duas. Eu estava exausta e ainda faltavam dois. Eu vi que um deles era o mais velho de todos. Fui até lá a e fiquei ao lado esperando a mulher me dar o lugar. Eu vi que ele fazia aquilo mecanicamente, sem tesão, sem sentimento. Ele estava com o pau duro, mas não estava animado. Pedi licença e quando ela se afastou, comecei a lamber primeiro a pontinha de seu membro, depois descia de lado só com a língua, sem usar os lábios. Dei a volta no seu pau todinho, de leve, depois aos poucos fui subindo em direção à cabeça. Fiquei um tempão beijando a cabeça do pau dele que era um pau normal. Senti que o homem começava a se entusiasmar, e fui aumentando a intensidade de minhas lambidas e chupadas. Sugava seu canal, enfiava a pontinha da língua no canal, e como já tinha aprendido com o anterior, forcei seu pau em direção ao fundo de minha garganta. Senti que aos poucos o pau ia entrando garganta adentro. Fiquei admirada de ter dominado a técnica sem sentir novamente ânsia, e estava gostando sobremaneira desta nova maneira. Ia deixar meu marido maluco, enfiando o pau dele na minha garganta. Foi aí que me veio uma idéia maluca. Será que eu conseguia que ele gozasse diretamente no meio de minha garganta, eu não precisaria engolir a porra, ele iria sozinha garganta abaixo. Pensei e me concentrei, forçando cada vez mais o pau do homem na minha garganta. Eu só parei quando senti os pentelhos roçando meus lábios. Nossa, estava com 20 centímetros dentro da garganta, olhando de soslaio percebi que tava todo mundo olhando para ver onde tinha ido tudo aquilo de pau na minha boca. Foi neste instante que ele começou a gozar. A porra desceu redonda pela minha garganta abaixo, e minha única frustração foi não poder aproveitar o gostinho dela, mas eu estava plenamente realizada. Mais uma conquista sexual naquela noite. E esta fora das boas. Quando tirei a boca dei uma rápida lambida por causa de algum vestígio e me levantei. Quase cai de costas. Foi uma ovação. Todo mundo aplaudia. Uns gritavam. Um deles chegou e me perguntou: voce já tinha feito assim ou aprendeu agora. Eu disse que era a primeira vez, e mais admirados ele ficaram. Surgiram imediatamente vários candidatos a encher minha garganta de paus. Faltava, porém o pentelho inicial. Fui para o seu lado, mas ele estava conversando com dois senhores. Malcriadamente ele me disse: você teve a capacidade de me deixar sem vontade. Veja como está meu pau. Estava realmente murchinho e sem graça. Fiquei em pé sem falar nada e ele continuou a conversa om os outros. Ao me ver em pé a espera, ele mandou que me ajoelhasse e ficasse chupando seu pau. Fiquei de joelhos, e estava uma situação constrangedora. Eu chupando um pau mole enquanto ele conversava de negócios. Mas de qualquer forma naquela noite eu era a escrava e faria o que meus senhores ordenassem. Eu já estava com os joelhos doendo, e não estava mais com vontade de chupar ninguém naquele momento, porque se estivesse aquele pau ficaria duro na marra. Mas raciocinei, se eu ficar aqui fazendo sem capricho vou passar a noite aqui. Aí comecei uma chupada de mestra. Em pouco tempo o pau começou a dar sinais de vida. Quando ele percebeu, mandou eu parar e foi sentar no sofá me chamando para ir junto. Abaxei-me e continuei com maestria. Fiz como não tinha feito com nenhum dos outros. Senti-o começar a ficar duro, forte, vigoroso e me preparei para a ultima porra da hora. Ela veio certinha, em grande quantidade, saborosa, farta, educada, bem na minha boca. Enchendo a boca toda. Guardei um pouco, abri levemente a boca para ele ver e engoli, continuei, pois sabia que vinha mais. E veio, bastante, acho que ele ainda estava com raiva. Encheu minha boca de novo. Mas foi a última gota. Segurei seu pau até ficar bem molengo. Ao me afastar abri a boca para que visse que estava cheinha e bem devagar fui sorvendo todo aquele néctar, engolindo sem pressa, achando o máximo.

CAPITULO 5

Após esta seção fiquei em pé perto da parede, e como todos estavam meio saciados, ninguém me deu muita bola. Neste instante meu marido chegou perto de mim, e acariciando de leve meu seio falou: você está que é uma depravação só. Eu pensei que estivesse me recriminado e retruquei: quer ir embora amor? Não, respondeu. Eu estou admirado de suas atitudes. Você sempre foi recatada, e agora sem mais nem menos vira uma verdadeira puta de zona, com um monte de caras ao mesmo tempo. Respondi: Meu amor foi você quem começou e me induziu a entrar nesta aventura. Eu estou adorando, pois todas as células de meu ser estão gozando, e resolvi não ligar para nenhum freio moral ou barreira social. Hoje é nosso dia de aproveitar o máximo neste lugar, mas, se você está achando que eu exagero posso fingir, mas lá por dentro estou no paraíso de tão gostoso que está. Hoje eu não sua esposa, sou uma escrava que deve dar prazer a todo mundo presente, e é assim que vou agir. Ele imediatamente retrucou: De jeito nenhum, também estou adorando, e feliz de ver que você está encarando tudo numa boa. Eu também estou tremendamente excitado. Eu perguntei se ele queria que eu desse uma chupada, pois estava proibida de trepar, mas ele me disse que agüentava e que o dono da casa havia avisado que tudo que nós fizéssemos deveria ser às claras, não escondendo nada de ninguém. Disse isso e se afastou, ficando eu sozinha de novo.

Mas em pouco tempo, comecei a ser rodeada de novo, por homens e mulheres. Chegavam, me apalpavam, mexiam no meu cabelo, e a conversa continuava. Uma senhora de seus cinqüenta anos disse para as amigas: A escrava ainda não satisfez nenhuma das mulheres presente, não? Acho que está na hora. Vamos fazer o leiloeiro começar logo outra fase. Chamaram o homem que me colocou em cima da mesinha de novo e chamou todos. Quando a turma estava reunida ele falou: alguma sugestão com relação ao fato que vamos leiloar a partir de agora. As mulheres presentes querem ser satisfeitas pela escrava, mas como hoje é tudo feito através de lances de leilão, vamos dar uns palpites. O que sugerem amigos? disse. Alguns queriam que eu chupasse a que desse o lance maior, outros achavam isso pouco. Nesta hora o proprietário da casa havia aberto uma saleta que dava para o hall de entrada e todo mundo tinha entrado lá para se paramentar. Só agora eu via que lá é que estavam os apetrechos de sado-masoquismo. As mulheres saíram todas com coleiras nos pescoços, seminuas, cobertas de roupas de couro, algumas ostentando um rabo de cavalo, que eu não sabia ainda se estava enfiado no anus. Os homens, pelo menos a maioria de chicotinho na mão, já vinham batendo nas mulheres deles e dos outros também. Chegou um garçom, com os braços cheios de paramentos e deixou tudo em um sofá. Imediatamente, uma das mulheres gritou: vamos leiloar o direito de transformar a escrava em égua!!!!! Todo mundo adorou a idéia, menos eu que não sabia do que se tratava. Começado o leilão, desta vez a coisa ficou quente. O direito de me fantasiar bateu na casa dos R$ 5.600,00 reais. Fiquei tonta, e me preparei, pensando que eles iam colocar alguma coisa de couro em mim ou pouco mais do que isso. O lance vencedor foi dado por um casal, em que se percebia claramente que era a mulher quem dava as cartas. Depois soube ser ela a dona da fortuna do casal. Estava explicado. Eles mandaram que eu descesse da mesinha e me colocasse no centro do salão. A mulher, que não era nem um pouco feia e deveria ter mais ou menos a minha idade, pegou no monte de apetrechos uma espécie de freio e veio colocar aquilo em mim. Forçou minha boca e quando eu abri ele enfiou aquele cabresto na minha boca a afivelou a mascara na parte de trás do meu pescoço. Aquilo era muito incomodo, mas não podia fazer nada, só não tinha contado com aquilo. Em seguida seu marido chegou por trás de mim e me forçou a curvar-me, deixando o meu traseiro a mostra de todos. Não vi a hora em que ele pegou o instrumento, mas percebi que ele encostou na entrada de meu anus um objeto e sem a menor delicadeza começou a força-lo para dentro de mim. Fiz força para não soltar lagrimas, pois estava doendo muito. Quando percebi que havia chegado ao fim ele me endireitou. Não era um objeto nem muito grande nem muito grosso, mas me causava um certo desconforto. Não sabia quanto tempo ficaria com aquilo enfiado em mim, por isso me preparei para agüentar longo tempo. Eu já estava de rabo e cabresto, o que viria mais? A mulher chegou com uma espécie de corpete feito de tiras de couro e passando pelos meus seios prendeu-o nas costas, deixando os seios bem empinados seguros pelas tiras de couro. Eu devia estar ficando ajeitada, porque todo mundo elogiava. Terminada esta fase, a mulher me puxou pelas rédeas do cabresto, dando uma volta por todos os aposentos da casa, me exibindo para todos convidados que porventura ainda não tivessem visto e quando passou por um grande espelho que havia no salão principal, eu me vi. A visão de mim mesma com aqueles ornamentos me deixou tremendamente excitada, empinei ainda mais os seios e as costas. A mulher percebeu e falou para o marido: a escravinha gostou do que viu. Acho que ela estava procurando se excitar ao maximo, antes de começar qualquer coisa comigo, mas seu marido não, pois o tempo todo estava com a mão ou na minha bunda ou na minha boceta. Enfiava os dedos em mim, procurava meu buraquinho da frente enfiava os dedos lá enquanto andávamos. Quando chegamos perto do dono da casa a mulher perguntou quando ele ia me comer, para que todos pudessem aproveitar tudo o que queriam de mim. Respondeu que dali uns 45 minutos ia me usar. Quando chegamos numa saleta interna, a mulher virou-se para o marido dela e disse: vamos logo aproveitar o dinheiro investido na éguinha. O que você quer fazer com ela? Eu acho que ela vai ter que me chupar de novo, porque nosso lance não vale para mais tarde, portanto eu tenho que gozar com ela agora e você também, não é querida? Lógico, respondeu a mulher. Vamos até aquele sofá lá, tire o cabresto dela para ela poder me chupar gostoso. O homem obedeceu e fomos até o sofá. Ela deitou-se abriu as pernas e mandou que me ajoelhasse e a chupasse. Eu nunca tinha tido sequer contato com outra mulher até aquele dia, quanto mais chupar uma boceta, mas fiz o que foi ordenado, e procurei fazer com toda a arte possível. Percebi que ela tinha tido um orgasmo, pois ainda estava úmida e pelo cheiro. Depois de alguns segundos chupando aquela bocetinha, até que comecei a gostar, já que estava determinada a gostar de tudo naquela noite. O marido dela sentou-se ao lado e me mandou chupa-lo também alternando a boceta e seu pau. O pau dele já estava duro, mas ele estava com dificuldade de gozar, fiquei indo de um para outro até que senti que a mulher tinha estremecido e me concentrei mais nela, até que ela começou a ter o orgasmo. Caprichei ainda mais, procurando sugar todo o suco que emanava dela. Fui fundo na busca do liquido, ao mesmo tempo em que sentia que ela estava gostando muito do meu empenho.Quando ela terminou de gozar, apertou as pernas na minha cabeça, segurando minha boca apertada de encontro a sua boceta, e ficou uns 3 minutos daquele jeito. Ficou até o marido reclamar que queria gozar também. Assim que ela me soltou, abocanhei o pau do homem e caprichei também na chupada. Usei tudo que tinha aprendido com meu marido, e naquela noite, e mais a sabedoria inata em uma puta de alta categoria. Não demorou e o homem descarregou tudo que tinha em minha boca. Outra vez dei uma demonstração do que era capaz. Segurei bem devagar, para que ele sentisse que eu amava sua porra, e fui sorvendo aos poucos toda ela. Eles adoram quando sentem que a gente gosta de seu caldo, pois a maioria das mulheres só fazem isso por obrigação ou imposição. Após ter esgotado todo seu semem, levantei-me e fiquei a espera. A mulher quase desfalecida chamou uma amiga dela que passava e falou: a hora em que você tiver uma chance, compre num lance qualquer uma chupada da éguinha. Vale qualquer dinheiro que vocês gaste. O animalzinho é demais. Fiquei meio chateada, pela palavra animalzinho, mas gostei dos elogios da chupada. Estava fazendo a fama.

CAPITULO 6

Depois disso os garçons começaram a servir bebidas e comidas aos convidados, e todo mundo com fome, deixaram-me um pouco de lado. Um pouco só, pois cada um que passava ao meu lado parava um pouco e ou enfiava o dedo em minha boceta, ou me dava um beijo na boca, mas a grande maioria, tanto homens como mulheres demoravam-se alguns segundo chupando um ou outro seio. Alguns mais maldosos os apertavam com força, para ver as marcas dos dedos na pele morena e queimada que eu tinha. Fiquei uma meia hora ali, estática como uma estatua, enquanto era bolinada de todas as formas possíveis. Para os convidados daquele dia eu realmente não passava de um objeto, inanimado, a disposição deles para o que quisessem fazer. Ninguém se preocupou em me dar ou comida ou água. Tinha um garçom safado, que toda vez que passava por mim dizia: mais tarde vou te levar para a cozinha e nós todos vamos comer você, cadelinha. Deixe o mais gostoso para os mais pobres. Nesse momento o dono da casa chegou perto de mim acompanhado de sua bela mulher, e me examinou detidamente, comentando com ela meus atributos físicos. Depois falou para a esposa: vamos nos divertir um pouco agora nós dois com a escrava, você topa meu bem? E ela respondeu: vamos querido, mas gostaria de ficarmos nós três no nosso quarto sem ninguém por perto ta? Ele concordou imediatamente, e ela me puxou pela coleira escada acima. Entramos num quarto suntuoso. A cama enorme estava coberta com uma colcha de cetim da cor salmão linda e fresquinha. Devagar a mulher começou a tirar todos os apetrechos que haviam me colocado. Tirou vagarosamente, tudo, até o rabo que ainda estava enfiado em meu anus. Depois que fiquei completamente nua, mandou que tomasse uma rápida ducha e voltasse logo. Após o banho, reconfortante por sinal, coloquei um roupão que estava a minha espera e fui de encontro do casal que me esperava na cama. O homem que estava deitado me puxou para si e me deu um longo e saboroso beijo.Sua mulher veio por trás e começou a mordiscar minhas orelhas e beijar minha nuca. Senti um arrepio me percorrer o corpo, e senti quando ela descia em direção ao final de minha coluna. Chegou perto de meu buraquinho e ficou brincando por ali, enquanto eu me retorcia de tesão, pois ela não chegava com sua língua onde eu queria que fosse. O dono da casa percebeu meu estado de excitação e forçou minha cabeça em direção ao seu pênis. Quando comecei a chupa-lo, pensei comigo mesma que daria tudo naquela hora por uma trepada convencional, mas já que ele queria aquilo, tudo bem. Mas foi só eu começar e ele me virou deitando-me na cama e subiu em cima de mim. Enquanto ele se ajeitava para enfiar o pau em mim, a mulher com muita sensualidade começou a me beijar, um beijo de língua, profundo, doce e quente, muito melhor do que o beijo dele. Como até àquela hora eu só tinha chupado um monte de gente, minha bocetinha estava ansiosa por um pau. O pau do dono da casa era normal, sem maiores atrativos, mas era o que eu estava querendo demais e imediatamente comecei a gozar, e gozei bastante enquanto a bela mulher sugava meus seios, lambia os biquinhos duros de tesão e me dizia coisas gostosas no ouvido. Senti que o anfitrião gozava copiosamente, me enchendo toda de porra. Quando ele relaxou, sua mulher pediu licença e afastando-o começou a chupar toda a porra dele misturada com o suco vaginal de minha boceta. Ela enfiava a língua lá no fundo, para buscar tudo que fosse possível, causando-me de novo um tesão indescritível. Não agüentei e comecei de novo a ter um orgasmo enorme, e ela ajudou continuando a chupar tudo que saía de mim. Quando ela parou de me chupar, ficamos uns momentos abraçadas, meio desfalecidas, mas gozando intensamente aquele momento. Então ela se levantou a falou para o marido: meu bem, você sabe que eu faço tudo para te agradar, e sou bastante correspondida por você, mas quero te pedir uma coisa agora. Ele falou: diga. Então ela pediu que ele não deixasse ninguém judiar de mim naquela noite, e que desse um jeito de reservar o final da noite para nós três aproveitarmos tudo uns dos outros, o que ele prontamente concordou. Eu nunca senti o que senti com ela, amor, disse então e quero aproveitar ao máximo esta noite. Em seguida pegando minha mão levou-me até seu closet, e escolheu um vestido vermelho, lindo de puro chifon, meio transparente, me deu uma calcinha também vermelha, ajeitou meus cabelos que estavam meio desalinhados, deu-me um beijo na face e me falou. Você continua sendo escrava de todos, que são as regras de nosso clube, porém de agora em diante eu vou fazer você se divertir como nunca. Mandou que colocasse também uma sandália de saltos altos vermelha e descemos.

CAPITULO 7

Descemos lentamente a escada, e como havíamos demorado mais do que o normal, tava todo mundo esperando pela gente. Pela cara de felicidade da dona e do dono da casa eles perceberam que eu já estava livre para que todo mundo também pudesse me comer da maneira que quisessem. Chegamos no andar de baixo e fui rodeada por um bocado de gente. Todos começaram de novo a me tocar em todas as partes, enfiando as mãos pelo decote para apalpar meus seios, por baixo do vestido para tocar em minha boceta, enfim cada vez mais parecia que eu era um artigo em uma prateleira qualquer. Avistei meu marido e dando uma piscada de olho, ele me entendeu e aproximou-se de mim. Disse a ele que estava com um pouco de fome e sede, mas ele queria saber rapidamente o que acontecera lá em cima. Também resumidamente disse a ele mais ou menos o que acontecera, porque logo a turma começou a gritar para recomeçarem o leilão. Fui levada para a mesinha de novo só que vestida como estava. Após os primeiros lances, estavam claro que os homens haviam se organizado em dois grupos, e davam lances juntos. Arrepiei-me com a idéia de que, se eles estavam em grupo, também iam querer me usar em grupo. Mas já que estava no fogo, não iria me preocupar. O lance mais alto foi de R$ 7.200,00 reais, dado por um grupo de senhores liderados por um baixote, careca que era o mais entusiasmado deles. Eram cinco homens, o baixote, um de mais ou menos 35 anos bem bonito, um magricela de 40 e poucos anos, um mulato extremamente bem vestido, com idade difícil de calcular e um outro mais moço com cara de safado. Após terem ganhado, pegaram-me pela mão, e perguntaram se queria comer alguma coisa, e como afirmei que sim fomos até a copa e eles me serviram uns salgados e um copo de vinho branco. Comi tudo com fome, tomei mais três copos de vinho e me achei em condições de enfrentar até um batalhão do exercito. Todos os convidados batiam papo entre si, se bolinavam, um ou outro casal trepava, uma ou outra mulher chupava eventualmente seu parceiro do momento, mas via-se claramente que todas as atenções estavam quase sempre focadas em mim e nos que houvessem ganhado alguma participação minha em uma atividade sexual. Portanto a roda que se formava à nossa volta era sempre numerosa. Eles tinham se dirigido para o salão principal da casa, e mandaram os garçons afastarem todos os móveis, inclusive os sofás e poltronas. Como ficou uma clareira, pediram que trouxessem almofadões e jogassem no chão. Como eles eram os meus donos naquele momento, cada um deitou-se em algumas almofadas e o resto do pessoal ou ficou em pé para observar ou sentou-se no chão mesmo. O baixote líder mandou que eu ficasse no centro do salão e mandou que começasse a dançar para eles, mas tinha que ser bem sensual. Como gosto muito de dançar, e a musica que tocava no momento era propicia à dança que eles queriam ver, não me fiz de rogada e comecei a menear os quadris, a balançar os seios, bem no ritmo quente da musica e fui tirando devagar a roupa. Logo fiquei só de calcinha e continuei a requebrar, dançando sempre até que ele mandou parar. Virou-se para os outros quatro amigos e perguntou: algum de vocês quer compartilhar da escrava junto comigo, porque vou ser o primeiro a comer ela e vou comer sua boceta, portanto se alguém quiser comer o cu, vamos os dois juntos. Fiquei bem surpresa e preocupada, pois nunca tinha passado por isso. Como já disse no começo, quando meu marido às vezes quer comer meu cuzinho, eu concordo, e apesar de sentir um certo tesão, não é das minhas vontades preferidas. Mas com dois não sabia o que pensar. Neste momento o mulato falou: reivindico o direito de encher seu cuzinho com minha vara, se os colegas não se importam. Como ninguém disse nada ele adiantou-se também. Se eu estava preocupada antes agora então fiquei muito mais, pois é sabido que os negros e mulatos são muito mais bem dotados que as outras raças. Senti vontade de pedir para eles inverterem as posições, mas sabia que se fizesse isso podia levar umas chicotadas, mas principalmente eu queria seguir todas as regras do clube.O baixote veio até o centro do salão, deitou-se no chão mandou que me aproximasse e começasse a chupar seu pau, que estava meio duro apesar de toda minha sensualidade na dança. Agachei-me a seu lado e comecei a chupa-lo sentindo que imediatamente seu pau começou a inchar continuei até que ele mandou parar e mandou que o cavalgasse. Eu estava de novo morrendo de tesão e o homem apesar de atarracado e baixote tinha um pau respeitável em tamanho e grossura. Fiquei admirada e contente, pois precisava de um em minha bocetinha sedenta. Cavalguei-o e comecei a forçar o pau na minha boceta, mas devagar para sentir bem a penetração vagarosa. Quando estava já tudo lá dentro comecei o movimento de subir e descer, mas bem lentamente, para aproveitar ao máximo aqueles momentos. Estava naquele gostoso movimento, quando o mulato encostou no meu rosto um monstro de um pau semiduro, inacreditavelmente grande. A principio exultei com aquela ferramenta e quando ele forçou-a dentro de minha boca eu gemi de satisfação. Estava difícil combinar os movimentos da trepada com o baixote e colocar aquilo na boca, pois eu tinha que forçar os lábios para abri-los o mais possível sem perder o ritmo da trepada. Só aí me dei conta da situação, de que tudo aquilo que eu tinha na boca não ia gozar desta vez na minha boquinha, mas sim lá atrás de mim. Sinceramente comecei a me preocupar de verdade, achando que iria sair correndo e estragando a nossa noite, minha de meu marido e de todo mundo. Ele então delicadamente, pediu que eu lambuzasse a cabeça do pau com cuspe, e me falou baixinho no ouvido: gatinha, eu sei que ele é grande e senti quando você estremeceu, mas vou fazer com que você goze como jamais gozou, e com toda a delicadeza possível, não se preocupe, esse estremeção que você deu de medo você vai dar de prazer. Então se posicionou atrás de mim, e vagarosamente sem a menor pressa, enquanto eu diminuía os movimentos de forma que ele pudesse também acertar a entrada de meu anus, debrucei-me para frente apoiando os seios no peito do baixote e deixando o anus completamente exposto para o gigante lá atrás. Encostou a cabeça imensa daquele pau e muito, mas muito devagar mesmo começou a pressionar para dentro. Eu ajudava fazendo força com o esfíncter, até que senti meu anus alargar-se um pouco dando lugar para a cabeçona, diminui ainda mais o meu movimento e só apertava a bocetinha para que o parceiro de baixo não reclamasse, naquele movimento de tirar suco do membro dos homens.

De repente senti que a cabeça do pau do mulato tinha ultrapassado o limite de meu cu. Bem baixinho pedi a ele que esperasse um pouquinho para poder me acostumar com aquela monstruosidade enfiada em mim. Ele carinhosamente parou todo e qualquer movimento, mas eu sentia a pulsação de seu membro firmemente alojado em meu cu, porém era só o comecinho e eu já estava vendo estrelas, mas ao mesmo tempo senti um fogo subir pelas pernas em direção ao ventre, passando pelo peito, subindo à cabeça, e tive uma tonteira forte, fiquei com medo de desmaiar. Felizmente passou logo, e presumi que a tontura era de tesão, porque ele me perguntou se estava tudo bem e eu respondi que continuasse, mas daquele jeito que tinha começado. Recomecei também lentamente o meu movimento no pau do baixote enquanto sentia o mastro ser enterrado milimétricamente em meu cu. Eu não acreditava que fosse caber tudo em mim, mas também não acreditei que iria entrar. Eu não sei o tamanho da gente internamente e nem sou boa em calcular tamanhos ou medidas, mas acredito que aquele pau deveria medir uns 25 centímetros. Aos pouco fui sentindo as minhas partes internas serem alargadas a força, e doía muito, demais mesmo, mas junto com a dor vinha um sentimento de vitória por estar agüentando aquilo dentro de mim misturado com o maior tesão que eu já sentira. Antes dele chegar na metade da penetração eu tinha uivado de prazer e tinha tido três orgasmos seguidos. Os dois parceiros perceberam e fiaram maravilhados. Ele ainda estava enfiando bem devagarzinho tudo em mim, quando o baixote gozou loucamente em minha boceta, fazendo com que eu tivesse mais um orgasmo, não por causa de sua gozada, mas pela situação que estava passando. Fiquei um minuto pensando no que fazer, pois não podia sair de cima do baixote por causa do mulato na minha bunda. Continuei a contrair a boceta e falei baixinho para o baixote: um grande tesão é quando seu pau amolece dentro de mim, você vai ver. Ele concordou alegre e continuamos. Mais alguns segundos e eu estava com o tremendo cacete inteirinho enfiado na bunda. Percebi isso claramente quando toda a platéia começou a aplaudir não só a minha atuação como a do mulato também. Sinceramente fiquei extasiada com a situação e cada vez que sentia o bicho pulsar em mim eu gozava de novo. Foram múltiplos orgasmos, incontáveis mesmo, não conseguia parar de gozar, virei-me para trás e pedi que me desse um beijo bem gostoso. Depois que me beijou seu cacete foi também diminuindo, mas ele deixou ficar lá dentro. Sentia então dois membros dentro de mim esvaziando-se devagar e aquilo me deixou mais eufórica ainda. Depois que os dois paus estavam completamente murchos, foram escorregando devagar, cada um para fora de seu buraco. O baixote ainda mandou que eu chupasse seu pau, para limpar toda porra que tinha escorrido, visto ele estar em baixo. Cumpri meticulosamente meu dever deixando seu pau limpinho. Nem bem tinha me levantado e já estavam mais dois, o magricela e o de 35 anos mandando eu me arrumar para ser fodida de novo. Não falei nada e fiquei a espera das ordens, enquanto os dois discutiam: não cara, quem vai por no cu sou eu, que pedi primeiro, falava o magricelo. Não tem esse negócio de falar primeiro não, irmão, é questão de antiguidade no clube e eu sou mais velho do que você. Ai disse o magricelo: tá então come você o cu dela que eu espero, porque também quero comer esta pequena maravilha. O moço me mandou imediatamente ficar de quatro e posicionando-se atrás de mim, não deu tempo nem de me preparar para trepar gostoso. Enfiou seu pau todo dentro de mim, sem um mínimo de consideração e educação, sabendo que eu não passava de um simples objeto que estava ali para dar prazer a ele, e que minha vontade não valia nada. Nesse meio tempo o cara de safado, chegou na minha frente com o pau para fora da braguilha e mandou que chupasse, mas eu estava numa posição incomoda, pois o cara que estava atrás me socava toda hora e eu não conseguia me apoiar nas mãos. De repente senti um tapa estalar no meu rosto, o safado tinha me dado um tapa avisando: chupa direito cadela, senão vai apanhar muito. Procurei chupar o melhor possível, mas depois do tapa eu tinha perdido o rebolado e o tesão, e logo senti que o magricela estava gozando no meu cu, me empurrando mais ainda em direção ao cara de safado. Senti o rosto arder com o segundo tapa, e vieram lagrimas aos olhos não tanto pela dor, mais pela humilhação, mas me lembrei que era uma escrava e continuei firme sugando aquele pinto que não estava me dando nem um pouco de prazer. Quando ele gozou na minha boca, minha vontade foi de cuspir, mas ele tinha visto minha atuação nas outras chupadas e poderia me agredir de novo, portanto engoli tudo, só que engoli rapidamente sem saborear o gostinho da porra daquele ali. Quando o magricela tirou o pau de meu cu, o senhor dos 35 anos, já estava esperando e não me deu tempo nem de levantar, metendo sem cerimônia também, um pintinho mixuruca na minha traseira. Esse é do tipo que puta gosta, não demorou dois minutos e jorrou um pouquinho de esperma em mim sem falar nada e sem gostar parece. Levantei-me e me posicionei junto à parede, até que o dono da casa mandou que fosse tomar outro banho. Subi para o andar superior absolutamente nua na frente de todos, procurando ser o mais sensual possível.

CAPITULO 8

Depois de ter tomado um reconfortante banho, vi que estava um pouco cansada de toda aquela movimentação, e resolvi não descer por uns momentos. Deitei-me um pouco na cama do casal e acabei pegando no sono. Não tenho idéia de quanto tempo cochilei, pois quando abri os olhos por ter sido sacudida um dos garçons me olhava. Ele disse: Olha putinha, o patrão mandou você descer logo, mas quer que vá bem bonita e como tenho bom gosto mandou que a vestisse e que eu escolhesse seu vestido. Fiquei meio besta com o que ele falou, mas não soube como reagir naquela hora. Ele continuou: Você sabe que está aqui para dar prazer a quem solicitar não é? Eu perguntei se ele estava incluído naquilo, pois poderia perguntar a um dos convidados e ele desconversou. Disse que eu tomasse um banho, e apesar de ter dito que já havia tomado, disse que eram ordens que tinham que ser cumpridas, e que ele iria me esfregar. Não tive mais nenhum argumento e fomos para o grande banheiro da suíte. Lá ele ligou a ducha e mandou tirar o roupão e entrar debaixo d’água. Depois tirando a camisa, disse que não podia molhar, começou a me ensaboar, mas via-se claramente que de sabonete ele não queria nada, pois só passava a mão cheia de espuma pelos meus seios, minha vagina, e pelo meu anus, sempre dizendo que tinha que me deixar bem limpa, enfiava um ou dois dedos no meu cu, na minha buceta, e esfregava os seios com a outra mão. Ele se divertiu assim uns cinco minutos até eu alerta-lo de que o patrão poderia estar subindo para saber o porque da demora. Rapidinho ele parou e me deu uma toalha dizendo: De qualquer forma no final da noite vou pedir ao patrão que me deixe dar uma trepada com você e ele até hoje não negou para nenhum de nós empregados o uso das putas depois que todos já as usaram. Quando ele falou isso fiquei um pouco chateada com a situação, mas logo esqueci e fui me arrumar para descer linda. Entrei no close da dona da casa e fui escolhendo aleatoriamente nos cabides qualquer vestido que me agradasse. De repente vi um que me agradou, era de um azul claro, de seda muito leve, de primeira qualidade, com um decote pequeno na frente e um decote nas costas que ia até o começo do reguinho da bunda. Era todo plissado na saia que ficava bem rodada, e eu sabia que se girasse o corpo ela ia subir bem, mostrando minha pernas e talvez até a calcinha, mas de repente me deu uma idéia, e vesti-o ao contrário, com o imenso decote para a frente. Só que o decote não cobria os dois seios, quando eu puxava de um lado o do outro ficava descoberto, ia procurar alguma coisa no porta jóias dela para prender quando achei ainda mais sexy descer com um dos seios a mostra, e assim fiz, depois de ter me maquiado bem, colocado sapatos da mesma cor do vestido desci. Quando desci a escadaria, com um dos seios a mostra, o alvoroço foi enorme lá em baixo, todos rapidamente me cercaram, e só ouvia palavras elogiosas. Pouco depois o dono da casa acercou-se de mim e me abraçando pela cintura me conduziu até a sala maior onde estavam a maioria dos convidados. Lá chegando, distraidamente ele brincava com meu seio descoberto, fazendo com que eu começasse a me excitar novamente. Ficou passeando pela sala, sempre me segurando pela cintura e acariciando meu seio, parando para dar duas ou três palavras com algum hospede, até que encontramos meu marido, em um grupo de homens , que riam muito de alguma coisa dita por um deles, em uma saleta anexa. Ele parou junto ao grupo, e perguntou qual era a piada, mas eles disseram que não era piada, estavam rindo do inusitado da situação. O dono da casa, sem tirar a mão do meu seio falou para meu marido: “Eu não te vi mais desde que chegou, e vim agora fazer com que se divirta um pouco com nossa mais recente aquisição, esta bela fêmea, nossa mais nova escrava, cujo único objetivo hoje aqui é dar prazer a todos os que desejarem”. Ele fingia que meu marido não era nada meu, e mandou que me ajoelhasse, abrisse a braguilha da calça dele e o chupasse até que gozasse, falando para os outros: “Depois ela chupa vocês também, é uma escrava perita nessa arte”. Muito devagar abri o ziper da calça de meu marido e tirei seu membro para fora, o qual já estava meio duro, efeito das palavras do anfitrião, e comecei uma demorada, lenta e extremamente caprichada chupada. Demorava mais em lugares que sei que ele sente particular tesão, como por baixo de seu membro, passava a ponta da língua bem devagarzinho, colocava-o todinho aa na boca forçando-o contra a garganta, até que senti aquela velha entumescida que antecede o gozo e me preparei para sorver toda sua porra, tão gostosa para mim. Ela veio em jatos generosos, grossa, bem do jeito que me acostumei, enquanto eu engolia devagar para saborear bem, olhava de baixo para cima bem nos olhos deles, e vi toda a alegria que estava sentindo naquele momento, e me senti extremamente feliz com tudo aquilo que estava me acontecendo. Depois que ele terminou de gozar, ainda fiquei um tempo com seu pênis na boca, degustado os últimos vestígios de seu semem. Depois me virei para o primeiro que estava à direita e também abri devagar sua calça, tirando seu pau para fora, que neste momento estava bem duro pelo que tinha presenciado, colocando-o logo na boca, pois sabia que aquele não iria demorar. Dito e feito, nem 30 segundos se passaram e eu senti um forte jato de porra inundar minha boca, esta a espera, mas veio muito, quase me engasguei mas com perícia engoli tudo e fiquei a espera de mais, só que não veio mais, me deixando um pouco frustrada. Mas era querer demais, um monte de porra a minha espera e eu frustrada por algumas gotas a mais ou a menos de porra. Loucura. Passei para o terceiro, sem nem me preocupar como era o rosto de cada um, eu estava ligada somente na quantidade e no gosto da porra que poderiam me servir. Este tinha um membro bem mais avantajado que os outros, me enchia completamente a boca. Não era muito comprido, mas extremamente grosso, e na hora pensei em pedir que fizéssemos outra coisa em vez de chupada, mas já estava consciente de minha condição de escrava, que não pode pedir nada. Mas foi aí que eu vi porque gosto tanto de meu marido. Ele viu minha admiração pelo pau do moço, e falou: “Escuta companheiro, eu sei que escrava tem um chupada maravilhosa, como todos vimos agora mesmo, mas olhe só que bundinha deliciosa tem a menina?”. Quase morri de tesão, alegria e ternura por ele, por me conhecer tão profundamente, melhor até mesmo que eu. O moço não se fez de rogado, mas quis que fossemos até o salão principal para me comer na frente de todos. Fui escoltada por dois homens de quem não me lembro sequer o rosto, cada um segurando minha mão. Quando chegamos na sala, o pessoal fez a rodinha e o moço tirou a calça e a camisa, e eu vi que ele já estava com o membro bem rijo. Depois mandou que tirasse o vestido e a calcinha, o rapidamente eu fiz, ficando gloriosamente nua na frente de todos os convidados. Só aí me dei conta de que se não lubrificasse um pouco aquele vergalhão, não iria dar conta de te-lo dentro de mim, pelo menos no anus, como tinha sido aventado por meu marido. Fiquei em pé com cara de quem não sabe o que faz, mas mais uma vez meu amor me salvou. Foi até o “etagér” onde estavm os frios e pegando um pratinho colocou uma porção de maionese de salmão e foi até nós, falando: “Isto aqui é para dar mais gosto à sua trepada companheiro, e ato continuo passou um pouco da maionese na entrada de meu cúzinho. Aquela pequena porção gelada no meu anus me deu um terrível tesão, e quase gozo sem nem levar nada por trás. O moço agradeceu efusivamente meu marido ajoelhou-se a e devagar começou a enfiar tudo aquilo em mim. Como eu disse, seu pau não era grande no comprimento ma era enorme na largura, e foi difícil a cabeça do pau começar a alargar meu esfíncter, para permitir a passagem do resto do membro. Ele deu uma estocada forte, tirando um gemido de minha boca, involuntário, mas dei, e quando percebeu que o principal estava lá dentro, enterrou tudo com muita violência, aí sim me tirando um enorme gemido, substituído logo em seguida por um de satisfação, pois percebi que ele estava todinho dentro de mim. Acho que pelo adiantado da hora, o moço estava com pressa, pois rapidamente gozou, enchendo meu anus de porra quente e gostosa. Assim que tirou o pau de meu cu, mandou que o lambesse para tirar os restos de porra, o que fiz com maestria, sugando o restinho que ainda saía pelo canal. Depois disso todos se desinteressaram de mim, e meu marido foi ficar comigo, conversando baixinho. Perguntou o que tinha achado da noitada, e eu honestamente respondi que tinha perdido a contas das vezes que gozara. Perguntou-me se queria ir embora, e eu falei para conversar com o dono da casa, para saber qual era o procedimento. Como ele estava passando naquele momento, meu marido o chamou e fez a pergunta se estávamos dispensados. Ele então perguntou se queríamos ir embora, e quando olhou para mim eu disse que tanto fazia. Então ele completou: Só falta uma coisa a escrava cumprir, eu sou um bom patrão, e no final de cada festa deixo os empregados tirarem uma lasquinha das escravas que trazemos, vou leva-la até a cozinha, para que eles brinquem um pouco com ela e depois estão dispensados. Falou aquilo numa simplicidade incrível, como se fosse a coisa mais natural do mundo emprestar uma pessoa para outras fazerem o que quisessem com ela. Eu tinha colocado o vestido desta vez de forma correta, mas ele pouco escondia de mim, e estava sem calcinha que na hora um dos presentes pegou para ele. Quando chegamos na cozinha estavam quase todos lá, os garçons, os comins, e o cozinheiro. Eram oito ao todo, e fiquei um pouco receosa, afinal não achava que me excitaria de novo, com todos eles, depois de todas as vezes que já gozara. Ele falou alto para todos, fique um de vocês de prontidão para servir bebidas a quem pedir, e o resto pode brincar um pouco com a nova escrava. Ela é gostosa em todos os buracos, e tem uma boca maravilhosa na chupada, mas vocês é quem sabem o que querem dela. Quando me virei para vê-lo ir embora fiquei surpresa ao ver que meu marido tinha nos seguido e estava parado na soleira da porta, olhando. O chefe dos garçons disse para ele:”Chefia, o negócio do senhor é lá dentro, o patrão agora nos emprestou a vadia, e a hora é nossa, meu marido respondeu que queria somente apreciar e se eles se incomodavam. Todos deram de ombros, e ele sentou-se numa banqueta alta que estava perto da porta. Como ele era o chefe deu as ordens. Disse para tirarem tudo que estava na mesa de inox no centro da cozinha, e mandou que um deles tirasse meu vestido a calcinha e o sutiã. Quando o moço viu que eu estava nua por baixo, disse para o chefe:”Chefe esta está com pressa, já veio preparada para levar vara”. O garçon chefe mandou então que eu deitasse na mesa fria de aço inox, e mandou um comin pegar na geladeira, a travessa de mousse de pêssego e com uma espátula grande começou a espalhar a mousse pelo meu corpo. Com esse gesto, todo o tesão da noite voltou instantaneamente, só pelo ante-gozo de imaginar o que viria a seguir. Caprichou demoradamente em meus seios, cobrindo-os e recobrindo-os, divertido-se com a brincadeira, passando a espátula para lá e para cá, como um pedreiro com cimento, enquanto os outros olhavam todos visivelmente excitados, e eu via pelo volume de suas caças. Depois foi até minha buceta e cobriu todos meus pelos pubianos, com chantily, e com o cabo da espátula enfiou um pouco dentro dela, mas depois não agüentou e pegando um bocado de chantily, enfiou bastante dentro de minha buceta dizendo que ia tirar tudo com a língua. Nessa altura eu estava muito mais acesa do que estivera a noite toda. Depois que eu estava completamente coberta de mousse e chantily, ele mandou que todos ficassem em minha volta e comandou:”Olha aí cambada, primeiro nós vamos lamber a vadiazinha todinha, só que a bucetinha dela é minha ninguém mexe, depois como já está muito tarde a gente come ela de dois em dois tá bem, vocês tirem na sorte quem fica com o cu e quem fica na buceta, ok? Nem tinha terminado de falar e sete bocas começaram a me lamber com uma sofreguidão de famintos, dois deles os mais espertos logos se apoderaram de meus seios, e os lamberam muito rápido para meu gosto, mas aquelas línguas ásperas tirando a mousse de cima de mim, combinadas com a língua do chefe que tinha invadido minha buceta, e ia fundo para buscar o chantily, me levaram a loucura. Comecei a gemer alto, e depois a gritar mesmo. Rapidamente um deles tapou minha boca com a mão dizendo: “Se a vaquinha gritar , os bacanas vem aqui e estragam nosso pesqueiro”. Em questão de minutos eu estava limpa, isto é sem, nenhum vestígio tanto do mousse como do chantily, mas estava toda lambuzada. Quando o chefe dos garçons viu que tinha acabado tudo, mandou o pessoal se afastar e falou para mim:”Agora putinha, você fica de quatro em cima da mesa, que um de nós vai por baixo de você e outro vem por trás, fique perto da borda pro cara que estiver atrás te mete em pé mesmo, e quem vai ficar por baixo primeiro sou eu. Eu gosto muito mais de comer um cu, mas estou muito cansado para comer de pé. Dito isso deitou-se na mesa e mando que eu o cavalgasse, e como ele estava de roupa mas com o membro para fora, e eu estava toda lambuzada, assim que cheguei perto de seu pau ele entrou facilmente em minha buceta, como uma escrava sexual, comecei a me movimentar no movimento de sobe e desce sobre o pau dele quando senti duas mãos segurando minha cintura e me puxando para trás, e ao mesmo tempo senti a cabeça de um pau enconstar em meu buraco anal. Como eu estava todinha lambuzada por dentro e por fora, visto que na hora em que ma lambiam, todos eles enfiaram todos os dedos e línguas em todas as partes e buracos de meu corpo foi fácil para quem estava atrás de mim enfiar seu pau em meu cu. Entrou como uma faca na manteiga, encostando no pau do chefe através da membrana vaginal, e como os movimentos dos dois estavam desencontrados, os dois membros se atritavam por cima da minha membrana vaginal, me dando uma sensação terrivelmente gostosa e um tesão enorme. Antes mesmo que um deles tivesse gozado, eu já tinha tido dois orgasmos violentos, e o chefe mais experiente, percebeu e sorrindo me falou: “Gostou né putinha, os bacanos de lá de dentro não sabem fazer como nós não e´ mesmo?” Só não confessei que era, para não dar chance deles se vangloriarem demais. Não sei quem foi que me comeu por trás, mas como ele terminou antes que o chefe dos garçons, nem bem tinha tirado o pau de meu cu, e outro o substituía, só que esse me deu a impressão de ser de um dos comins, que são ajudantes de garçon, mas geralmente são quase meninos, pois era um membro bem pequeno e gozou tão rápido que eu nem percebi. Enquanto o chefe dava as últimas estocadas e começava a gozar em minha buceta, o menino lá atrás gozou também, e com a inexperiência tirou logo seu membro. Enquanto o chefe na condição de chefe, deixava que seu membro amolecesse dentro de mim, outro se posicionou por trás e enfiou com brutalidade seu pau em mim. Era o terceiro a me comer o cu enquanto só um havia comido minha buceta. Eu não sei das outras mulheres, mas um dos tesões que sinto, é deixar um pau amolecer dentro da buceta, ou no cu ou na própria boca, mas o tesão maior é quando ele amolece devagar dentro da vagina, a gente vai dando aqueles apertões vaginais, para ver se atrasa o amolecimento, é um tesão enorme. Enquanto o terceiro bombava meu anus, com um pênis normal, o chefe falou alto, vão comendo o cuzinho da putinha que eu vou demorar um pouco mais aqui, mas meu anus já estava reclamando do uso intensivo da noite toda e particularmente depois do enorme e monstruoso pau que tinha agüentado na sala. Como eles eram todos trabalhadores e moços, gozavam rapidamente , sem se preocupar se eu tinha gozado junto ou não. Logo que o chefe terminou de falar o sujeito que me comia, inundou meu anus de porra, e na hora em que tirou seu membro eu senti a porra dos três somados escapar descendo pela minha perna abaixo. O seguinte nem se preocupou com a lambuzeira de porra que tinha lá atrás e logo enfiou com vontade um membro também sem maiores atrativos. Meteu, e estava metendo quando o chefe quis sair debaixo de mim, me empurrando um pouco para sair, e isto fez com que o pau do que estava atrás escapasse, o homem virou uma fera, e me deu um tremendo tapa na bunda, dizendo:”Sua puta vagabunda, espera eu gozar, não é para tirar o cu do meu pau, sua putinha de merda. Só por isso você vai me chupar e eu vou gozar na sua boca, cadela do caralho. Ato continuo veio para a frente e colocou o pau perto do meu rosto e não tive outro jeito senão abocanha-lo e começar a chupar sem muita vontade. Nesta hora um dos meninos entrou bem baixo de mim e disse como um adulto: “Vadia desce essa buceta no meu pau e não erra tá? Senão leva uma biaba, ok?”. Quase ri da situação, mas fiz como ele falou enquanto continuava a chupar o outro. Estava esperando o esperma do homem em minha boca, quando o sétimo se posicionou por trás de mim. Esse veio de mansinho, encostou bem no centro de meu anus a ponta de seu membro, e bem devagar começou a empurrar para frente. Senti que essa era dos bons, pela demora com que meu anus demorou para permitir a entrada dele. Não era tão grosso como o do moço da sala, mas era muito grosso e parecia que não tinha fim. Eu fui sentindo aquilo entrar em mim, e comecei a ficar preocupada pois não sei até onde pode ir um pau no anus da mulher sem prejudica-la. Nessa altura o cara que eu chupava, começou a gozar, mas eu estava prestando atenção até onde ia o do meu cu, e deixei escapar não só o pau de minha boca, como também a porra dele caiu toda na mesa, ao lado do rosto do menino que comia minha buceta, que nem percebeu nada. Na mesma hora levei outra bofetada, desta vez no rosto e ouvi:”Ô cadela filha da puta, não faz nada direito, acaba de engolir o que resta de porra no meu pau, e depois lambe a que você deixou cair na mesa. Acabei de chupar seu pau, mas restava pouca coisa para engolir, E minha preocupação ainda era lá atrás, o pau do sujeito já tinha entrado todo, mas eu sentia que ele tocava o fundo de alguma coisa dentro de mim. Estava tão absorta no cara do cu, que nem me apercebi que o menino que estava em baixo de mim tinha terminado, e só estava a espera de uma chance para sair de baixo de mim. Nisso o que estava atrás de mim gozou, um gozo meio chocho, sem nada de especial. Tirou o pau meio mole de dentro e como eu estava sem mais ninguém me usando olhei para trás para ver o tamanho. Não acreditei que tudo aquilo tinha estado dentro de mim. Era enorme, comprido demais, me senti muitíssimo bem por ter agüentado tudo aquilo em mim. Sentei-me na beirada da mesa, e fiquei olhando para o último, exatamente o cozinheiro, um senhor já de certa idade, que continuo parado como se tudo aquilo não fosse com ele. Perguntei como ele queria gozar e ele me disse que não queria nada comigo, que não era costume dele fazer estas coisas na frente dos colegas, e mais um monte de coisas que o inibiam. Fiquei um momento em silencio, sem saber o que ia fazer, quando o sujeito da porra na mesa falou:”Vem cá cadela, vem limpar a minha porra desta mesa. Fiquei com nojo mas fui até ele, e ele apontou para a porra que estava na mesa. Não tive escolha e rapidamente lambi e engoli tudo que estava ali. Depois voltei a sentar na mesa, e pedi a meu marido que me desse o vestido, mas quando ia vesti-lo, o chefe dos garçons mandou que eu sentasse na beirada da mesa de novo e falou que iriam me preparar algo para comer. Logo pensei que eles iam fazer uma sopa de porra de todos eles, mas me enganei, ele me prepararam um sanduiche de presunto e queijo na chapa que foi um manjar dos deuses. Como eu continuava nua, o mais novinho dos comins ficou me abraçando, beliscando meus seios, queria que o beijasse na boca e por fim não agüentou e pediu:”O dona, faz uma chupeta em mim, nunca fizeram e me disseram que é muito bom, faz?”. Apesar de nessa hora estar exausta, me abaixei abri sua calça e peguei seu pintinho ainda mole, colocando-o todinho na boca me apliquei numa linda chupada. Em pouco segundos a porra do garoto encheu minha boca, e eu sorvi com gosto. Depois disso pedi a meu marido que fossemos embora, o que levou um certo tempo, pois saímos pela frente e todos na casa queriam se despedir de mim, ora me beijando, ora me apalpando, ora enfiando os dedos em meus buracos, todos homens e mulheres, até que chegamos na porta de entrada. Lá o casal anfitrião nos esperavam, para nos dizer da satisfação que havíamos dado a todos eles, e que a noite havia sido memorável, que deveríamos nos ver mais vezes e tudo o mais. O manobrista já estava com a porta aberta do carro e ao me ajudar, disse-me:”Madame, deixe que eu a ajudo a guardar o seio que escapou do decote, e sem a menor cerimônia pegou em meu seio e o enfiou pelo decote do vestido, que não cobria nada, tornando a escapar na mesma hora. Eu ri muito e agradeci sua gentileza. Não me lembro sequer do caminho até em casa.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
19/04/2009 17:00:56
Muito bom!
20/11/2008 14:11:21
amei este conto fiquei toda molhada e corri atraas de qum comesse o me cuzinh!!!!!
Lourival
23/10/2005 01:10:04
Conto muito excitante, bem acima da média
gaby
09/03/2005 10:23:03
adorei o seu conto... é maravilhoso...e a forma como escreve, sem erros, com uma leitura clara...além de excitante é gostoso... pena que aqui não tenha um clube desse...
08/03/2005 17:36:25
já li muitos textos deste género mas este foi sem dúvida o melhor! nota 20! Por favor conta mais contos deste tipo vai!
Paula Francis
28/01/2005 11:14:27
Coisa de louco. Preciso do endereço ou de um convite para ir a este clube. Por favor me ajudem... Adorei.
lesbicasafada
27/01/2005 23:11:30
mt bom o seu conto, apesar de comprido maravilhoso....gozei 3 vezes lendo ele! PARABÉNS! bjs gostosa
RICARDO
22/01/2005 03:04:02
AGORA SIM!!!! - GOSTOSA
andre
12/08/2003 15:47:47
adorava comer sua bunda, tenho caralho de 30 cm
Alex
29/06/2003 22:09:00
Caralhos, quase me gozei ao ler este conto...

Online porn video at mobile phone


O jenro na ponheta na tencao de sogra e chama de gostosa xnxx.comNovinha vijen tentando en fiar o dedo na bussetadeslizabdo na rola pornocontos eroticos um velho me pegou na praianamorada foi amarada e varios caras fuderao elauma garota virgem contratou um garoto d progama pra quebra seu cabasocontos meu genro me comeu a forcagoistosa nuonibucorno comido contosContos eroticos de mamae e filhas gulosas mamando nos pauzao grandao grossao dos cinco filhos numa suruba em casaPenis flacido castrar contoshomens sunga encostando na xotaquero bate papo com casada fogozavídeo pornô a novinha tomando banho com gosma e sanguecontos erotico amamentei dois garotoscontos eróticos publicados por testemunhas de Jeovácasada coroa casera do buctaovedeo estropadoe es tropando molherispornodoido mulher sarra no pau dentro da cueca novinha goziu tanto que a gala espirrou na cara do namorado ti gizandoeu chorei pedi pra parar mas ele metia contonegoes pirocudo enpurrando na potrinhawww.xvideo com novia da favela a dora regasa o cu e tem que filma a cara da vadeaesposa se acanha com punheta corno sexoxvideos so com meninas de 17aninhos de idade e com acssilas peludinhascontos heroticos minha bbzinha mi chupoumachos da periferia marentos na punhetaprofessora mulata fodenocom alunocontos eiroticos leilaporncontos eroticos papai me oegou na siriricacontos gay ajudando meu pai fechar a venda 2porno gey contos eroticos ferias c coleguinhacupabuceta e leva roladaXVídeos cara empurrando a rola na b***** da nega e saindo pussogro aproveita saidinha de filho e come a norapornô brasileiro mulheres comendo outra com pipador falando putariamulher chama encanador para o manobrista shortcontos eiroticos leilapornccrioula dando o cuzaoo cara pauzudo come o cu da crente erradoContos eroticos cunhada cdzinhawww.xvideos.negrao de 40 ctm de pau comendo uma viagemvídeo porno gay sensualismo mundobicha.comporno o cachorro enfio ate as bolas na dona xnnmulherer pediu mais piroca mais nao rinha mais e endiou a mao ate o corovelo pornotitio disse que tenho vocação para corno e enfiou a.comrola na minha mulher contosxvideo facilao liberou esposa eu extrupei ela a forçanovinha olhando o caralhao na cam chat e se assustoymulher dá o c* e chupa pica Malcoeu e minha irmã e minha mãe moramos sozinhos eu tenho 22 anos de idade minha irmã linda e gostosa ela tem 18 anos de idade eu tirei a virgindade da buceta e a virgindade do cu dela eu tava a noite fundendo minha irmã no meu quarto minha mãe ela entrou dentro do quarto ela me viu eu fundendo minha irmã minha mãe ela tirou sua roupa minha mãe disse pra mim pra eu fuder elas duas juntas conto eróticoSobrinha QUERNDO GRAVIDAR DO TITIOvideos de sexo filhas gemiase paiXVídeos eu quero ver a novinha levando o cachorro para cima da cama Fica alisando ele e ele o cachorro come ela em cima da cama delasexo porno meu professor foi me visita pra me da reforço,e acabou me chupandoIncesto wattpad de netas e vos tranzandoxvideos mulher bunda grande gostosa da mulestraContos novinha bolin d pel titia enquanto o tio dormePGAxvideoalfaiata xvídioXvideos grandes pauzudos enrrolaados na toalhas pernas abertassogra peituda, esposa de resguardo ( contos ).Love Boy-CASA DOS CONTOS EROTICOS |zdorovsreda.ruretribuindo o favor para a mae passando gel no seu cu contos eroticoscontos casada evanglica com pepino no cencoxada na gostosa d xortii xvideosfamilia sacana tufossou adepta a zoofilia virei cadelamae se engachou e filho comeu em baixo da cama xvideosvideos porn daquelas mulheres enquanto fodem ela mete a mão na boca depois a mão que estava na boca vai a vagina no pornuhwattpad enteado gay adora chupar a rola do padrasto bonitoPORNOVIDEOCURRAXnxx relacholmtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1surra nele comigo não toco maisporno darllannyconto crente cornovizinha maranhense me seduzindo de camizolinhahomens de porrete duro Xvideosindiachorandono sexo